HMC realizou mais de 30 mil cirurgias e taxa de ocupação atinge média de 95%

O maior e mais moderno hospital público de Mato Grosso, o Hospital Municipal de Cuiabá e Pronto-Socorro “Dr. Leony Palma de Carvalho” (HMC), realizou mais de 30 mil cirurgias desde o mês de setembro de 2019 a outubro de 2022. A média da taxa de ocupação dos leitos do HMC é de 95%, as internações abrangem pacientes da capital e de municipios do interior de Mato Grosso.

Foram 20.184 cirurgias gerais, 803 cirurgias neurológicas e 10.439 cirurgias ortopédicas. O total compreende 31.426 procedimentos cirúrgicos realizados no HMC. Os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), que estão com demandas pendentes de cirurgias eletivas, são referentes aos pacientes oriundos dos 141 municipios do Estado de Mato Grosso.

Segundo a gestão municipal, as cirurgias pendentes estão inseridas no sistema da Central de Regulação, que é administrado pelo Estado e Município. Responsável por fazer o encaminhamento das cirurgias eletivas de todo o Estado.

As demandas por cirurgias são direcionadas, de acordo com a especialidade, para diversos hospitais de Mato Grosso tais como; Santa Casa de Cuiabá, Metropolitano de Várzea Grande, Santa Helena, Júlio Muller, Hospital Geral, Hospital do Câncer, e outras unidades hospitalares públicas do Estado, além das unidades particulares conveniadas, informou a gestão do municipio de Cuiabá.

Conforme censo diurno na manhã de hoje (09), emitido pelo Núcleo Interno de Regulação (NIR), do Hospital Municipal de Cuiabá, após alta médica dos pacientes internados nesta manhã, foram liberados apenas 11 leitos de enfermaria adulto, que serão ocupados no decorrer do dia. As Unidades de Terapias Intensivas (UTIs), seguem o mesmo fluxo e estão lotadas. A taxa de ocupação dos leitos do HMC é em média 95%.

Nunca houve a ociosidade dos leitos no Hospital Municipal de Cuiabá que é a unidade de referência no estado em ortopedia, traumatologia e neurocirurgia. Além de atuar como unidade porta aberta para situações de urgência e emergência. Durante o auge da pandemia, o HMC acolheu pacientes de diversas patologias, pois outras unidades se tornaram referências ao atendimento de pacientes com Covid. O HMC nunca teve UTI Covid pediátrica, mas uma Ala Específica para atender esse público infantil foi criada durante o pico da pandemia, no antigo Pronto Socorro.

O HMC compreende 315 leitos e mais de 10 especialidades médicas para consultas ambulatoriais. Além disso, conta com heliponto, Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), Centro de Informação e Assistência Toxicológica (CIATOX), modernos centros cirúrgicos, exames de imagens e exames laboratoriais de análises clínicas e oxigenoterapia hiperbárica.

por Cristiane Guerreiro/ECSP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *