conecte-se conosco



Interior

MP aguarda estudo psicossocial e exame de DNA para definir destino de bebê indígena

Publicado

em

O Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça de Canarana, aguarda conclusão de estudo psicossocial, bem como resultado do exame de paternidade para definir o destino da bebê indígena Analu Paluni Kamayura Trumai, que atualmente encontra-se num abrigo público, no município de Canarana. A criança foi enterrada viva por quase seis horas, no dia 05 de junho de 2018, no quintal da casa da bisavó Kutsamin Kamayura, logo após seu nascimento. Após ser resgatada e levada para uma UTI, em Cuiabá, a bebê, que tem agora com três meses, está bem de saúde e aguarda um novo lar.

De acordo com o promotor de Justiça que acompanha o caso Matheus Pavão de Oliveira, existem duas ações com relação ao caso da criança, em andamento: uma criminal e outra civil. A criminal apura se realmente a avó da bebê Kutsamin Kamayura e a bisavó Tapoalu Kamyurá são as autoras do crime, conforme denúncia do Ministério Público. Já a que tramita na esfera civil apura, em síntese, quem seria o parente ou não parente mais adequado para ter a guarda da criança. “Foram solicitados estudos antropológicos e psicossociais para analisar o caso, assim que forem finalizados vamos avaliar a situação da bebê e ver qual é pessoa mais adequada para obter esta guarda”, explica.

Conforme ele, a criança está num abrigo público, porém, mantém contato familiar. “Não há uma vedação expressa que proíba parentes de visitá-la. O que tem hoje, obviamente, são restrições com relação a avó e bisavó, que são acusadas de um crime gravíssimo. No mais, a mãe pode visitar, o avô paterno, o pai, entre outros parentes. O pai, inclusive, manifestou interesse em ter a guarda da bebê, porém, nada será decidido antes da conclusão do estudo e do resultado do exame de DNA”, diz o promotor de Justiça.

Ele explica que, ao contrário do que foi noticiado na imprensa local, a mãe da bebê não tem ido amamentar e nem dar banho na criança, apesar de o Ministério Público estimular um contato familiar materno que vá fazer bem para a criança. “Infelizmente este contato próximo não aconteceu. A mãe vai de forma irregular ao abrigo, ela não tem este contato tão íntimo e afetivo que era o esperado e que foi noticiado na imprensa. Temos tentado restaurar este vínculo materno, mas até hoje isso ainda não aconteceu naturalmente”.

Com relação a guarda da bebê, ele diz que são várias as possibilidades. “A regra-geral é que se evite ao máximo a adoção, para que se mantenha sempre o vínculo familiar, com a mãe, com o pai, tio, avô, alguma pessoa que tenha vínculo afetivo e sanguíneo com a criança. Adoção é sim uma possibilidade, mas não é nossa prioridade primeira. A intenção é tentar manter esse vínculo familiar e se não for possível tentar uma adoção no seio indígena, mantendo a tradição cultural indígena. Após o estudo psicossocial vamos insistir para que algum familiar seja capacitado para exercer efetivamente a guarda da criança”.

O promotor de Justiça ressalta que as duas famílias da criança, materna e paterna, manifestaram interesse na guarda. “Porém, não basta falar, tem que demonstrar que possui interesse e condições de ter a guarda. Essa é a razão de ter um estudo psicossocial pormenorizado, adequado para aferir com precisão quem tem condições de ter a guarda da menor, até mesmo para não colocá-la numa situação de risco novamente”.

O estudo foi solicitado para a equipe técnica do Fórum de Canarana que vai analisar o caso com cuidado e dar um relatório conclusivo apontando quem seria aquele parente mais adequado para exercer a guarda da criança. “Tão logo seja concluído, tanto o exame psicossocial, quanto o exame de DNA, o Ministério Público vai analisar o caso com muito cuidado para ver quem é o parente adequado para exercer a guarda da criança. A partir disso tudo é que se vai decidir o destino da bebê. É um caso delicado e que exige muita cautela. Vamos analisar, sem nenhuma pressa, para só então dar um parecer favorável ou não para reintegração familiar ou se necessário, ainda, para fim de adoção”, explica o promotor de Justiça.

Conforme ele, a saúde da bebê é considerada estável, porém, pelo fato de ter permanecido muito tempo enterrada há uma requisição médica para levar a criança à Brasília, onde passará por uma neuropediatra a fim de verificar se a menor não ficou com alguma sequela.

A avó e a bisavó conseguiram um habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça e estão em liberdade. Ambas, porém, têm algumas restrições, entra elas visitar a criança, que está proibido por ordem judicial.

Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Interior

PM prende segundo suspeito da morte de líder comunitário

Publicado

em

Policiais da 7ª Companhia de Polícia Militar de Jaciara (144 km de Cuiabá) prenderam nesta segunda-feira (25.01) o segundo suspeito de participação no assassinato de um líder comunitário rural no assentamento Resnacer União da Vitória, localizado a cerca de 50 quilômetros da área urbana a margem da rodovia BR-364.

A vítima de 56 anos, foi morta na noite do dia 14 de fevereiro de 2020, data em que a PM prendeu o primeiro suspeito. Hoje (25) pela manhã, os policiais receberam informações sobre o paradeiro desse suspeito e o prenderam em sua residência, no bairro Francisco Martelli.

De acordo com as informações levantadas e narradas pela equipe da 7ª Cia de PM, o suspeito, que tem 24 anos, também estava sendo procurado por um roubo ocorrido no dia cinco deste mês em um supermercado da cidade.

Acompanhado de seu advogado, o suspeito foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil Judiciária de Jaciara para demais medidas legais e apuração complementar dos dois crimes.

 

 

Da Redação

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana