conecte-se conosco



Cultura

Trajetória de Vera Capilé será revisitada em livro, documentário e CD

Publicado

em

Projeto selecionado em edital da Secel já está em fase de produção para homenagear artista nascida em MS, mas cuja história se entrelaça com a cultura cuiabana e mato-grossense.

Expoente da cultura cuiabana, mas que a propósito nasceu em Dourados (MS), a cantora e compositora Vera Capilé tem passado os últimos dias revivendo as memórias. Uma das homenageadas do edital Conexão Mestres da Cultura da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), a artista vai ter sua biografia registrada em livro, documentário e ainda, uma coletânea com as músicas mais marcantes de sua carreira será lançada.

“Disseram que precisavam do meu release e nem questionei. Depois, me chamaram para um café: ‘Vera, você vai ser homenageada’. Chorei igual criança”, se diverte ao lembrar da boa nova levada pela proponente do projeto, Tatiana Horevicht.

“Vera nasceu em Mato Grosso do Sul, numa época em que os estados eram um só. E ao viver boa parte de sua vida em Cuiabá, sua história se entrelaça de tal maneira com a cultura de Mato Grosso, que ela se tornou um dos ícones da cultura mato-grossense. Tem uma contribuição imensurável e incontestável quando revisitados os 60 anos de carreira que completa em 2021”, destaca Tatiana. Na empreitada recebe suporte do historiador Luiz Gustavo Lima e da cineasta Juliana Capilé.

E se alguém contestar a legitimidade da informação, Vera emenda brincando: “Já tenho até título de cidadã cuiabana”. E entrega: “acredita que ainda não tenho a de cidadã mato-grossense? Fica a dica!”, ri muito.

Livro, documentário e CD

No primeiro mês do projeto, cuja execução está focada na produção do livro, Vera sabe que ainda tem muito “chão” pela frente. “Me pediram para garimpar fotos antigas, vamos fazer fotos atuais e tenho dado É tanta coisa que estou revivendo”.

Para o documentário, cujas gravações ainda vão começar, serão promovidos encontros com amigos e importantes parceiros artísticos. “Imagina só o nível de felicidade que estou vivendo! Me reunir com grandes amigas como Glória Albues, Vitória Basaia e Lúcia Palma! Mal posso esperar”.

Tatiana ressalta que junto aos livros, serão encartados os CDs e está na lista dos pontos de distribuição, bibliotecas de todo o Estado de Cuiabá. “Dessa forma a gente contribui como fortalecimento da história cultural de nosso Estado”.

O documentário arremata as diferentes nuances da proposta selecionada pelo edital da Aldir Blanc, viabilizado pelo Governo de Mato Grosso via Secretaria de Cultura, Esportes e Lazer (Secel-MT) em parceria com o Governo Federal via Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

O titular da Secel, Beto Machado, celebrou a homenagem à Vera. “Além de ser uma artista fabulosa, Vera Capilé é uma ativista da cultura mato-grossense. Sua arte honra o conjunto do patrimônio imaterial de Mato Grosso”.

Trajetória inconteste

Nesse exercício de revisitar suas memórias, Vera tem fortalecido também sua autoestima. “Daí que eu fui olhar para trás. Foi tanta coisa que eu já fiz, representando nossa cidade, nosso Estado e até o nosso país em apresentações internacionais como a que fiz”.

Vera levou o nome e a música de Mato Grosso para todo o Brasil e para a França em turnê pelo Projeto Pixinguinha ao lado de Simone Guimarães e Renato Brás. Ela cantou, entre outras músicas, o hino de São Benedito, do qual é devota. Ela também é reconhecida por performances memoráveis entoando os hinos de Cuiabá, Mato Grosso e nacional, à capela ou ao som da viola de cocho. Muitas destas, na companhia de outro grande parceiro, Habel Dy Anjos.

Além de toda a colheita que vem de uma longa trajetória em defesa da cultura mato-grossense, Vera espera que esse momento único de sua carreira possa reforçar suas raízes. “Gostaria muito que as pessoas soubessem que tive todas essas pessoas que deram base, a principal delas, meu pai”. Sinjão Capilé foi quem sempre a orientou.

“Nunca elogiou. Ele só me olhava. Mas um dia, quando ele estava me acompanhando em um show em 2015 e ele tinha 99 anos, ficou me olhando por um tempo como se nutrisse grande admiração e disparou: eu nunca vi alguém cantar como você. Eu sabia como me amava, mas até então, nunca tinha expressado. É um momento inesquecível da minha vida”.

Para tornar esse momento que está vivendo ainda mais especial, Vera também arremata o livro em que reconta A propósito, Vera adianta que também ela teve projeto aprovado no edital MT Nascentes. Oportunidade que terá de publicar um livro sobre a trajetória do pai, que não só foi expoente da música, como também, da história política de Mato Grosso. “Mas isso é uma outra história, aguardem”.

Fonte: Assessoria

Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Cultura

Artista plástico homenageia personalidades mato-grossenses com exposição de bustos

Publicado

em

O artista plástico Tchéllo Santos realiza a sua primeira exposição solo, em Cuiabá e Várzea Grande, entre os meses de março e abril. Com o tema Personalidades, ele homenageia dez nomes da cultura regional, política e religiosa, que fazem parte da história de Mato Grosso. A exposição é realizada via Edital MT Nascentes, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

Tchéllo fez os bustos de Couto Magalhães, Sarita Baracat, dona Domingas Leonor (Grupo Flor Ribeirinha), Jejé de Oyá, Mãe Bonifácia, Manoel de Barros, Marechal Rondon, Pascoal Moreira Cabral, Maria Taquara e Júlio Domingos de Campos (seo Fiote). As obras foram esculpidas a partir da argila e finalizadas com cimento.

Para o artista, a exposição tem o intuito de resgatar o legado dessas figuras e levá-los ao conhecimento da nova geração. “O objetivo é levar ao conhecimento tanto da população local como de visitantes, a importância dessas personalidades para a nossa história. Relembrar e ensinar sobre nossa cultura aos mais jovens, despertar a curiosidade dessa geração e valorizar nossos pontos turísticos. Além disso, valorizar os artistas desse segmento, essencial para que se perpetue essas origens”, destaca Tchéllo.

Haverá duas exposições, a primeira de 06 a 23 de março, no Museu de Arte Sacra (MAS), em Cuiabá; e a segunda, de 24 de março a 12 de abril, no VG Shopping, em Várzea Grande. Durante as mostras, Tchéllo também realizará oficinas, ensinando as técnicas que usa para esculpir. Ao todo, serão quatro aulas com argila. Confira a programação completa abaixo.

Marcelo Fonseca dos Santos, o Tchéllo Santos, é natural de São Paulo, reside em Mato Grosso desde 1990. Tchéllo faz parte da quarta geração de artistas plásticos da sua família. Herdou o talento do seu avô e junto do pai foi aprimorando a técnica.  Com trabalhos presentes em vários municípios de Mato Grosso e outros estados do Brasil, como Goiânia, Salvador, São Paulo, Minas Gerais, Brasília, o artista vem desenvolvendo sua arte de forma exclusiva e rica em detalhes, sempre trazendo vertentes decorativas, religiosas e místicas.

Serviço

Exposição e oficinas “Personalidades”

Local: Museu de Arte Sacra

Endereço: Praça do Seminário – Dom Aquino, Cuiabá – MT

Período da Exposição: de 06 à 23 de março

Horário: 09 às 17h

Oficinas: 13 de março (sábado) e 20 de março (sábado), às 9h30

Público: de 7 a 14 anos

Inscrição pelo telefone: (65) 99965-0319

 

Exposição e oficinas “Personalidades”

Local: VG Shopping

Endereço: Av. Presidente Artur Bernardes, 43 – Centro Sul, Várzea Grande – MT

Período de Exposição: de 24 de março à 12 de abril

Oficinas: 24 de março (quarta-feira), às 18h e às 19h

Público: de 5 a 12 anos

Inscrição pelo Whatsapp (65) 99212-8307

 

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana