Advogada foi espancada e morta por ex-PM ao negar pratica sexual

Delegacia de Homicídios finalizou o inquérito da morte da advogada Cristiane Castrillon, 48. O documento apontou que ela foi estuprada, agredida e depois morta asfixiada. O crime aconteceu após ela se negar a praticar sexo anal. O corpo da vítima foi encontrado em um carro, no Parque das Águas, em Cuiabá, no dia 13.

Em coletiva à imprensa, os delegados da DHPP afirmaram que o ex-PM Almir Monteiro tentou forçar a prática sexo anal com a vítima, que recusou. Então, ele ficou enfurecido, agrediu Cristiane.

O delegado Marcel Oliveira destacou que uma testemunha foi ouvida durante a investigação e relatou que passou pela mesma situação com Almir, porém, não foi morta.

Corpo de Cristine tinha lesões no pulso, o que batem com o relato. O agressor teria segurado ela pelos pulsos e forçado o ato sexual. Depois que foi agredida, usando a perna ou o joelho, pressionou a barriga da vítima.

Para matá-la, ainda teria usado um “instrumento mole”, que seria o travesseiro. Ele ficou sem respirar e morreu por asfixia.

Indiciado formalmente

Almir foi indicado por estupro, homicídio com 4 qualificadoras e fraude processual – por limpar a casa após o crime usando produtos químicos. Durante os trabalhos, a polícia coletou imagens do trajeto da vítima até a casa dele.

“Desde a chegada até a saída – quando ela já estava morta. Tudo bate com o que foi narrado na ocorrência”, disse o delegado.

Morta no primeiro encontro

Cristiane foi com um primo, na noite de sábado (12), até um bar perto da Arena Pantanal. Lá, ela conheceu Almir. O primo foi embora e ela ficou com o suspeito, até que no fim da noite, foram para casa dele.

Segundo a polícia, lá ela foi agredida e morta asfixiada. O corpo da vítima foi encontrado pelo irmão, durante o domingo (13), dentro do carro dela, no Parque das Águas.

Cristiane chegou a ser socorrida, mas já estava sem vida. DHPP foi acionada e começou as diligências atrás do suspeito, flagrado em câmeras de segurança dirigindo o Jeep dela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *