Cidades

Aumento alarmante de casos de violência em creches de MT preocupa autoridades

Secretaria Estadual de Segurança Pública registra crescimento significativo de ocorrências de maus-tratos e lesão corporal contra crianças de 0 a 5 anos.

Um relatório preocupante divulgado pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) revelou um aumento alarmante nos casos de violência em creches públicas e particulares de Mato Grosso. Os dados apontam um aumento de 200% no número de ocorrências de maus-tratos contra crianças de 0 a 5 anos, passando de 13 casos em 2022 para 39 no ano passado. Paralelamente, as ocorrências de lesão corporal nessa faixa etária também aumentaram em 43%, de 40 casos registrados em 2022 para 57 no ano passado.

No período de janeiro a abril deste ano, já foram registrados 25 casos de violência contra crianças de 0 a 5 anos em creches, sendo 16 casos de lesão corporal e 9 casos de maus-tratos.

Em Cuiabá, dois casos recentes ganharam destaque, levando a uma comoção pública e a medidas imediatas. A mãe de uma criança de 1 ano e 2 meses denunciou a Creche Municipal Rosângela de Campos, após encontrar hematomas nas costas da filha. Após a denúncia, a equipe gestora da creche foi exonerada, e um interventor foi nomeado para dar continuidade às investigações. Um grupo de pais protestou contra a decisão, demonstrando a gravidade do ocorrido.

Outro incidente ocorreu na Creche Municipal Renisea Guilhermette Barua, onde uma mãe relatou maus-tratos e a ausência de Cuidadoras de Alunos com Deficiência (CAD). Um vídeo emocionante mostrou a mãe chorando ao exibir os hematomas no corpo da criança de 2 anos. Em resposta, a Secretaria de Educação informou que está apurando as responsabilidades e avaliando a necessidade de implementação de CAD, reforçando seu compromisso com a formação e orientação dos profissionais.

Ambos os casos estão sendo investigados pela Polícia Civil, enquanto a comunidade busca respostas e soluções urgentes para garantir a segurança e o bem-estar das crianças nas creches do estado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *