conecte-se conosco



Artigos

70 anos de autonomia político-administrativa

Publicado

em

* Wilson Pires

 

A década de quarenta foi à fase decisiva para o encaminhamento de Várzea Grande rumo ao progresso. Nem os cinco anos da 2ª Guerra, nem os anos restantes da ditadura foram obstáculos para o crescimento do 3º distrito cuiabano, cujo desenvolvimento já não recebia a fiscalização e o controle da Prefeitura da Cidade Verde – Cuiabá, a qual, diga-se de passagem, muito pouco se interessava por Várzea Grande.

Tanto isso é fato, pois tudo que foi realizado na pequena vila durante o período distrital de Cuiabá, foi feito pelo Estado e nunca pelo Executivo Municipal cuiabano.

 

PRIMEIRA PONTE

Em 1942, graças à supervisão do interventor Júlio Muller, inaugura-se a primeira ponte sobre o rio Cuiabá e o várzea-grandense, liberado da incômoda balsa, aumentam o seu comércio com a capital, fornecendo produtos de primeira necessidade como carne, leite, galináceos, suínos e seus derivados, lenha, carvão, chinelos, material de construção e grande quantidade de cereais, que eram transportados por dezenas de carroças-mascates e auxiliando assim o suprimento do mercado cuiabano.

Os pescadores de Várzea Grande, em todos os tempos foram grandes abastecedores do mercado cuiabano.
Para os varzeanos não importava a guerra lá na Europa, interessava apenas mais escolas e pontes. Em 1945, no final do governo de Júlio Muller que o próspero distrito recebe a tão sonhada iluminação pública.

Era também o fim da ditadura e da II grande guerra. A liberdade que ressurgiu para os povos humilhados por Hitler, foi acompanhada juntamente com a libertação da democracia no Brasil.

O várzea-grandense respirou feliz, antevendo a possibilidade de adquirir a autonomia da área reservada ao 3º distrito cuiabano, e com a constituinte de 1947, a subdivisão política do Estado tornou-se necessária, a fim de acomodar determinadas regiões mato-grossenses, cuja população e riqueza tinham crescido durante os 15 anos da ditadura.

 

EMANCIPAÇÃO

Em 1947, Licínio Monteiro da Silva foi eleito deputado estadual e com ele, apoiado pela UDN, sob o comando de Gonçalo Botelho, foi eleito o Dr. Benedito Vaz de Figueiredo, outro constituinte de 1947. Várzea Grande foi incluída entre as prioridades e a 23 de setembro de 1948 conseguiu sua independência, com a promulgação da lei nº 126. Foi realizado o sonho de todo o povo várzea-grandense de ver um dia, sua terra transformada em cidade, apesar da relutância de alguns cuiabanos.

Para a formação do novo município, além das terras do antigo 3º distrito cuiabano, foi incorporado uma área livramentense, somando cerca de 600 Km2. Cinco anos mais tarde foi anexada também a Várzea Grande a área do distrito de Passagem da Conceição, totalizando assim 682 Kms2.

Era governador de Mato Grosso o engenheiro Arnaldo de Figueiredo, que nomeou o várzea-grandense Major Gonçalo Romão de Figueiredo para exercer o cargo de prefeito do mais novo município, até que se realizassem eleições.

 

INSTALAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL

No dia 25 de julho de 1949 foi instalada a Câmara Municipal do novo município, com seus cinco primeiros vereadores eleitos: Benedito Gomes da Silva, Manoel Santana do Nascimento, João Nepomuceno de Magalhães, Júlio Domingos de Campos e Generoso Tavares, escolhidos nas eleições de 29 de maio daquele ano.

Foi seu primeiro presidente o vereador Benedito Gomes da Silva, que em sessão extraordinária do dia 27 de julho de 1949, deu posse ao prefeito eleito, Miguel Leite da Costa, que governou o município até o dia 31 de outubro do mesmo ano. Miguel Leite da Costa governou o município por apenas cinco meses e quatro dias, pois após uma recontagem de votos a Justiça Eleitoral declarava prefeito eleito o senhor Gonçalo Botelho de Campos, que também disputara as eleições e foi declarado derrotado por uma contagem mínima de votos.

POLÍTICA E POLÍTICOS NOS DIAS DE HOJE

Várzea Grande, como a maioria dos municípios brasileiros passa por dificuldades em todas as áreas. É necessário unirmos forças para mostrar o que está acontecendo com a segunda maior cidade do estado. Principalmente com a grande transferência de responsabilidades ao poder municipal por parte da União e do Estado.

Com a crise que assola o nosso País, tem causado grandes dificuldades aos municípios e refletem, negativamente, e inviabilizam, assim, a execução das políticas públicas. Com isso, o município é prejudicado, principalmente, na qualidade da prestação de serviços à população.

Os programas oficiais do governo são criados seguindo uma política vertical. Os municípios são os verdadeiros executores das estratégias. Com isso, o município vai assumindo cada vez mais responsabilidades.

Com a crise, os munícipes têm dificuldades em pagar seus impostos, faltam empregos e reflete diretamente nos cofres municipais.

Dentre os vários problemas enfrentados pelos municípios destacamos: A desigualdade na repartição da arrecadação dos impostos; A sobrecarga do município para a execução de política públicas firmadas por meio de programas e convênios com a União e o Estado que não realizam as transferências necessárias; A judicialização da saúde e a redução no financiamento da educação básica.

Vale ressaltar que a qualidade e eficiência dos serviços prestados pela prefeitura à população para a execução de políticas públicas em saúde e educação dependem dos recursos transferidos pelos governos federais e estaduais. Ou seja, quanto menos repasses para educação ficam crianças fora de escolas, sem transporte escolar, sem merenda, pouca qualidade no aprendizado, o que resulta em mais evasão escolar.

Quanto menos repasses na saúde faltarão vagas nos hospitais, medicamentos, equipes do PSF, combate à dengue e outras doenças, o que resulta em mais sofrimento para população.
Menos repasses para investimentos em obras e infraestrutura, diminuirão as contratações, investimentos no comércio e serviços, capacidade de compra pela população, o que resulta em mais demissões e desemprego.

O que perguntamos, com os recursos financeiros cada vez mais escassos, como é que os municípios brasileiros poderão garantir a segurança da população nas vias públicas municipais como: engenharia de tráfego, sinalização das vias, quebra-molas, faixas de pedestres e a realização de projetos de educação no trânsito, e reduzindo o número de acidentes nas vias municipais.

É preciso estabelecer mecanismos que impeçam que o governo federal crie despesas para estados e municípios sem apontar a respectiva fonte de custeio. A medida é fundamental para que possamos reequilibrar o Pacto Federativo, de maneira que municípios e estados sejam capazes de atender com dignidade, respeito e qualidade os cidadãos.

Temos que discutir em Várzea Grande temas como da educação, onde a prefeitura tem enfrentado um grande desafio, especialmente nos últimos anos, de promover avanços.

A necessidade de se garantir uma escola para todos e a incessante busca de uma educação de qualidade, de manter e construir novas unidades escolares, formação de professores e uso de tecnologias de informação.

Ocorre que o financiamento das ações diretamente relacionadas à educação como transporte escolar, merenda, salário e qualificação dos professores dependem de repasses de verbas do governo federal, o que coloca o gestor municipal em uma situação de dependência.

É fácil perceber que o valor repassado é insuficiente para custear a despesa, ficando as prefeituras responsáveis pela obrigação.

O pacto atual da divisão de recursos e obrigações pode-se dizer que funciona como verdadeira “ficção”, dada a centralização de poder e recursos na União.

O que falta na política é o debate de idéias, as conversas frente a frente e o aprofundamento dos assuntos que fazem parte do cotidiano das pessoas.

Vivemos uma crise política e econômica e por isso precisamos chamar a atenção dos governos para a realidade. Não podemos deixar que a crise faça morrer a principal célula do sistema, que é o município.

Em Várzea Grande, em especial, a alternância de “Poder” por maus administradores nos últimos anos levou o município a um estado lastimável de abandono e de acusações de corrupções em todos os setores.

O várzea-grandense é ordeiro, trabalhador e inteligente, por isso acredita em dias melhores, colocando muita fé e esperança na atual administração.

Em Várzea Grande, como em muitos municípios brasileiros, tradicionalmente se comemora a data de fundação da cidade que é 15 de maio de 1867, mas não deixa de ser importante a data de aniversário de “Emancipação Política Administrativa” que é 23 de setembro de 1948.

Wilson Pires é jornalista em Mato Grosso

 

 

Clique para comentar
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Artigos

JOSÉ UM HOMEM DE VERDADE!

Publicado

em

Por: Eunice Teodora dos Santos Crescêncio. (Nicinha Santos)

Psicóloga do Sistema Penitenciário, Historiadora, Especialista em Psicopedagogia, Palestrante, Escritora, Analista Comportamental e Coach.

 

 

 

O ano de 2020 terminou e 2021infelizmente, começou a todo vapor no que diz respeito ao feminicídio e a violência contra mulher.

A mídia brasileira nos mostrou casos chocantes acontecidos no final do ano e no início de 2021 e olha que ainda estamos apenas nos primeiros dias do primeiro mês, no entanto, os casos pelo Brasil já passou de dezenas de histórias assustadoras e terríveis para uma sociedade que se diz moderna.

Casos chocantes como da Juíza Viviane Vieira do Rio de Janeiro que foi morta na frente das filhas, esse é apenas mais um caso entre tantos outros casos de mulheres agredidas e mortas de maneiras cruéis, jovens, de meia-idade e até mesmo idosas como foi o caso de Lucinha de Oliveira de 75 anos, morta no dia 03 de janeiro pelo esposo de 89 anos.

Não precisamos ir longe ou pesquisar muito é só olhar os noticiários, todos os dias vemos casos de mulheres sendo agredidas e mortas por seus companheiros, como se isso não fosse o bastante, também vemos jovens na flor da idade que queria apenas conhecer pessoas ou ter uma noite de divertimento próprio da juventude, mas que acabou sendo morta pelo próprio adolescente com quem saíra, pensava ser este, uma boa companhia para uma noite de virada de ano.

Desta forma, percebemos que assim como a idade das vítimas variam, a idade dos agressores também. É chocante ver que temos adolescentes e idosos nas estatísticas dos agressores, isso nos leva a um questionamento: O que está acontecendo com os homens desta geração?

José é que era um homem de verdade. Os homens desta geração precisa aprender um pouco com a história de José. Sim José, José marido de Maria, José pai de Jesus.

A história é a seguinte, José estava noivo de Maria, com casamento marcado, compromissado com a mulher da sua vida, a mulher que escolhera por companheira. No entanto, antes de se concretizar o casamento, Maria apareceu grávida! O que configurava que Maria tivesse tido no caso com outro homem. O que teria acontecido se esse fato tivesse ocorrido entre um casal de noivos em nossos dias? Com os tipos de homens que estamos vendo nos noticiários?

Temos relatos de mulheres que foram mortas apenas por terminar um relacionamento. Talvez, essa teria sido a sina de Maria se José tivesse se deixado levar pelos sentimentos de raiva, cólera e ódio, o que para muitos seria até compreensivo visto que aparentemente se configurava uma traição por parte de sua noiva. Na nossa atualidade social, talvez esse acontecimento resultaria em mais um feminicídio, e a justificativa? Uma mulher traíra seu noivo e engravidara de outro homem.

 

José tinha todos os motivos para desejar “lavar sua honra”, pois além das questões culturais, ele ainda tinha ao seu favor o judiciário de sua época, bastava recorrer à justiça e sua vingança viria, pois a própria lei determinava que tal mulher deveria ser apedrejada.

Mas José era um homem de verdade. O que ele decidiu fazer? Os escritos sagrados dizem que ele decidiu fugir, ir embora, mudar de cidade para que todos pensassem que ele havia engravidado Maria e fugira para não arcar com a responsabilidade de seus atos e assim, a difamação recairia sobre ele e não sobre ela, pois se ele divulgasse o ocorrido, se contasse para sua comunidade que Maria havia desonrado o relacionamento e o seu compromisso de noiva, ela seria apedrejada.

Portanto, José demonstrou o verdadeiro amor ao preferir ser ele julgado como um homem indigno, sem palavra e sem caráter ante a expor ao linchamento moral ou até mesmo a um possível apedrejamento aquela a quem jurava amar.

Fico pensando o quanto a nossa sociedade precisa de homens como José, que mesmo sendo supostamente “traído”, porque ele achava que teria sofrido uma traição, preferiria mudar de cidade, seguir sua vida em outro lugar, deixar sua ex-noiva seguir seu caminho, e no que dependesse dele, sem ser julgada difamada ou caluniada. Mas, infelizmente, na sociedade de hoje, muitos homens não suportam nem o fim de um relacionamento e já estão prontos para matar, mesmo sendo essa atitude contrária à nossa leis.

Precisamos urgentemente de mais homens como José, que mesmo supostamente traído, decidiu poupar a integridade moral e a vida de sua noiva ao invés de requerer “lavar a sua honra”.

Com amor, generosidade, hombridade e nobreza José demonstrou ser homem de verdade dando a Maria, não apenas a condição de permanecer viva mas também de não ser difamada.

Hoje, conhecendo toda a história, sabemos que um anjo aparece a José em um sonho e lhe falou que não precisava fugir, que deveria tomar Maria como esposa, pois o filho que ela esperava fora gerado pelo Espírito Santo.

Quase sempre enaltecemos as qualidades de Maria por ter sido escolhida para ser a mãe de Jesus, mas podemos perceber que José também apresentou qualidades dignas que o qualificaram para ser o pai do Messias.

Quão melhor a nossa sociedade seria se tivéssemos mais Josés, mais homens de verdade.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana