conecte-se conosco



Cultura

Orquestra da UFMT apresenta os encantos da Cuiabá Tricentenária

Publicado

em

Prestes a completar 300 anos, Cuiabá ganha uma homenagem mais do que especial da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). No domingo (26), a partir das 20h, os músicos, sob o comando do maestro Fabricio Carvalho, realizam a estreia mundial da obra “Concerto Tricentenário para Piano e Orquestra”. A apresentação acontece no Teatro Universitário e a entrada é gratuita. Os convites podem ser retirados a partir desta quinta-feira (23) nas bilheterias, entre 8h e 11h30 e 14h e 17h30, e as entradas são limitadas a duas por pessoa.

A obra foi composta pelo maestro Jether Garotti Jr. sob encomenda do professor Ernani Calhao, docente aposentado da Faculdade de Economia e fundador do movimento Muxirum Cuiabano, e é dividida em três partes: o épico, o sacro e o folclórico. “A minha primeira preocupação era como falar dos 300 anos de Cuiabá em um concerto de piano e orquestra que tem três movimentos e poder retratar o máximo possível da comemoração, da história da cidade e das facetas tanto festivas quanto religiosas da cidade”, explica o autor. “O primeiro passo foi estruturar a primeira parte como sendo mais grandiosa, dos primeiros que chegaram a Mato Grosso. A segunda já é uma parte mais voltada para os temas religiosos e a terceira voltada mais para o rasqueado cuiabano”, acrescenta.

A apresentação da obra também marcará um momento especial para o pianista Pedro Henrique Calhao, convidado especial do concerto. Filho do professor Ernani Calhao, o músico conta que foram dois os motivos para a encomenda da obra. “Sou descendente de vários dos fundadores da cidade, meus ancestrais, além de minha família ser visionária das artes”, expõe.

O concerto também marcará um momento especial para o pianista, uma vez que ele atuará profissionalmente pela primeira vez em sua terra natal. “As apresentações que havia feito aqui foram na infância, não havia me profissionalizado ainda. Moro em São Paulo há 25 anos e lá pude me aperfeiçoar”, afirma. “Estou muito contente por fazer este trabalho, que é por Cuiabá e é um presente para Cuiabá”, completa o músico

O concerto

Ainda sobre a estrutura, o maestro explica que foi interessante tentar desenhar essas três atmosferas definidas. “Tentei aproveitar o máximo da estrutura do primeiro movimento, que é um pouco mais Allegro, o segundo um pouco mais tranquilo e o terceiro mais Vivacce. Aproveitando essas três partes de um concerto tradicional, tentei colocar o máximo de elementos referentes aos climas”, observa.

“O primeiro movimento tem uma alegria estável, pujante, fala de Cuiabá como Cidade Verde, uma cidade grande, de respeitabilidade. O segundo é um movimento de mais reflexão, falando dos aspectos religiosos de Cuiabá. Já o terceiro é a festa, remete ao rasqueado, ao sol, então ele é mais rápido”, explica o maestro da Orquestra da UFMT, Fabricio Carvalho. “Em termos de energia, temos 70% no primeiro, 40% no segundo e 100% no terceiro. Eles têm uma curva ascendente de explosão: começa médio, cai um pouco para reflexão e o terceiro encerra com chave de ouro”, acrescenta.

“O primeiro movimento é um forma grandiosa e majestosa. O segundo tem uma forma mais religiosa e intimista, uma vez que são os temas religiosos de Cuiabá e o terceiro é o gran finale que são os nossos rasqueados cuiabanos, de forma estilizada”, completa Pedro Calhao.

Jether Garotti Jr. conta que a elaboração do concerto contou com a colaboração de Ernani e Pedro Calhao, e de Fabricio Carvalho. “Sempre perguntava o que que eles achavam. Gosto muito de trabalhar com feedback das pessoas. A partir das observações que elas me repassavam, eu alterava algumas coisas para ficar bom para todos”, conta. “O concerto não é uma obra fechada, ou seja, imposta pelo compositor. É uma obra completamente aberta, principalmente por se tratar de uma obra festiva. Além disso, elas [as pessoas] têm uma familiaridade com o contexto cuiabano, que eu não tinha. Então, sempre colocava em aberto a discussão das partes para ver se ia de acordo com a expectativa de cada um e acabou dando um resultado bem interessante”, afirma.

Outra característica marcante do concerto é a diversidade, traço marcante da cultura brasileira. “Dependendo de cada região a diversidade é mais particular. Acho que pelo fato da gente trabalhar com música popular brasileira a gente tem que estar aberto e conhecer cada vez mais as diversidades. E elas são tantas que, com certeza, no bairro do lado está acontecendo outro tipo de música que a gente ainda não conhece”, explica Jether Garotti Jr., acrescentando que os músicos precisam ser versáteis para poder aprender cada vez mais com a diversidade da música popular brasileira.

“No concerto tem alguns elementos que tentei trazer tanto do concerto para piano da orquestra, quanto da música popular cuiabana e de Mato Grosso, tentando achar um ponto em comum entre eles e tentando fazer com que fossem tão versáteis quanto a diversidade. Trouxe elementos da música erudita com elementos da música popular, colocando-os no mesmo ambiente fazendo com que eles mostrem as suas diversidades de forma natural”, observa.

Expectativas

Jether afirma que há uma grande expectativa quanto à recepção do público e espera que esse não seja o último concerto a falar sobre a Cuiabá tricentenária. “Tomara que compositores e arranjadores cuiabanos vejam esse concerto e fiquem incentivados a criar próximos concertos comemorativos de Cuiabá, quem sabe até melhores que o meu, mas que não seja um ponto final. Que seja o início de um processo que cada vez mais as pessoas se sintam incentivadas a escrever mais peças nessa forma”, finaliza.

O concerto integra a Agenda Cuiabá Tricentenária, promovida pela Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev) e faz parte da Série “Gabriel Novis Neves”. No sábado (25), a partir das 9h, a Orquestra, o autor do concerto e o músico convidado realizarão um ensaio aberto no Teatro Universitário. A entrada é livre e sujeita a lotação do espaço.

 

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Cultura

Coral UFMT lança segundo vídeo com música que canta a natureza e a necessidade da preservação ambiental

Publicado

em

O Coral UFMT lança a canção “Pra Terra” neste sábado (28.11) em seu canal no YouTube, às 17h, dando continuidade às celebrações dos seus 40 anos de atividade cultural no cenário mato-grossense.

 

Dorit Kolling, maestrina do Coral UFMT, lembra que foram aproximadamente 50 vozes gravadas individualmente e posteriormente juntadas para que a música fosse estruturada na forma de canto coral.

 

“É um trabalho totalmente diferente do que acontece quando ensaiamos em nossa sala de ensaios. Com auxílio da tecnologia, hoje reunimos cada grupo de vozes (naipes) nas salas virtuais, com cada coralista em sua casa, quando aprendemos a canção em todos seus detalhes para a posterior gravação, que é feita individualmente pelos participantes. Recebemos então os áudios e os vídeos que são mixados e editados para reunir e transformar todo o material em uma única música”, explica Dorit.

 

A música escolhida para este segundo vídeo virtual do Coral UFMT é “Pra Terra” e veio ao encontro de todas tragédias ambientais que o mundo viveu nos últimos meses.

 

“Tivemos o pantanal e a nossa Chapada sendo queimados por meses, somado a outras tragédias ambientais também acontecendo ao redor do mundo. Essa música vem chamar a atenção e enaltecer as nossas belezas naturais que, aos poucos, estão deixando de fazer parte da nossa vida”, ressalta a maestrina.

 

Para o compositor da música, Maurício Detoni, cuiabano radicado na cidade de São Paulo, a canção “Pra Terra” hoje se veste de um sentido triste, doloroso, trazido pelo fogo que assolou os biomas citados no refrão da música.

 

“Ainda que a sensação de terra arrasada seja oposta ao lirismo e beleza cantados na música, se faz necessária, e oportuna, a reflexão. Que o sentido do “não existe nada igual do que viver entre Chapada e Pantanal” recupere sua beleza e esperança num futuro próspero, onde a natureza se veja pulsante e regenerada em verde, calor e vida”, reitera Detoni.

 

O vídeo contou com a participação especial como solistas dos ex-coralistas do Coral UFMT, Marcela Mangabeira, que hoje tem sua carreira na cidade do Rio de Janeiro, e Maurício Detoni, que também acompanhou a canção ao violão, além da  participação do músico e tecladista, Rodrigo Cavalcante.

 

O lançamento do vídeo “Pra Terra” faz parte das comemorações dos 40 anos do Coral UFMT e da agenda cultural da Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev) em celebração aos 50 anos da UFMT.

 

Serviço

O que: Lançamento do vídeo “Pra Terra”

Quando: 28 de novembro de 2020 (sábado)

Horário: 17h

Onde: https://www.youtube.com/coralufmtoficial

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana