Investigados por estupro contra criança de 10 anos e adolescente de 14 são presos

A Delegacia da Polícia Civil de Sorriso cumpriu mais duas prisões de investigados por estupro de vulnerável, entre segunda e terça-feira desta semana. Eles são responsáveis por terem estuprado uma adolescente de 14 anos e uma criança de 10 anos.

Leia também: Investigados em operação por lavagem de dinheiro barraram MC Daniel por rixa entre facções

Uma prisão foi cumprida no dia 03 de junho contra um homem de 39 anos que responde a inquérito policial instaurado pela Delegacia de Sorriso pelo estupro de vulnerável contra um adolescente de 14 anos. A prisão foi decretada pela 2a Vara Criminal de Sorriso.

A mãe da vítima procurou a delegacia para relatar que no dia 24 de maio, seu filho saiu da escola e disse que dormiria na casa de um primo, contudo, o menor foi para s residência de um amigo, que morava sozinho. Após chegarem na casa, ambos saíram para dar uma volta de carro e, ao retornarem, a vítima aceitou uma bebida oferecida pelo adulto, que acabou deixando o adolescente entorpecido. A vítima foi levada ao quarto do suspeito, que o forçou a praticar atos sexuais. O menor conseguiu escapar e pedir ajuda, sendo resgatado por sua mãe próximo à casa do suspeito.

Após o fato, o menor foi acompanhado pela mãe à delegacia, onde foi registrada a ocorrência. O suspeito ainda manteve contato com a vítima por mensagens, pedindo contato telefônico com a mãe dele para dissuadi-la de registrar o crime.

Segunda prisão

Nesta terça-feira, a a equipe da Delegacia de Sorriso cumpriu a prisão de outro agressor sexual investigado pelo estupro contra uma criança de 10 anos.

A mãe da vítima procurou a Polícia Civil em Sorriso no dia 13 de maio e contou que, meses atrás, seu filho foi a um mercado perto de sua residência para comprar carne. O açougueiro do mercado se aproveitou para tocar nas partes íntimas da vítima, enquanto a criança aguardava pela compra sentada em uma cadeira próxima do açougue.

O mercado é pequeno e, naquele momento, havia apenas a atendente no caixa, além do açougueiro no estabelecimento. A criança não contou à mãe o que havia ocorrido naquele momento por medo das possíveis consequências das ações do homem e da reação dela.

Meses depois do fato, a criança relatou que encontrou o açougueiro no trajeto de volta da escola, que a abordou perguntando: “Lembra do que eu fiz com você?”, ao que a criança respondeu afirmativamente e em seguida o suspeito foi embora. A criança contou que voltou para casa com medo e acabou escrevendo em um quadro que algo tinha acontecido, estava com medo e precisava conversar com a mãe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *