conecte-se conosco



Política MT

TRE-MT implanta tecnologia Business Intelligence (BI)

Publicado

em

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) iniciou oficialmente nesta terça-feira (19.11) o uso de tecnologia Business Intelligence (BI). Toda gestão administrativa e orçamentária já implementaram a ferramenta que permite o monitoramento e gerenciamento instantâneo dos recursos do tribunal, desde os planos de trabalho, empenho, execução e liquidação de despesas,  assim como os contratos do órgão. O uso da tecnologia foi possível por meio de uma parceria com o Tribunal Eleitoral do Goiás, não gerando custos para o TRE-MT.

“Nós sempre tivemos a informação, o controle dos dados, mas faltava uma tecnologia para dar uma roupagem melhor, mais ágil. Era preciso que servidores trabalhassem na emissão de relatórios e tabulação destes dados. Agora tudo é feito com apenas um clique, representando economia para os cofres públicos, segurança e agilidade na tomada de decisão. Cada gestor agora possui a noção exata da questão orçamentária, contratual, logos vamos implementar na gestão de pessoas gestão, gestão de processos… Enfim, com a implantação dessa ferramenta tecnológica, o Tribunal muda de patamar na gestão administrativa, fazendo com que as informações e decisões sejam mais ágeis e eficientes. Um imenso avanço para todos, inclusive para a sociedade. Temos muito a comemorar essa conquista e agradecer ao TRE-GO”, destacou o diretor geral do TRE-MT, Mauro Diogo.

Toda a implementação foi feita por meio de um convênio junto ao TRE de Goiás, que deslocou quatro servidores durante uma semana em Mato Grosso fazendo as adequações e mudanças no sistema. “Os dados estão on-line, onde o gestor estiver ele acessa em tempo real o que está sendo feito em sua unidade, não necessitando pedir a seus subordinados para emitirem relatórios e levantamentos que duram dias para ser concluídos.  Um ganho considerável é a transparência dos dados, tenho certeza que rapidamente o tribunal irá criar meios para que todos estes dados sejam disponibilizados a sociedade em geral, diretamente no site do TRE-MT”, pontuou José Carlos,assessor de Governança do TRE-GO.

Ele contou como a tecnologia têm mudado a Justiça Eleitoral de seu Estado. “Nós liberamos uma série de servidores de tarefas repetitivas, com grande nível de responsabilidade, porém sem a necessidade de raciocínio, de esforço intelectual. Então liberamos uma mão de obra altamente capacitada para efetivamente pensar os problemas do TRE-GO, encontrar soluções criativas e arrojadas que realmente valem o esforço humano. São pessoas que olham para os indicadores, gerados agora eletronicamente, e interpretam quais os próximos passos. Um exemplo claro que temos lá é o custo do atendimento por eleitor, por cartório eleitoral, por servidor. Sabemos exatamente onde estão os nossos gargalos em um grande nível de precisão e aprofundamento”.

Para o secretário de Administração e Orçamento do TRE-MT, Rafael Zornita, a medida certamente auxilia na economia e rotina de trabalho. “É essencial nesse período de escassez e racionamento dos recursos públicos que o órgão reinvente os seus processos de trabalhos. A utilização do BI vem ao encontro dessa necessidade. Na área da gestão orçamentária e financeira havia essa lacuna de um sistema informatizado de controle e acompanhamento,  era uma demanda de longa data. Hoje podemos dizer que temos a gestão orçamentária e financeira do TRE-MT na palma da mão”.

Business Intelligence (BI)

Inicialmente, os painéis de monitoramento e acesso aos dados estão disponíveis apenas no ambiente virtual da Justiça Eleitoral (Intranet). São dois módulos de acesso, ‘Gestão Orçamentária’, e ‘Gestão de Contratos’. No primeiro, é possível acompanhar em abas o orçamento consolidado, a execução orçamentária, financeira, além dos restos a pagar. Dentro de cada aba, os dados são novamente organizados em custeio e investimentos, pessoal e benefícios, pleitos, biometria e outros. Cada segmento ainda pode ser detalhado em mais 4 subníveis.

O módulo Gestão de Contratos possui três abas iniciais, ‘Plano Interno’, ‘Contratado’, e ‘Vigência Contratual’. Na primeira e  segunda aba é possível analisar os contratos por tipo (se é uma compra, locação, serviço, reforma, aquisição com garantia…), por empresa contratada, verificar os pagamentos acumulados, as despesas empenhadas, a liquidar, liquidadas pagas, e ainda a média mensal. Já na vigência contratual, além dos vencimentos, é possível se encontrar as notas de empenho.

Toda a implementação da ferramenta Powerbi foi feita com a liderança dos gestores e servidores da Secretaria de Administração e Orçamento do TRE-MT. A reunião de apresentação da ferramenta aos servidores foi realizada na quinta-feira (14.11).

jornalista Daniel Dino

Assessoria TRE-MT

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Aprovado texto que estabelece distribuição de lanches em escolas públicas

Publicado

em

Alunos da rede estadual de ensino público poderão receber lanches como forma de garantir ao menos uma alimentação de qualidade antes das aulas. A proposta está presente no Projeto de Lei 47/2019 e recebeu parecer favorável na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). O projeto agora segue para apreciação em plenários. Além desse, os membros da CCJR apreciaram outras oito matérias durante a 40ª reunião extraordinária remota desta terça-feira (07).

O PL 47/2019, de autoria do deputado Eduardo Botelho (DEM), propõe que estudantes de todos os níveis escolares recebam uma refeição antes do início da aula. O lanche seria uma foram de assegurar melhores condições de aprendizagem aos alunos que não tiveram podem comer antes de ir para escola. De acordo com a proposta, “uma boa alimentação contribui para o crescimento, a aprendizagem, o rendimento escolar dos estudantes e a formação de hábitos alimentares saudáveis”.

A nutricionista Layde Emilia Figueiredo, que atuou por 32 anos na coordenadoria de merenda escolar do Estado e atualmente é conselheira titular do Conselho Municipal de Alimentação Escolar de Cuiabá, afirma que muitos alunos vão para escola sem fazer uma refeição adequada, principalmente nos períodos da manhã e noturno.

“Nutricionalmente seria muito importante. Nem sempre as crianças conseguem tomar o café-da-manhã antes de sair de casa, principalmente na zona rural. E à noite, muitos alunos trabalham o dia inteiro e não têm tempo de se alimentar antes da aula. Mas é preciso estabelecer de onde virão os recursos, porque não há receita suficiente para o fornecimento de mais uma refeição”, explica Layde Emilia.

Outro Projeto de Lei que recebeu parecer favorável na CCJR foi o 351/2020, também de autoria do deputado Eduardo Botelho, que obriga as concessionárias de energia a receberem, a vista ou parcelado, o pagamento de contas por cartão de crédito. A medida, segundo o autor da proposta, deve ser mais uma alternativa aos consumidores, sobretudo neste momento de pandemia.

“A pandemia causada Coronavírus atinge boa parte da população e as medidas ora propostas têm como objetivo facilitar a vida dos consumidores de energia elétrica e ao mesmo tempo garantir o maior pagamento possível de faturas. Concessionárias de todo Brasil já adotam tais formas de pagamento”, descreve o deputado ao justificar a proposta. Este projeto também segue para apreciação em plenário.

Vetos – Os deputados membro da CCJR, o presidente Dilmar Dal Bosco (DEM), Sílvio Favero (PSL), Lúdio Cabral (PT) e o suplente Xuxu Dal Molin (PSC) também apreciaram alguns vetos do Poder Executivo. Três vetos tiveram parecer aprovado pela manutenção. O Veto Total 51/2020 aposto  ao  Projeto  de  Lei  nº  290/2020,  que  dispõe  sobre a vedação  à suspensão ou à rescisão unilateral por parte das operadoras de planos de saúde durante  o  período  de  calamidade  pública.

Veto Total 48/2020 é com relação ao projeto de lei nº  291/2020 que trata da proibição da cobrança  de  juros  e/ou  multas  sobre  dívidas  referentes  aos  serviços  públicos  essenciais  de fornecimento  de  água,  tratamento  de  esgoto  e  energia  elétrica,  contraídas  no  período  de calamidade  pública. Por fim, foi  mantido o Veto Parcial 44/2020 ao PL 216/2019, que tornaria obrigatória a  reserva  no  sistema  de  transporte  coletivo  interestadual  para  jovens  de  baixa  renda.

Confira os pareceres da 40ª Reunião Extraordinária remota da CCJR.

Parecer Favorável

Projeto de Lei 351/2020 (c/emenda) – Autor: Dep. Eduardo Botelho

Projeto de Lei 47/2019 (c/emenda) – Autor: Dep. Eduardo Botelho

Projeto de Lei 184/2019 (c/subst. integral) – Autor: Dep. Sebastião Rezende

 

Manutenção do Veto

Veto Total 51/2020 – MENSAGEM N.º 78/2020 – Autor: Poder Executivo

Veto Total 48/2020 – MENSAGEM N.º 75/2020 – Autor: Poder Executivo

Veto Parcial 44/2020 – MENSAGEM N.º 70/2020 – Autor: Poder Executivo

 

Retirado de Pauta:

Projeto de Emenda Constitucional 7/2020 – Autor: Dep. Paulo Araújo

Projeto de Lei 59/2019 – Autor: Dep. Eduardo Botelho

 

Pedido de Vista

Projeto de Emenda Constitucional 5/2020 (c/subst. integral) – Autor: Dep. João Batista

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana