conecte-se conosco



Política MT

Maggi e Geller confirmam apoio à Michele do Banco para prefeitura de Chapada dos Guimarães

Publicado

em

A vereadora Michele do Banco do Partido Progressista (PP), consolidou sua pré-candidatura à Prefeitura de Chapada dos Guimarães, nesta segunda-feira (14), durante a convenção municipal, realizada na Câmara de Vereadores.

Como candidato a vice-prefeito, o Progressista trouxe para a Coligação o sargento  pastor Erlindo,  do Partido Social Cristão (PSC), cuja liderança é expressiva na Comunidade Evangélica do município.

Políticos conhecidos da esfera federal e estadual homologaram o nome de Michele para a disputa ao próximo pleito do Executivo Municipal, durante a convenção. Os deputados federais Neri Geller (PP), a primeira suplente de senador, Margarett buzett (PP), representante do ex governador  Blairo  Maggi ( PP) e o deputado estadual Nininho (PSD), reforçaram  Michele como o melhor nome para assumir a chefia do Executivo Municipal entre 2021 e 2024. Em seu pronunciamento, Geller fez questão de informar à pré-candidata o apoio de Blairo e seu irmão, o empresário Eraí Maggi, a sua candidatura.

Há 20 anos vivendo em Chapada dos Guimarães, a jovem pré-candidata nasceu em Alta Floresta, tem  37 anos, é  advogada, casada e mãe de dois filhos. Logo que chegou no município que escolheu para viver, foi estagiária do Ministério Público Estadual e depois se tornou correspondente bancária no Banco do Brasil. Daí o nome Michele do Banco, como todos a conhecem em Chapada. Ela entrou para a vida pública há pouco mais de 3 anos, quando foi a segunda vereadora mais votada da cidade, em 2017.

A coligação PP/PSC “Progresso com Fé e Honestidade”, traz 27 pré-candidatos à Câmara Municipal de Chapada dos Guimarães, que disputarão as 11 vagas da Casa de Leis.

 

Da Redação

Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Política MT

Movimento pede prioridade para professores na vacinação

Publicado

em

Representantes de 42 entidades da sociedade civil apoiaram nesta quarta-feira (24) a Jornada Nacional “#VacinaParaTodosJá”. Alguns deles participaram de um ato no gramado em frente ao Congresso Nacional e, em seguida, foram entregues documentos para a Liderança da Minoria na Câmara e para o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco.

As principais reivindicações do grupo são a vacinação em massa com a inclusão de profissionais da educação na lista de prioridades, a manutenção de um orçamento de guerra para a saúde e a criação do auxílio emergencial com a manutenção das regras de recursos mínimos para a saúde e a educação.

A desvinculação de recursos para saúde e educação pode fazer parte da chamada PEC emergencial (PEC 186/19, em discussão no Senado). Segundo o deputado Rogério Correia (PT-MG), que participou do encontro no Senado, o senador Rodrigo Pacheco disse que o assunto ainda precisa ser melhor discutido para ser votado.

Presidente do Conselho Nacional de Saúde, Fernando Pigatto, disse que a pandemia está mais grave agora que em 2020 e que é preciso garantir um orçamento mais elevado para a saúde neste ano, como no ano passado. O objetivo é ter R$ 168,7 bilhões.

“Portanto, vacina para todos e todas já só se faz com orçamento público. Por isso estamos aqui hoje, nos juntando a essa luta, contrários à PEC Emergencial, que faz toda uma configuração de que para ter auxílio é preciso desvincular o orçamento da saúde e da educação. Não é por aí”.

Para o CNS, a saúde já tem perdido com o teto de gastos constitucional, num total de R$ 22,5 bilhões entre 2018 e 2020.

Professores
Na Câmara, o líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), ressaltou a prioridade para os profissionais de educação na fila de vacinação. “Não pode voltar aula sem isso”, defendeu.

O deputado General Peternelli (PSL-SP) disse que os professores estão na fila de prioridades, mas ainda têm alguns grupos na frente. Para ele, não é possível esperar a vacina para as aulas serem retomadas. “Até tomar a segunda dose e esperar mais 15 dias, nós provavelmente perderemos mais um ano na educação pública brasileira. A educação é fundamental, é o fator mais importante para um País. Nós temos que retornar as aulas imediatamente”.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana