Policial

“Operação Castelo de Areia” mira grupo criminoso responsável por tráfico

A Polícia Civil de Mato Grosso desencadeou nesta terça-feira (31.01) a Operação Castelo de Areia, da Delegacia de Rosário Oeste, para cumprimento de 21 mandados judiciais contra um grupo envolvido com atividades criminosas de tráfico e associação para o tráfico de drogas no município. 

Os alvos da operação são, principalmente, aqueles investigados por atuar como ‘biqueiros’ e o objetivo nesta primeira etapa é apreender entorpecentes e armas de fogo. Serão cumpridos 20 mandados de busca e apreensão contra os investigados que integram uma organização criminosa. 

Outro alvo da Polícia Civil é um traficante, conhecido como ‘Príncipe’ ou ‘Magnata’, que teve a prisão preventiva decretada pela Justiça por liderar o tráfico de drogas em Rosário Oeste, Nobres e Jangada. A investigação da Delegacia de Rosário Oeste identificou que ele é responsável por gerenciar a venda de entorpecentes e é a ‘voz’ e o centro financeiro das atividades de tráfico. 

Por meio de investigação financeira, a Polícia Civil apurou que diversas pessoas, suspeitas de tráfico na região, realizavam constantes transações financeiras a ele, incompatíveis com as atividades lícitas dos investigados. Além disso, o ‘Príncipe’ tinha autorização para ativar novos biqueiros.

Biqueiros e sanções 

Os biqueiros identificados na investigação praticam o tráfico ‘formiguinha’, recebendo semanalmente pequenas quantidades de drogas, com a exata quantidade para venda. 

A Delegacia de Rosário Oeste apurou ainda que o grupo age com clara divisão de tarefas e relativa organização. “O líder encomendava, semanalmente, a carga de droga e tinha uma pessoa responsável para distribuir cada tipo de entorpecente aos demais biqueiros. Além disso, havia os responsáveis para fazer o recolhimento semanal de valores e da ‘camisa, taxa de R$ 100 mensais cobrada pela facção autorizando o biqueiro a vender a droga”, explicou o delegado de Rosário Oeste, Antenor Pimentel Marcondes. 

A investigação apurou ainda que o líder do tráfico também ordenava mortes daqueles que vendiam entorpecentes sem autorização ou de quem era delator. Quem devia droga ou cometia furtos também era alvo das sanções, pois tais crimes atrapalhavam os negócios do tráfico.

Ilusões e lucros 

A segunda etapa da operação terá como foco a individualização da conduta dos integrantes da organização criminosa na região, a fim de responsabilizá-los.

“É uma vã ilusão dos indivíduos que acreditam que encontram em facções criminosas uma suposta família, pois ao final, inevitavelmente, encontram a prisão ou a morte”, pontuou Antenor  

O lucro das atividades de tráfico, por sua vez, concentra-se quase que exclusivamente no todo da pirâmide, ficando com o líder e outros acima dele. “Embora os biqueiros, de pouco em pouco, movimentem grande monta de dinheiro e droga, eles vivem na penúria e apenas o escalão mais baixo se expõe a praticar crimes violentos como espancamentos e homicídios. Quem ordena, por sua vez, ganha os lucros”, finaliza o delegado de Rosário Oeste. 

O nome da Operação Castelo de areia refere-se a príncipe que vive em um castelo de ilusões, sem alicerces firmes que, inevitavelmente, irá se desmanchar.

A operação conta com apoio da Delegacia de Nobres, Delegacia de Roubos e Furtos de Várzea Grande, GCCO, Gerência de Operações Especiais e Canil do SOE.

por PJC-MT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *