Investigador da polícia é denunciado pelo homicídio duplamente qualificado

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT) apresentou uma denúncia contra o investigador de polícia Leonel Constantino de Arruda pelo homicídio duplamente qualificado de Anderson Conceição de Oliveira. O crime ocorreu em abril de 2022, próximo à 1ª Delegacia de Polícia – Central de Ocorrências, no centro de Cuiabá. O promotor de Justiça Vinicius Gahyva Martins, da 1ª Promotoria de Justiça Criminal de Cuiabá, solicitou a decretação da prisão preventiva do denunciado e a indenização a título de reparação dos danos materiais e morais sofridos pela vítima e/ou familiares e difusos.

Segundo a denúncia, Anderson Conceição de Oliveira compareceu à 1ª Delegacia de Polícia para registrar um Boletim de Ocorrência relacionado ao extravio de documentos. Durante esse processo, a estagiária da unidade descobriu que a vítima estava listada como “suspeito com procedimento” no sistema e verificou a existência de um mandado de prisão pendente em seu nome no Banco Nacional de Mandados de Prisão.

Ao ser informado dessa situação, o investigador Leonel Constantino de Arruda confrontou a vítima, que temendo ser presa, tentou fugir. O investigador perseguiu Anderson e efetuou um disparo certeiro na cabeça, resultando na morte da vítima. Anderson foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado ao Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, mas não sobreviveu devido à gravidade da lesão.

A denúncia destaca que a conduta do investigador colocou em perigo a integridade física de várias pessoas, uma vez que o disparo de arma de fogo ocorreu em plena luz do dia, em uma via pública conhecida pela grande movimentação de transeuntes. Além disso, o crime foi cometido de forma a dificultar a defesa da vítima, que foi surpreendida pela violência do disparo pelas costas, atingindo a parte posterior de sua cabeça.

O promotor Vinicius Gahyva ressaltou a gravidade do crime e a necessidade de prisão preventiva do denunciado, enquanto busca-se justiça e reparação para a vítima e seus familiares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *