conecte-se conosco



Justiça em MT

Ex-prefeito, engenheiro e empresário têm bens bloqueados por execução de obras de péssima qualidade

Publicado

em

A Justiça acolheu pedido liminar efetuado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e determinou a indisponibilidade de bens do ex-prefeito de Rondonópolis, Percival Santos Muniz, do engenheiro civil Roberto Carlos Martins Júnior, do empresário Fausto Presotto Bortolini e da construtora Tripolo Ltda, no valor de R$ 602.450,72. A medida busca garantir eventual ressarcimento ao erário, caso os requeridos sejam condenados por ato de improbidade administrativa.

De acordo com a ação civil pública proposta pela 2ª Promotoria de Justiça Cível de Rondonópolis, a administração municipal e a construtora foram responsáveis pelo pagamento e realização de obras de pavimentação asfáltica de péssima qualidade nos bairros Jardim Lageadinho, Jardim das Flores, Jardim Reis, Jardim Progresso e Padre Ezequiel Ramim. Além da pavimentação, foram realizadas obras de drenagem de águas pluviais , sinalização horizontal/vertical e calçadas.

Segundo o MPMT, seis meses após a assinatura do contrato e início dos trabalhos de pavimentação foi expedido parecer administrativo da Caixa Econômica Federal, evidenciando vários problemas no pavimento que poderiam influenciar na sua vida útil e funcionalidade, tendo em vista o período de chuvas intensas na região. Na ocasião, foi  recomendado a  adoção de medidas para adequação da obra em caráter de urgência.

“Mesmo diante dos claros e perceptíveis defeitos apresentados no asfalto recém-executado, o engenheiro civil Roberto Carlos Martins Júnior e fiscal do Município em relação ao contrato 210/2015, assinou todas as medições, bem como recebeu a obra, como se a mesma estivesse em perfeito estado de conservação e qualidade”, diz a ação do MPMT.

O ex-prefeito de Rondonópolis, segundo o Ministério Público, também ignorou o seu dever de ofício em atuar sempre na proteção do interesse público e primar pela boa execução do contrato ao autorizar o pagamento integral mesmo com as imperfeições existentes no asfalto.

De acordo com laudo pericial, foram constadas divergências nos quantitativos dos itens relacionados à pavimentação asfáltica e calçadas se comparados aos projetos de engenharia e planilhas orçamentárias. Também foram verificadas que as camadas de sub-base e base dos bairros Jardim das Flores e Jardim Lageadinho não foram executadas de acordo com o contratado. As espessuras médias das camadas de base e sub-base encontradas foram 22,3 cm e 25,61, respectivamente, estando inferiores em relação à espessura de projeto, com desconto da tolerância, que totaliza 27 cm.

O perito constatou ainda a ocorrência de patologias ao longo dos segmentos pavimentados, como afundamentos plásticos, panelas, perda do revestimento, entre outros problemas. “Restou comprovado que os requeridos agiram ilegal e imoralmente, em completo prejuízo ao erário e desatendendo os mais precípuos interesses públicos com a aceitação de uma obra pública de péssima qualidade, razão pela qual devem responder pelas sanções da Lei nº 8429/92, bem como pelo ressarcimento correspondente ao prejuízo econômico concreto por eles patrocinado”, diz a ação do MPMT.

 

Redação

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Justiça em MT

Cadeia de Barra do Bugres será a primeira de Mato Grosso a ter energia solar

Publicado

em

O deputado estadual Elizeu Nascimento (DC) anunciou a destinação de R$ 170 mil de sua cota de emenda parlamentar individual para a implantação de um sistema de geração de energia solar fotovoltaica na cadeia pública de Barra do Bugres (165 km da capital de Mato Grosso, Cuiabá). O anúncio foi feito no dia 31 de julho, durante uma visita do parlamentar a Barra do Bugres.

“Durante a minha visita à cadeia pública de Barra do Bugres, o diretor, Oto Rubens Wetterlein, me contou sobre o projeto, que já estava no papel há mais de 5 anos, e, imediatamente, me prontifiquei a destinar os recursos para a implementação do programa, que, além de tornar a unidade prisional autossuficiente energeticamente, gerando economia aos cofres públicos, ainda trará outros benefícios para a sociedade mato-grossense e para o meio ambiente”, explicou Elizeu Nascimento.

“Fiquei contente com a receptividade do deputado Elizeu Nascimento com a nossa reivindicação, pois, com a destinação dessa verba, a cadeia pública de Barra do Bugres se tornará a primeira do estado de Mato Grosso a contar com energia solar. Além disso, com a mão de obra dos presos, teremos condições de produzir materiais de construção, móveis e outros objetos, com as doações de madeiras que recebemos”, comemorou Wetterlein, idealizador do projeto de instalação de placas de energia solar fotovoltaica na unidade.

A cadeia pública de Barra do Bugres abriga aproximadamente 280 detentos, não só do município, mas também oriundos dos municípios de Porto Estrela, Nova Olímpia e Denise.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana