Polícia

Caminhoneiro mantido em refém durante roubo de soja avaliada em R$ 786 mil é encontrado em VG

Policiais da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) libertaram nesta quinta-feira (09) um motorista que foi sequestrado, e teve o caminhão com a carga de soja roubado na BR-070, e recuperou o veículo. A carga agrícola e o caminhão com semirreboques estão avaliados em R$ 786 mil.

O GCCO recebeu informações na manhã desta quinta-feira investigações sobre possível ação de uma quadrilha no roubo a carga, no município de Campo Verde, usando a Rota Verde, que passa pelas BR-364 e 070 e onde comumente veículos de grande porte são abordados.

A 30 quilômetros de Campo Verde, os policiais civis avistaram no pátio de um posto de combustíveis uma carreta com trator, estacionada em atitude incomum. Após monitoramento, os investigadores realizaram a abordagem, mas constataram que o veículo estava vazio, com o painel danificado e tentativa de retirada de rastreador. Na cabine da carreta foram encontradas duas placas veiculares falsificadas e que seriam utilizadas para desconfigurar o veículo roubado.

O veículo e a carga recuperados foram encaminhados à Delegacia de Campo Verde e a equipe da GCCO continuou as diligências para localizar o motorista.

Após rondas em uma região de Várzea Grande bastante utilizada para cativeiro de vítimas de roubo de cargas, a equipe da gerência especializada localizou uma pessoa com as mesmas características do motorista da carreta, de 34 anos. Ele foi encontrado pedindo socorro em uma estrada na região do Capão Grande, nos fundos do bairro 24 de dezembro.

A vítima confirmou a identidade e relatou aos policiais da GCCO que foi roubada na noite anterior, em Campo Verde, quando criminosos o abordaram na rodovia federal.

Depois da localização da vítima, os policiais permaneceram realizaram diligências e depois encaminharam o motorista à GCCO para a coleta de informações.

A GCCO continua com a investigação para localizar os autores do roubo majorado pelo concurso de pessoas, uso de arma de fogo e restrição de liberdade da vítima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *