Polícia cumpre 15 mandados contra grupo envolvido com venda de drogas em festas na capital

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), deflagrou na manhã desta quinta-feira (06.07), a 2ª Fase da Operação Doce Amargo, para cumprimento de 15 ordens judiciais, entre mandados de prisão e busca e apreensão, com alvo em traficantes de drogas sintéticas, que atuam na Capital.

No total, são cumpridos nove mandados de prisão preventiva e cinco de busca e apreensão domiciliar, decretadas pelo Núcleo de Inquéritos Policiais (Nipo) da Capital, após manifestação do Ministério Público.. Três ordens de prisão são cumpridas dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE), sendo duas delas, contra alvos presos em flagrante em ações anteriores da DRE.

A primeira fase da operação foi deflagrada em março de 2022 tendo como base investigações da Delegacia de Entorpecentes que identificaram traficantes envolvidos com o comércio de drogas sintéticas como ecstasy, MDMA, LSD, popularmente conhecidos como “bala”, “roda” e “doce”, além de outras substâncias como “loló”, lança-perfume ou clorofórmio.

Fase 2

As investigações prosseguiram, sendo identificado novo vínculo associativo entre um dos presos na primeira fase da operação (permanece preso ainda) e outros envolvidos na comercialização de drogas, especialmente na vida noturna da Capital e Várzea Grande. Entre os identificados estão sete homens e duas mulheres.

Uma das investigadas no inquérito policial, vinculada diretamente ao traficante preso, pouco depois da entrega dos relatórios subsequentes a deflagração da primeira fase, foi presa em flagrante, na cidade de Chapada dos Guimarães, na posse de considerável quantidade de droga, cocaína, mais de 20 comprimidos de ecstasy e diversos pontos de LSD. Atualmente, a suspeita responde em liberdade (sem tornozeleira eletrônica).

Entre os alvos da segunda fase da operação, está um casal, autuado em flagrante em outra operação da DRE, Operação Doce Onde, deflagrada em outubro de 2022. Os trabalhos desta operação auxiliaram outras investigações anteriores fortalecendo a presente, nos vínculos associativos entres os investigados, em especial com o traficante preso.

e, ao todo, a Polícia Civil empregou 45 policiais civis para o cumprimento das ordens judiciais, sendo a DRE apoiada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Gerência de Operações Especiais (GOE), Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema), Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor) e Delegacia Especializada de Crimes Fazendários (Defaz).

Nome da operação

Doce Amargo: A palavra “Doce” faz referência à forma como as drogas são conhecidas por este mercado consumidor. Já o termo “Amargo” faz alusão à situação dos envolvidos que se vêem atingidos pela repressão estatal diante de crime repudiado pela sociedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *