Política

Deputados criticam série de invasões de terra e pedem prisão de líder do MST  

Os deputados federais Fábio Garcia e Pedro Lupion reforçaram durante visita a Norte Show, que estão dispostos para fortalecer o agro contra os movimentos de invasões de terra. Fábio Garcia também detalhou o pedido para investigação e avaliação de prisão de João Pedro Stédile, líder do Movimento Sem-Terra (MST). O documento foi protocolado ao procurador-Geral de Justiça do Estado de São Paulo. 

“Ele cometeu um crime, premeditou e informou publicamente que faria o crime que seria invasões de terras produtivas do país, portanto, qualquer criminoso que anuncia o crime merece ser preso preventivamente para que não cometa. Esse foi nosso pedido e esperamos que justiça analise”, disse. “Que vai chegar ao poder judiciário, vai chegar. Vamos ver qual vai ser a decisão de poder paralisar essa onda de criminalidade no Brasil com esse atentado a propriedade privada e que precisa ser paralisado, tanto pela política do atual governo e quanto pelo judiciário”, concluiu Fábio Gárcia.  

O deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Pedro Lupion (PR), também repreendeu as falas do líder do MST. “É um absurdo a gente ter que discutir em Sinop, no ano de 2023. É algo extremamente obsoleto, defasado, retrógado e que ninguém espera que no ano de 2023 tem que falar direito de propriedade. Mas está aí, o tal do João Pedro Stédile, anunciando invasões em redes sociais, em televisões e dizendo que vai fazer uma baderna no campo, como fez no carnaval vermelho e agora está fazendo o abril vermelho”, revelou.  

Lupion relembrou as invasões registradas, esta semana, pelo movimento nas sedes do INCRA e da Embrapa. “E o pior, invadindo unidades do governo federal, Embrapa, unidades do INCRA em diversos estados. É briga de comadre entre o governo apoiado e o time que apoiou, eles têm que se resolver. O governo tem que vestir as calças e dizer para seus aliados que chega de baderna porque o país não merece isso”, concluiu. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *