conecte-se conosco



Política MT

Suplente de Selma Arruda foi acusado de ser ‘laranja’ de Blairo Maggi

Publicado

em

Foto: Reprodução Midianews

A juíza aposentada e candidata ao Senado, Selma Arruda (PSL) declarou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) ter recebido em receitas R$368.275,00 para a sua campanha. Cerca de 51.05% do montante, R$188.000,00, veio de doação própria e os outros 48,88%, vieram de Gilberto Eglair Possamai, primeiro suplente de Selma e ex-vereador de Sorriso em 2004, acusado de ser laranja do ex-senador e ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Maggi (PP), pela Procuradoria Geral da República (PGR), por conta da compra de uma fazenda de calcário em Rosário Oeste (128 km de Cuiabá), chamada Fazenda São José. Em abril deste ano, o caso veio à tona novamente pelo Jornal O Globo.

 

A propriedade foi arrematada em leilão no ano de 2012 pelo então senador Blairo Maggi por R$ 22,7 milhões. Logo após a oferta, Maggi desistiu do arremate e decidiu transferir o direito de arrematação para Possamai, que pagou os mesmos R$22,7 milhões para ter o direito. A Procuradoria Geral da República (PGR) abriu um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar em quais condições se deram o leilão com as suspeitas de que Possamai fosse laranja do ministro. Por falta de provas, o inquérito foi arquivado.

 

Tudo isso aconteceu pois dentre as várias empresas no nome de Alain Borges, a Cotton King uma fábrica de tecidos em Cuiabá, entrou em recuperação judicial, após contrair dívidas no valor de R$ 58 milhões. Os bens de Borges foram penhorados, dentre eles, a fazenda com calcário, alvo da disputa judicial.

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso atendeu recurso do empresário Gilberto Eglair Possamai e revogou a decisão liminar (provisória) que havia determinado o sequestro da Fazenda São José, localizada em Rosário Oeste (128 km ao Norte de Cuiabá) e avaliada em R$ 39 milhões.

 

Caso levantou suspeitas de compras de sentenças em MT

Em julho de 2012, o imóvel que na época era avaliado em R$ 39 milhões, foi a leilão na Justiça do Trabalho para cobrir as dívidas do grupo de empresas mantidas por Borges. Foi arrematado por R$ 22,7 milhões pelo então senador Blairo Maggi, mas ele desistiu do lance e sub-rogou o direito de arrematação a Gilberto Eglair Possamai, que arcou com o valor e arrematou a fazenda.

 

A PGR pediu a abertura de uma investigação no STF por suspeita de Possamai ser ‘’interposta pessoa’’, termo popularmente conhecido como ‘’laranja’’. O inquérito foi arquivado pelo ministro Luis Roberto Barroso por falta de provas.

 

Alain Borges tentou anular o leilão na Justiça do Trabalho, para impedir a falência da Cotton King na 1ª Vara Cível de Cuiabá e transferir a massa falida da empresa para Jorge Zanette, empresário que já foi preso em São Paulo por estelionato. Ao arrendar a empresa, ele assumiria os bens de Borges, dentre eles a fazenda.

 

O leilão chegou a ser anulado na 7ª Vara do Trabalho de Cuiabá, mas na 1ª Vara Cível da capital, o juiz Flavio Miraglia Fernandes homologou o arrendamento da Cotton King para a empresa Darling Harbour Confecções, de Zanette

 

Em dezembro de 2014, contudo, o empresário brigou com o grupo de Alain Borges e decidiu ajudar Possamai com o histórico de supostas conversas que manteve no WhatsApp com a advogada Cláudia Regina Ferreira, que supostamente intermediava vendas de sentenças no Judiciário de MT. As conversas sugeriram um acordo para manter as terras com seus antigos donos.

 

Após a acusação, Possamai protocolou reclamação no CNJ contra os juízes envolvidos nas supostas conversas. O juiz Paulo Roberto Brescovici, do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (TRT-23) e o juiz Flavio Miraglia, este responsável pela decisão do arrendamento a Zanette, foram investigados pela Corregedoria geral da Justiça do Trabalho. Miraglia será julgado pelo pleno do TJ que decidirá nos próximos meses se aposenta compulsoriamente o juiz.

 

Já o inquérito contra Brescovici, foi arquivado pelo ministro corregedor-geral da Justiça do Trabalho, Renato Lacerda Paiva. Em fevereiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) de Mato Grosso acusou Possamai de “imputar crime a inocente”.

 

Os juízes negaram participação no caso. Atualmente, a fazenda está em poder de Possamai. Alain Borges ainda tenta reverter a venda judicial na Justiça.

 

A assessoria de imprensa da candidata Selma Arruda foi procurada para prestar esclarecimentos sobre o caso, mas não respondeu a reportagem.

 

Selma Arruda rompeu com a coligação do PSDB por casos de corrupção e boicote

Na última sexta (31), a candidata ao Senado anunciou rompimento com a coligação do PSDB, acusando o candidato ao Senado Nilson Leitão (PSDB) de estar envolvidos em casos de corrupção e boicote a sua candidatura. Mencionou também as delações de Alan Malouf, condenado a 11 anos de prisão por corrupção na Secretaria de Educação do Estado (Seduc), que foram homologadas no STF e menciona a acusação de participação do governador Pedro Taques (PSDB) no esquema, como um dos motivos para deixar a chapa, menos de uma semana, após subir ao palanque junto com Leitão, no último domingo (26), em Cuiabá.

Fonte: Gabriel Oliveira-MT de fato

 

Veja matérias relacionadas:

http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/152/og/1/materia/545255/t/suspeito-de-ser-laranja-de-blairo-sera-suplente-de-selma

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Cuiabá

Pesquisa Ibope para 2º turno em Cuiabá, votos válidos: Abilio 50%; Emanuel Pinheiro, 50%

Publicado

em

Pesquisa Ibope encomendada pela TV Centro América e divulgada nesta sexta-feira (27) aponta os seguintes percentuais de intenção de votos válidos para o segundo turno das Eleições 2020 para a Prefeitura de Cuiabá:

 

O percentual de votos válidos de cada candidato corresponde à proporção de votos do candidato sobre o total de votos, excluídos os votos brancos, nulos e indecisos. Para vencer no 2º turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Evolução

 

Em relação aos votos válidos do levantamento anterior do Ibope, de 23 de novembro:

  • Abilio foi de 54% para 50%
  • Emanuel Pinheiro foi de 46% para 50%

 

Votos totais

 

  • Abilio: 45%
  • Emanuel Pinheiro: 45%
  • Branco/Nulo: 8%
  • Não sabem ou não responderam: 3%

 

Evolução dos votos totais

 

Em relação aos votos totais do levantamento anterior do Ibope, de 23 de novembro:

  • Abilio foi de 48% para 45%
  • Emanuel Pinheiro foi de 40% para 45%
  • Branco/Nulo foi de 7% para 8%
  • Não sabem ou não responderam foi de 6% para 3%

 

Sobre a pesquisa

 

  • Margem de erro: 4 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Quem foi ouvido: 602 eleitores da cidade de Cuiabá
  • Quando a pesquisa foi feita: 25 a 27 de novembro
  • A pesquisa foi encomendada pela TV Centro América
  • Número de identificação na Justiça Eleitoral: MT‐09681/2020

 

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Por G1 MT

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana