conecte-se conosco



Política MT

“Não havia tempo para ter medo”, lembra Taques sobre trajetória até o Governo

Publicado

em

O governador Pedro Taques (PSDB) foi recebido, na noite desta sexta-feira (10.08), por mais de 300 líderes comunitários e representantes de diferentes segmentos da sociedade civil organizada de Cuiabá. No evento, Taques, que é candidato à reeleição, lembrou sua trajetória no combate aos mais diversos crimes, que o credenciou para ser eleito senador e, quatro anos depois, governador. “Muita gente tinha medo, mas eu não tinha tempo para ter medo”, disse.

Filho de uma professora e de um pequeno agricultor, Taques lembrou que estudou a vida inteira em escolas públicas. Passou pela Escola Municipal Lenine de Campos Póvoas, pela Escola Estadual Liceu Cuiabano e pela antiga Escola Técnica. Mudou-se para São Paulo para fazer faculdade de Direito, período em que, lembra, passou necessidades.

Taques foi aprovado no concurso para Procuradoria Geral do Estado de São Paulo e, em seguida, para o cargo de procurador do Ministério Público Federal, que o levou a trabalhar em 12 estados do país. Participou de investigações nos casos Leopoldino Marques do Amaral e Hildebrando Pascoal e esteve, voluntariamente, em vários júris de criminosos bárbaros.

De volta a Mato Grosso, ganhou notoriedade ao participar das investigações que culminaram na prisão do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro em 2003. “Aqui perto, na Avenida do CPA, seis pessoas foram mortas naquele tempo. Muitas pessoas tinham medo. Eu não tinha tempo para ter medo. Eu fiz a peça e pedi a prisão dele. Quando eu fiz o pedido, lá para trás, solicitei que a Justiça deixasse guardados R$ 700 milhões que ele tinha conseguido de maneira ilícita”, relatou.

Atento ao discurso de Taques, o senhor Elias Ortiz, 67 anos, morador do bairro Silvanópolis confessou se sentir orgulhoso em ter em seu Estado um governador com história de enfrentamentos. “Sempre fui admirador do trabalho dele porque eu gosto de coisa certa. O Taques já mostrou que é diferente desses outros que estão aí querendo virar governador para enriquecer. Ele tem que continuar governador”, defendeu.

Nesta semana, a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região acatou parecer da Advocacia Geral da União e manteve a perda de R$ 700 milhões a João Arcanjo, o ‘comendador’. O dinheiro, segundo ação movida pelo Ministério Público e assinada por Pedro Taques, foi adquirido por meio de práticas ilegais.

“Com esse dinheiro poderiam ser construídos 4 hospitais, como o Novo Pronto Socorro de Cuiabá que estamos tirando do papel, e ainda sobrariam R$ 100 milhões”, comparou Taques.

Morador do bairro Novo Paraíso, Juarez José da Silva, 61 anos, afirmou estar ansioso para que Taques seja reconduzido ao cargo. “O Pedro pegou esse estado falido e trabalhou duro. Ele é honesto. É um exemplo para minha filha. As pessoas que saem para Chapada veem o trabalho dele lá: a duplicação, o asfalto, a Salgadeira. Imagina se ele tivesse dinheiro para fazer tudo que planejou?”, disse.

No evento que reuniu representantes dos segmentos de vans escolares, vigilantes e presidentes de bairros, entre outros, Pedro Taques relatou nunca ter hesitado em deixar seu cargo vitalício no Ministério Público para se tornar senador e, posteriormente, governador. Para ele, os desafios que sempre enfrentou ao longo de sua vida o fortaleceram para chegar neste momento, no qual se vê experiente e preparado para continuar a fazer os enfretamentos que Mato Grosso precisa para seguir em frente.

“Sou governador há três anos e sete meses. Apanho mais do que vaca em horta, mais do que couro de tamborim, porque algumas pessoas não gostam do que eu fiz. Algumas pessoas não gostam que tenhamos tratado os mais simples, aquele que mais precisa, com a ação do Estado. Vocês já viram ter que separar bezerro de vaca quando precisa desmamar? Os bezerros começam a berrar muito. Foi o que eu fiz. Eu cortei o leite de muita gente que mamava na teta deste Estado”, concluiu.


Juarez José da Silva, 61 anos, abraça governador durante evento em Cuiabá nesta sexta (10.08). Foto: Assessoria.


Juarez da Silva disse que honestidade de Pedro Taques é exemplo para filha. 
Foto: Assessoria.


Elias Ortiz, morador de Cuiabá, considera Taques o governador que fez “a coisa certa”. Foto: Assessoria.

Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Política MT

Lúdio Cabral recomenda ao governador quarentena obrigatória em todo o estado

Publicado

em

O deputado estadual e médico sanitarista Lúdio Cabral (PT) enviou, na quinta-feira (21), um ofício ao governador Mauro Mendes (DEM) requerendo que sejam decretadas as medidas de restrição de circulação de pessoas e aglomerações previstas na classificação de risco muito alto do Decreto Governamental 522/2020, com quarentena em todo o território estadual e fechamento de atividades não essenciais.

“Se não forem adotadas quarentena rigorosa por no mínimo duas semanas, o que está acontecendo hoje no Amazonas pode acontecer em Mato Grosso em poucas semanas”, alertou Lúdio. Ele destacou que o número de casos novos e de óbitos por Covid-19 em Mato Grosso está em crescimento acelerado e chegou a uma média móvel (de 7 dias) de 1.374 casos novos e 21 óbitos na quarta-feira (20). A taxa de contágio também está em crescimento e alcançou o índice de 1,25, o que significa que cada 100 pessoas transmitem a doença para outras 125.

No documento, Lúdio apresentou a projeção de que o sistema de saúde de Mato Grosso entrará em colapso no início de fevereiro. “O crescimento observado na taxa de ocupação de leitos de UTI adultos nos últimos 14 dias, de 56,1% no dia 06/01/2021 para 73,2% no dia 20/01/2021 (crescimento de 29,2% em 14 dias), o que aponta para ocupação total desses leitos até o dia 07/02/2021”, disse.

Os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica já estão esgotados. “Considerando o crescimento observado na taxa de ocupação de leitos de UTI pediátricos nos últimos 14 dias, de 46,7% no dia 06/01/2021 para 100,0% no dia 20/01/2021 (crescimento de 114,1% em 14 dias); ou seja, já não há mais leitos de UTI disponíveis no SUS para crianças com covid-19 grave em Mato Grosso”, observou.

Lúdio citou também a existência no Brasil de variantes do vírus mais contagiosas, que podem já estar circulando em Mato Grosso, e a “impossibilidade atual de implementação adequada do Plano Estadual de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, que decorre da insuficiência de imunobiológicos (vacinas) sequer para alcançar cobertura efetiva nos grupos prioritários da fase 1, e a absoluta ausência de perspectivas para acesso a um quantitativo adequado de imunizantes”.

Desde março de 2020, Lúdio Cabral vem monitorando a evolução da pandemia em Mato Grosso e fazendo projeções da tendência da curva epidêmica. Para garantir a adesão da população à quarentena, ele recomendou que o governo promova campanha de divulgação para orientar a população sobre a necessidade dessas medidas e de restringir a circulação.

O deputado recomendou ainda que o governo mude a forma de calcular a Taxa de Crescimento da Contaminação, passando a calcular a média móvel de 14 dias do número de casos novos notificados no dia da divulgação do boletim epidemiológico e a mesma média móvel de 14 dias antes. Esse é o conceito adotado pelas autoridades sanitárias e pelo consórcio dos veículos de imprensa que monitoram a pandemia e traz um panorama mais fiel da realidade.

“O indicador adotado pelo governo estadual, ao considerar a evolução do número de casos acumulados, não consegue expressar de forma adequada a velocidade de crescimento no número de casos de covid-19 e de expansão da epidemia”, explicou Lúdio.

 

 

Da Redação

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana