Polícia

Faccionados são condenados a 15 anos de prisão por execucação em Mato Grosso

O Tribunal do Júri da comarca de Água Boa (a 730km de Cuiabá) proferiu um veredicto histórico nesta terça-feira (4), condenando os responsáveis pela trágica morte de Rui Carlos Ribeiro Bezerra. Felipe Eduardo de Marins Fonseca, Fernando Pereira Maia e Odeir Aparecido Valentim Junior, membros de facções criminosas rivais, foram considerados culpados pelo crime que abalou a cidade de Cocalinho em novembro de 2020.

Essa sentença não apenas puniu os acusados, mas também deu um recado claro: a justiça não tolerará a violência desenfreada e a influência nociva das organizações criminosas. Além da condenação pelo homicídio, o quarteto também foi considerado culpado por integrar a perigosa facção.

Os fatos apresentados pelo Ministério Público de Mato Grosso revelam uma trama chocante. A vítima foi brutalmente assassinada por disparos de arma de fogo, a mando da organização criminosa à qual os réus pertenciam. Tudo isso porque a esposa de um deles possuía uma dívida de R$ 7 mil com o grupo.

A justiça foi feita e a sociedade pode respirar um pouco mais aliviada sabendo que Felipe Eduardo, Fernando e Odeir enfrentarão as consequências de seus atos. A pena imposta a eles, de 15 anos de reclusão e o pagamento de 10 dias-multa, em regime fechado, é uma demonstração clara de que a sociedade não tolerará ações criminosas desse tipo. É importante ressaltar que eles não terão o direito de recorrer da sentença em liberdade, garantindo assim a segurança da população.

Marcelo Eduardo Dias Parlandim, apesar de ter sido absolvido pelo homicídio, não escapou de ser condenado por integrar a organização criminosa. Sua pena, de três anos de reclusão e 10 dias-multa, em regime aberto, servirá como um lembrete de que não há impunidade para aqueles que se envolvem em atividades ilícitas.

Além das penas estabelecidas, o quarteto também foi condenado a arcar com as custas e despesas processuais, uma forma de garantir que assumam a responsabilidade por suas ações.

Essa decisão histórica do Tribunal do Júri de Água Boa envia uma mensagem poderosa e inegável: a violência e a atuação de facções criminosas não serão toleradas em nossa sociedade. A justiça prevaleceu e a memória de Rui Carlos Ribeiro Bezerra será honrada. É essencial que continuemos a combater esses males, garantindo a segurança e a paz em nossas comunidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *