Homem é condenado a 30 anos de reclusão por feminicídio

Wagno Alves Pereira foi condenado a 30 anos de reclusão pelo Tribunal do Júri de Brasnorte, distante 579 km de Cuiabá, pela prática de feminicídio contra sua ex-companheira Fabiula Manente da Luz, ocorrido em agosto de 2022. O crime foi cometido na presença do filho de 8 anos da vítima.

Durante o julgamento, o Conselho de Sentença acolheu a tese do Ministério Público de Mato Grosso, reconhecendo que o homicídio foi praticado por motivo fútil, com recurso que dificultou a defesa da vítima, além de ter sido motivado pela condição de sexo feminino da vítima, configurando feminicídio.

De acordo com a denúncia, o crime ocorreu na residência da vítima, situada no bairro Aeroporto, em Brasnorte. Wagno Alves Pereira, munido de “manifesta intenção homicida”, disparou um tiro na cabeça de Fabiula Manente da Luz. O casal havia convivido em união estável e estava separado há aproximadamente 60 dias.

O réu, conhecido por sua violência, já havia agredido Fabiula em outras ocasiões. Além disso, ele não aceitava o término do relacionamento e mantinha a chave da residência da vítima, recusando-se a devolvê-la.

Motivado pelo ciúme ao descobrir que Fabiula estava em um novo relacionamento, Wagno, armado, dirigiu-se à casa da vítima. Na presença do filho dela, efetuou um disparo à queima-roupa na cabeça de Fabiula, dificultando qualquer possibilidade de defesa por parte da vítima.

Após cometer o crime, o acusado fugiu e foi capturado dois meses depois na cidade de Guarantã do Norte, distante 715 km da capital. A pena imposta é de regime inicial fechado, e Wagno Alves Pereira, que já estava preso, não poderá recorrer em liberdade.

A condenação reforça a gravidade do feminicídio, um crime que reflete a persistência da violência de gênero em nossa sociedade, e busca trazer justiça para Fabiula e sua família.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *