conecte-se conosco



Últimas Noticias

Marina Silva declara apoio crítico a Haddad

Publicado

em

Candidata da Rede à Presidência da República no primeiro turno, a ex-ministra Marina Silva informou nesta segunda-feira (22) que dará “voto crítico” ao candidato do PT, Fernando Haddad. Após o primeiro turno, a Rede Sustentabilidade já havia recomendado aos filiados que não votassem em Jair Bolsonaro (PSL).

O candidato da Rede à Presidência da República, Marina Silva, participa de debate sobre agricultura promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Conselho do Agro.
Ex-ministra diz que se manterá em oposição qualquer que seja o vencedor – Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Ao embasar seu apoio, Marina afirmou que votará em Haddad porque este “não prega a extinção dos direitos”, nem a repressão aos movimentos. “A política democrática deve estar fortemente aliançada no respeito à Constituição e às instituições, exercida em um ambiente de cultura de paz e não violência”, disse.

“Outro motivo importante para a definição e declaração de meu voto é a minha consciência cristã, valor central em minha vida. Muitos parecem esquecer, mas Jesus foi severo em palavras e duro em atitudes com os que têm dificuldade de entender o mandamento máximo do amor.”, completou.

Críticas

Em texto divulgado pelas redes sociais, Marina ressaltou que a frente democrática e progressista defendida por Fernando Haddad não se mostrou capaz de inspirar uma aliança ou mesmo uma composição política. A ex-ministra destacou que alianças só são viáveis “em um ambiente de confiança em que, diante de inaceitáveis e inegáveis erros, a crítica é livre e a autocrítica é sincera.”

“Mantém o jogo do faz de conta do desespero eleitoral, segue firme no universo do marketing, sem que o candidato inspire-se na gravidade do momento para virar a própria mesa, fazer uma autocrítica corajosa e tentar ser o eixo de uma alternativa democrática verdadeira”, argumentou.

Por outro lado, Marina Silva criticou o projeto defendido por Jair Bolsonaro, que, segundo ela, “atenta contra o interesse da sociedade e o futuro do país”, além de promover “a incitação sistemática ao ódio, à violência, à discriminação”.

“[Há] risco imediato para três princípios fundamentais da minha prática política: primeiro, promete desmontar a estrutura de proteção ambiental conquistada ao longo de décadas, por gerações de ambientalistas, fazendo uso de argumentos grotescos, tecnicamente insustentáveis e desinformados. Chega ao absurdo de anunciar a incorporação do Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Agricultura”, afirmou. “É melhor prevenir. Crimes de lesa-humanidade não têm como se possa reparar”, completou.

Oposição democrática

Apesar de criticar os dois candidatos e assegurar que se manterá em “oposição, independentemente de quem seja o próximo presidente do Brasil”, Marina disse que seu posicionamento é “simbólico”, já que obteve votação inexpressiva no primeiro turno da eleição presidencial.

“Cada um de nós tem, em sua consciência, os valores que definem seu voto. Sei que, com apenas 1% de votação no primeiro turno, a importância de minha manifestação, numa lógica eleitoral restrita, é puramente simbólica. Mas é meu dever ético e político fazê-la”, afirmou.

“Darei um voto crítico e farei oposição democrática a uma pessoa que, ‘pelo menos’, e ainda bem, não prega a extinção dos direitos dos índios, a discriminação das minorias, a repressão aos movimentos, o aviltamento ainda maior das mulheres, negros e pobres, o fim da base legal e das estruturas da proteção ambiental, que é o professor Fernando Haddad”, concluiu.

Haddad

Após a divulgação do apoio deMarina, o presidenciável Fernando Haddad usou o Twitter para agradecer à ex-adversária.

“O voto de Marina Silva me honra por tudo que ela representa e pelas causas que defende. Nossa convivência como ministros foi extremamente produtiva e até hoje compartilhamos amizades de brasileiros devotados à causa pública. Esse reencontro democrático me enche de orgulho”, afirmou Haddad.

Edição: Nádia Franco

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Últimas Noticias

Correção monetária sobre salários escalonados será paga na folha de dezembro

Publicado

em

O Governo de Mato Grosso vai pagar aos servidores estaduais (ativos e inativos), no mês de dezembro, junto com a folha de pagamento, a correção monetária sobre os salários que foram pagos de forma escalonada.

O pagamento ocorrerá em dezembro devido a adequações técnicas do sistema em face do elevado fluxo de novas informações processadas, além da necessidade de apresentação dos cálculos dessa correção aos representantes das categorias dos servidores.

A correção será paga de uma só vez a todos os servidores que têm o direito. No total, 68 mil servidores receberão os valores.

Vale lembrar que apenas os servidores que tiveram os salários escalonados e que receberam após o dia 10 entre agosto de 2017 e outubro de 2019, incluindo o 13° do período, receberão a correção monetária.

A correção será feita pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana