conecte-se conosco



Várzea Grande

Rasqueado: de Várzea-grandense a Cuiabano

Publicado

em

No ano de 1870 acaba a Guerra do Paraguai e, na região de Várzea Grande, onde estavam confinados os refugiados da Guerra e os prisioneiros da retomada de Corumbá, começaram a se integrar junto com os ribeirinhos mato-grossenses para o convívio do dia-a-dia.

Nessa interação de simbioses práticas, a viola-de-cocho e o violão paraguaio começaram a tocar uma nova música e, assim, nasceu o rasqueado (mistura de siriri mato-grossense e polca paraguaia).

O novo ritmo surgiu para a exaltação da volta à vida e para sepultar as lágrimas do grande conflito que determinou o rumo da história latino-americana.

Por ser uma música de origem humilde, ficou discriminada até a proclamação da República, quando se começou a perceber o seu jeito contagiante e envolvente, já chamando, na época, de “limpa banco” e começaram a tomá-la emprestada para a eleição e festas de santos.

O rasqueado ganhou dianteira, pois envolveu os músicos e a elite governamental ao mesmo tempo. Assim, a música começou a aparecer nos “tchá-co-bolo” dos saraus, ao lado de Beethoven, Mozart, Chopin e outros.

Na década de vinte do século passado, o negro Mestre Ignácio, do Bairro Baú, começa a executar o Rasqueado na sua Banda Marcial própria, ao lado do Jazz, Blues, Chorinho, Valsa, Maxixe, Fox-trote e outras expressões em voga na época.

A música começa a receber influência forte da música brasileira da capital do Rio de Janeiro, e os trovadores de verso vão dando lugar ao solista das orquestras típicas.
O rasqueado toma a sua forma de música instrumental e o naipe sax, trombone e trompete, tornam-se instrumento padrão de Banda de Rasqueado, assim como acontecia com o chorinho, samba, dobrado, etc, que ficaram marcados com tais instrumentos.

Uma outra modalidade de Rasqueado se desenvolve também na Baixada Cuiabana, apoiado na sanfona de quatro e oito baixos. Conhecido como “pé-de-bode”, e, por ter desenvoltura nos seus teclados (chamado ponto) para outras escalas, o Rasqueado aproxima mais da Polca Paraguaia e do Chamamé, criando o estilo chamado “Rasqueado da Fronteira”.

Mais tarde o músico e radialista paulista Mário Zan (compositor da música “Chalana” e “Siriema”) foi beber nessa fonte, assim como o paulista-cuiabano Nardinho, considerado o maior acordeonista do Rasqueado de Fronteira, criou várias composições nesse estilo.

 

SÍMBOLO DE MATO GROSSO

No final de 2004, foi criada pela Assembleia Legislativa a Lei nº 8.203, que declarou o rasqueado como ritmo musical símbolo de Mato Grosso. De autoria do presidente da Assembleia, deputado José Riva (PSD), a lei, segundo ele, foi pensada como um instrumento para a conscientização cultural.

Wilson Pires de Andrade é jornalista em Mato Grosso.

 

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Várzea Grande

Polícia Civil apreende em Várzea Grande menor com mandado expedido por Mirassol D’Oeste

Publicado

em

Assessoria/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada do Adolescentes (DEA) de Várzea Grande, apreendeu um adolescente na quarta-feira (03.06) durante diligências para cumprimento de mandado judicial.

O menor é suspeito de ato infracional análogo ao crime de roubo e estava com a ordem de busca e apreensão em aberto, decretada pela Justiça decorrente de um processo criminal da Comarca de Mirassol D’Oeste (300 km a oeste da Capital).

De posse do mandado de busca e apreensão contra o adolescente, os policiais civis foram até um endereço inicialmente identificado como do menor, porém ele não morava mais no local.

Após minuciosa busca nos sistemas e banco de dados, a equipe da DEA conseguiu encontrar o adolescente em outra residência no bairro Cristo Rei (VG).

Ao ser abordado o adolescente foi conduzido em cumprimento ao mandado de busca e apreensão, sendo colocado à disposição do Poder Judiciário.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana