Polícia

Pai é preso por abusar sexualmente de filha e obrigá-la a cometer aborto

Suspeito de 32 anos é investigado em Mato Grosso pelos crimes de estupro e aborto provocado, cometidos contra a própria filha de 14 anos.

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (10.03) um homem, de 32 anos, investigado pelos crimes de estupro e aborto provocado cometidos contra a própria filha, que atualmente tem 14 anos.

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de Sinop instaurou investigação para apurar os crimes e representou pela prisão preventiva do suspeito. Após diligências ininterruptas para localização dele, a equipe policial conseguiu cumprir o mandado de prisão na manhã desta sexta-feira.

A Polícia Civil iniciou a investigação na segunda-feira, após receber o registro de que uma adolescente havia dado entrada em uma unidade de saúde de Sinop, com sangramento.

O Conselho Tutelar acionou a polícia na UPA André Maggi, onde a adolescente relatou que era abusada pelo pai desde os sete anos e que ao completar 13 anos, ele a obrigou a ter relação sexual. A vítima era constantemente ameaçada pelo pai a não contar a ninguém sobre a violência sexual. Ela também era obrigada a encaminhar fotos nuas ao celular do suspeito.

Nesta semana, o suspeito comprou testes de gravidez para a adolescente e com o resultado positivo, comprou medicamento abortivo e obrigou a vítima a ingeri-lo. Após a adolescente se sentir mal, ela foi encaminhada à unidade de pronto atendimento, com sangramento e início de aborto, onde foi medicada e encaminhada a procedimento médico.

A delegada Renata Evangelista destaca que o crime praticado contra a própria filha causa repulsa. “É reflexo da educação machista e patriarcal que objetifica as mulheres que, em grau extremo como esses, passa a enxergá-la como instrumento que pode ser usado, inclusive, para satisfação sexual. Crimes como estes não serão tolerados na cidade, sendo investigados com empenho para que seus autores sejam condenados”, pontuou a delegada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *