Guerra dos modais: Governo inicia obras do BRT e Emanuel quer embargar

O Governo de Mato Grosso deu início, nesta semana, às obras de implantação do Sistema BRT em Cuiabá, marcando o início dos trabalhos na Avenida do CPA, nas proximidades do Comando Geral da Polícia Militar.

O início das obras ocorre após o prefeito de Cuiabá refutar uma notícia veiculada pela revista IstoÉ, que alega a exclusão do VLT do PAC, conforme Emanuel Pinheiro. O prefeito considera a ação do governo “apressada e desesperada”, destacando a viabilidade do VLT Cuiabano com o apoio e investimento do governo federal por meio do PAC Mobilidade Urbana.

Emanuel Pinheiro designou o secretário de Ordem Pública, Leovaldo Salles, para liderar a fiscalização, indo pessoalmente à obra com a equipe para garantir toda a documentação necessária e as licenças obrigatórias, cientes de que essas ainda não foram obtidas. O prefeito enfatizou que, conforme a legislação, se não houver licença, a obra deve ser embargada.

Além disso, o prefeito informou sobre uma reunião marcada para quarta-feira, 17, com a Promotora de Justiça e Coordenadora do CAO Meio Ambiente Natural, Maria Fernanda Corrêa da Costa, que convocou todas as partes envolvidas, incluindo o município de Cuiabá, governo do estado e o consórcio responsável pela obra do BRT em Várzea Grande.

Quanto ao andamento da obra, o consórcio responsável começou pelos trabalhos de drenagem no canteiro central. Após essa etapa, os trabalhos progredirão para a construção da pista de concreto, incluindo a remoção da capa asfáltica e a execução da terraplanagem.

O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT), assegurou as licenças ambientais necessárias para dar início ao projeto.

O Sistema BRT em Cuiabá contará com duas linhas, conectando o Terminal do CPA ao Terminal de Várzea Grande e o Terminal do Coxipó ao centro da capital, respectivamente. O início das obras representa um passo significativo na melhoria da mobilidade urbana na região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *