conecte-se conosco



Cultura

Povos tradicionais, os quilombolas retiram seu sustento do Cerrado

Publicado

em

Para marcar o Dia Nacional do Cerrado, comemorado hoje (11), a Agência Brasil publica a última reportagem em homenagem ao bioma. O tema da quarta matéria são os povos e comunidades tradicionais que vivem no Cerrado.

Muito se fala em preservar a flora e a fauna do Cerrado, mas pouco se fala dos povos e comunidades tradicionais que vivem desse bioma, que sobrevivem dos recursos naturais como indígenas, quilombolas, geraizeiros, ribeirinhos, babaçueiras e vazanteiros. Todos detêm conhecimento tradicional da biodiversidade e fazem parte do patrimônio histórico e cultural do Brasil.

São Jorge (GO) - O Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, que começou no último fim de semana termina no domingo (28), tem uma agenda política reivindicada pelos povos tradicionais. Está previsto na programação, o 2º
Apresentação cultural do povo quilombola Kalunga, durante Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, na Vila de São Jorge, município de Alto Paraíso de Goiás – Marcello Casal JrAgência Brasil

O governo brasileiro, no entanto, ainda não tem o mapeamento dos povos tradicionais. Não se sabe ao certo, quantos são e onde vivem exatamente.

Em uma iniciativa inédita no país e com o apoio de diversas entidades governamentais e não governamentais, o Ministério Público Federal desenvolve, em parceria com o Conselho Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT), uma plataforma digital para mapear e disponibilizar amplo acervo de dados georreferenciados de áreas ocupadas tradicionalmente por esses povos e comunidades.

O Cerrado gera renda para as comunidades tradicionais. Esses povos têm uma relação de pertencimento de seu território com suas raízes, com a família, modos de vida e sua identidade. O conhecimento popular sobre a biodiversidade do Cerrado é vivenciado no seu dia a dia dessas comunidades.

O agroextrativismo de produtos da flora, fauna, frutas, sementes, fibras, cascas e mel fortalece a economia dessas comunidades e contribuem para a segurança alimentar além de expressar a cultura e a identidade de cada povo.

Chapada dos Veadeiros
Casa de taipa típica do povo quilombola Kalunga, na região de Cavalcante, em Goiás – Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Cerrado bom é Cerrado vivo

Maria do Socorro Lima, quebradeira de coco no Tocantins, é presidente da Rede Cerrado. Durante a Roda de Conversa Elos do Cerrado, evento virtual promovido pelo Instituto Cerrados, ela contou que a na sua comunidade foi implantada a prática de agroecologia para evitar queimadas, e preservar as águas onde elas estão e a ecossistema da região.

“Cerrado é bom é Cerrado vivo, é Cerrado de Pé. Eu vivo do babaçu. Eu vivo dos remédios que vem da natureza, da terra, do Cerrado que a gente coleta pra fazer nossos medicamentos. É o Cerrado que me dá a condição de sobrevivência. Lutamos no combate ao desmatamento, nossas comunidades cuidam do Cerrado.”

A quebradeira de coco convida o povo urbano a conhecer o modo de vida dos povos tradicionais para sensibilizá-los e despertar a importância da preservação do bioma.

“Dinheiro e poder nós não temos, mas somos guardiões do Cerrado então temos que lutar pela preservação. Nosso valor é vida e isso não tem preço. E vida depende de água pra beber, da floresta viva, dos animais vivos. É importante conhecer o Cerrado de pé. É preciso unir todo povo brasileiro para preservar o bioma, convidar o povo urbano para conhecer o nosso modo de vida, nossa água limpa, nosso alimento sem agrotóxico, nosso remédio natural.”

O bioma

Chapada dos Veadeiros
Cachoeira do Abismo, vista do Mirante da Janelo, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás – Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segundo o Mapa Biomas e Sistema Costeiro-Marinho do Brasil, elaborado pelo Instituo Brasileiro de Pesquisa e Estatística (IBGE), o Cerrado é o único bioma presente nas cinco regiões do país. Ele ocupa 23% do território nacional, mas apenas 8% está protegido.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Cerrado é considerado um dos hotspots mundiais de biodiversidade. Isso significa que é uma área rica em espécies endêmicas, mas que sofre com alto grau de ameaça na perda de habitat.

De todos os biomas presentes no Brasil, apenas o Cerrado e a Caatinga não são considerados Patrimônio Nacional. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 504 tramita no Congresso Nacional desde 2010 para garantir que os dois biomas se juntem à Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal, Zona Costeira e Serra do Mar garantidos no Artigo 255 da Constituição brasileira.

Incluir o Cerrado e a Caatinga como Patrimônio Nacional é importante porque assegura – na forma na lei – a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso de recursos naturais.

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Cultura

Assista ao vídeo que será exibido na abertura da live de hoje

Publicado

em

Após quatro meses e com 1.029 músicas inscritas, a 12ª edição do Festival de Música Rádio MEC vai anunciar as vencedoras nesta sexta-feira (25). A cerimônia será transmitida pelas páginas do FacebookYouTube e Twitter da TV Brasil, pelo site das Rádios EBC e nesta página  a partir das 20h.

A cerimônia terá a apresentação do radialista Tiago Alves e performances da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), do acordeonista Marcelo Caldi, do grupo Farra dos Brinquedos e da cantora Nilze Carvalho.

Ao todo, 22 composições concorrem aos nove prêmios do festival. Na final, 12 músicas disputam na categoria Voto Popular, três músicas ao prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria Música Clássica, três concorrem ao prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria Música Instrumental, três ao prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria Música Infantil e outras três disputam o prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria MPB.

Classificado para a final nas categorias Voto Popular e Música Instrumental, o músico Ivan Melillo se diz honrado pelo reconhecimento e destaca a importância do festival. “O festival da MEC sempre teve muita relevância no cenário cultural brasileiro, com ou sem pandemia. Para mim, é um trabalho de anos sendo reconhecido”, diz. Além de Melillo, o único compositor classificado para a final em duas categorias é Chico Oliveira, que morreu no início deste ano.

A compositora Ângela Brandão, que concorre na categoria Música Infantil, diz que está ansiosa pelo resultado. “Eu me senti muito feliz e muito honrada de ver meu nome na final. Uma música nossa com a chancela da Rádio MEC é muito especial. Agora eu tô aqui na torcida, né? Vamos ver”, afirmou. Ângela também destacou que o Festival de Música Rádio MEC teve uma importância maior neste ano.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana