Política

Botelho aponta Galvan como culpado por complicação no Fethab para o agro

Deputado Botelho aponta Antônio Galvan como o “homem da confusão” em discussões sobre destinação de recursos no agronegócio.


O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado estadual Eduardo Botelho, não economizou palavras ao apontar o dedo para o ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Antônio Galvan, como o principal obstáculo ao avanço do Projeto de Lei 138/2024, que versa sobre o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab).

Botelho não escondeu sua frustração durante uma entrevista ao abordar o impasse que tem retardado a votação do PL, que enfrenta uma última fase de análise na Assembleia Legislativa. O pedido de vista, realizado na sessão do dia 10, é apenas o mais recente obstáculo em uma discussão já conturbada.

O objetivo do projeto é corrigir inconstitucionalidades apontadas pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, relacionadas à destinação de recursos para entidades do agronegócio, alvo de ações movidas pelo deputado Valdir Barranco (PT).

No entanto, Botelho argumenta que as dificuldades foram exacerbadas pelas ações de Galvan, mencionando a utilização de recursos da Aprosoja para propósitos políticos, o que resultou em investigações da Polícia Federal em 2021. As suspeitas apontavam para o desvio de recursos do Fethab e do Iagro para financiar manifestações políticas, com Galvan figurando como um dos principais protagonistas.

Para Botelho, a complicação advinda das ações de Galvan reverbera no atual cenário político, dificultando a aprovação do projeto. “O ex-presidente, o Galvan, ele é o responsável por toda essa complicação”, afirmou o presidente da ALMT, lamentando a necessidade de corrigir os problemas gerados pelo que ele descreve como “atos antidemocráticos”.

Em meio a debates sobre a destinação de recursos do agronegócio, a figura de Antônio Galvan emerge como um ponto de controvérsia, enquanto a ALMT busca soluções para avançar com o Projeto de Lei do Fethab.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *