Emanuel denuncia no TJ suposto rombo de R$ 190 mi na Saúde de Cuiabá

Nesta quarta-feira (20), o prefeito Emanuel Pinheiro entregou para o desembargador Orlando Perri, no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), documentação onde denuncia supostas irregularidades na gestão financeira da Saúde Pública pelo gabinete de intervenção, em Cuiabá.

Dados retirados do Sistema Único e Integrado de Execução Orçamentária, Administração Financeira e Controle – Siafic, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) apontam possível rombo que atualmente se aproxima de 190 milhões na saúde municipal, que teria sido causado pela intervenção.

Segundo o prefeito, se não forem tomadas providências imediatas, esta situação poderá causar consequências irreparáveis no futuro, mais precisamente quando a saúde for devolvida ao município.

“Conversei com o desembargador, fui muito bem recebido como é de praxe. Expliquei ponto a ponto da nossa denúncia, entregando todos os documentos, todas as mídias, todo o anexo baseado no sistema Siafic do Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso. Entreguei dados oficiais, que mostram indícios fortíssimos de um rombo de cento e noventa milhões de reais na saúde pública da capital que a intervenção está provocando, o que ocasiona a desestruturação do SUS e o desmonte de todas as políticas públicas pensadas para a saúde de toda a capital. Vamos continuar vigilantes, vamos continuar defendendo o patrimônio da população cuiabana”, disse o prefeito.

Emanuel Pinheiro já entregou pessoalmente a mesma documentação para o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, para o procurador-geral de Justiça, Deosdete Cruz, no Ministério Público, para o presidente da Câmara Municipal, vereador Chico 2000, e para o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Sérgio Ricardo.

A intervenção estadual na saúde de Cuiabá começou em 15 de março deste ano, por determinação judicial. O desembargador Orlando Perri foi o relator do processo no Órgão Especial do TJMT. (Com informações da Assessoria da Prefeitura de Cuiabá)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *