conecte-se conosco



Cuiabá

Quinta-feira (3): Mato Grosso registra 161.116 casos e 4.164 óbitos por Covid-19

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quinta-feira (03.12), 161.116 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 4.164 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Foram notificadas 576 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 161.116 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 2.975 estão em isolamento domiciliar e 153.477 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 146 internações em UTIs públicas e 123 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 36,23% para UTIs adulto e em 14% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (35.842), Rondonópolis (11.968), Várzea Grande (11.432), Sinop (8.459), Sorriso (6.946), Lucas do Rio Verde (6.302), Tangará da Serra (6.182), Primavera do Leste (5.319), Cáceres (3.625) e Nova Mutum (3.424).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link.

O documento ainda aponta que um total de 127.646 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 423 amostras em análise laboratorial.

Cenário nacional

Na última quarta-feira (2.12), o Governo Federal confirmou o total de casos da Covid-19 no Brasil 6.436.650 e 174.515 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 6.386.787 casos da Covid-19 no Brasil e 173.817 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados de quinta-feira (03.12).

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

 

Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Cuiabá

Médico que atua no combate à Covid-19 conta experiência e aconselha sobre cuidados

Publicado

em

 

Com apenas 25 anos, o clínico geral, Djullian Baldi, é um dos médicos que atuam na linha de frente no combate à Covid-19, em Cuiabá. O profissional é responsável pelo tratamento de pacientes que estão internados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Covid, no Hospital Municipal São Benedito.

Atualmente, o São Benedito conta com 40 leitos disponibilizados somente para a ala de UTI Covid, que já está com quase 70% dos leitos ocupados, após a nova alta no número de casos do coronavírus em Mato Grosso.

A unidade de saúde está em apoio ao Hospital Referência para a Covid-19 (antigo Pronto-Socorro) desde junho do ano passado. Djulian, que já estava atuando em UTIs, foi convidado e aceitou o desafio. Desde então tem vivido momentos, que segundo ele, são difíceis, mas também de muita alegria, quando os pacientes se recuperam.

“Olhando para trás, vejo que não poderia ter escolhido nada diferente. É uma profissão que me traz muitas alegrias, temos momentos difíceis, mas ninguém esperava passar por uma situação dessa. Foi um desafio muito grande e já faz um ano que trabalho dentro da UTI e a rotina de quem trabalha lá dentro é muito pesada, muito sobrecarregada, principalmente na parte do trabalho físico, quanto da parte emocional. A gente vai para casa, mas não consegue desligar do que acontece lá de dentro”, diz o médico.

O profissional relata que a cada paciente que perde a vida para o vírus comove toda a equipe. “A gente não para nenhum minuto, fazemos várias coisas ao mesmo tempo. O plantão geralmente tem 12h, mas agora vai de cada médico, eu particularmente consigo ficar 24h, até para gente não ficar esgotado, senão prejudica o paciente. O cenário é triste, é uma carga emocional muito grande, porque pelo menos 60% dos pacientes chegam para a gente na maca, falando, conversando, e acabamos tendo um certo apego, não como família, mas criamos uma amizade, um vínculo com eles, e vendo a evolução do quadro, acompanhando os exames, vivemos aquela angústia, a carga emocional é muito grande”, conta.

O médico afirma que não contraiu o vírus até hoje e para continuar assim toma todo o cuidado recomendado. Mas, apesar disso, já passou por momentos angustiantes, quando a mãe e os avós pegaram a Covid. Para ele, o momento de maior tristeza ocorreu há pouco tempo, quando a avó de sua namorada perdeu a luta contra o vírus. Ela estava internada no Complexo Hospitalar de Cuiabá e veio a óbito após 29 dias.

“Desde que eu comecei a trabalhar na UTI Covid, evito ao máximo contato próximo com minha família, tudo para evitar um possível contágio, porque nós que trabalhamos diretamente estamos expostos a um risco muito alto e a gente vê as consequências disso lá dentro. Eu não quero que meu pai e minha mãe estejam naquela situação, então eu evito ao máximo ter o contato físico com eles”, relata o profissional.

Djulian é um dos profissionais que estão qualificados a tomar a vacina contra o coronavírus, que chegou em Cuiabá nesta semana, por estar atuando na linha de frente contra à Covid. Apesar disso, afirma que continuará tendo os cuidados necessários e aconselha a população em geral que faça o mesmo.

“Mesmo tomando a vacina, ainda temos que nos cuidar, porque o que as pessoas têm dificuldade de entender, é que a gente não leva um vírus para casa só tossindo ou estando com a doença. Na verdade, se você tocar em algo contaminado e não lavar as mãos, você já está levando para casa. E aí você toca na sua mãe, no seu pai e assim acontece a transmissão. Então, mesmo quem já se vacinou, mesmo quem já pegou, tem que tomar cuidado, porque ainda pode ser um possível transmissor da doença”, explica.

Outro ponto que também chama atenção do médico é o fato do número de pessoas jovens estar crescendo nessa pandemia. Apesar de ainda não ter nenhum estudo que comprove, Djulian afirma que tem visto muitas pessoas com idade entre 20 e 40 anos acometidos pela doença. Diante do cenário atual, o profissional ainda pede mais seriedade com relação ao vírus.

“É uma visão de quem está lá dentro todo dia, de que parece que o perfil de pacientes está mudando, temos muitos pacientes jovens. Temos pacientes de 29 anos, 39 anos, e isso é muito preocupante. Meu conselho é que não esperem perder alguém da família para levar essa doença a sério. Porque o perfil é depois que isso acontece, que começa a levar as coisas a sério. Acham que é tudo brincadeira, que os casos não estão aumentando, só que as UTIs já estão lotadas de novo”, ressalta.

 

 

Da Redação

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana