Cidades

Cuiabá volta a ter aumento no número de casos de Covid-19

O Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde – CIEVS da Secretaria Municipal de Saúde emitiu um alerta sobre a tendência de aumento de casos de Covid-19 no Brasil e possível crescimento de casos no município de Cuiabá.

Os dados epidemiológicos até 11 de novembro de 2022, apontam 34.908.198 casos e 688.656 óbitos acumulados de Covid-19 no Brasil. Na semana epidemiológica 45, entre 6 a 11 de novembro de 2022, foram notificados 57.825 casos e 314 óbitos por Covid-19 pelas Secretarias Estaduais de Saúde ao Ministério da Saúde, resultando em uma média móvel dos últimos sete dias de 8.448 casos diários, representando um aumento de 120% em relação à média móvel da semana anterior (3.834). A média móvel diária dos últimos sete dias foi de 46 óbitos, demonstrando um aumento de 28% em comparação à semana anterior.

Conforme observado no cenário atual, a Covid-19 apresenta tendência de aumento de casos e avança na Ásia, nos Estados Unidos e na Europa acendendo o alerta entre os pesquisadores no Brasil, merecendo monitoramento rigoroso.

Foram detectadas novas subvariantes: BQ.1 (BQ.1 + BQ.1.1) e BA.5.3.1, classificadas como novas linhagens da Variante de Preocupação (VOC) Ômicron. Identificou-se entre a semana epidemiológica 44 e 45 o total de 40 casos da sublinhagem BQ.1: Rio de Janeiro (12), Amazonas (1), São Paulo (2), Rio Grande do Sul (1), Santa Catarina (5), Distrito Federal (13), Alagoas (1), Espírito Santo (1) e Ceará (4). Somente em 11 de novembro de 2022, foram notificados 19 casos (Santa Catarina, Distrito Federal, Ceará, Espírito Santo e Alagoas). Também está sendo identificada a sublinhagem BA.5.3.1 com maior número de sequenciamentos no estado do Amazonas (268 casos). Circula ainda pelo mundo a XBB que é um recombinante das sublinhagens BA.2.10.1 e BA.2.75.

A Secretaria Municipal de Saúde está fazendo o monitoramento constante dos casos de Covid em Cuiabá, não tendo identificado aumento significativo até o presente momento. Desde o começo da pandemia a capital teve 146.304 casos confirmados e 3.719 óbitos. Cerca de 93% da população acima de 18 anos tomou duas doses da vacina contra o coronavírus. No grupo de 12 a 17 anos, o percentual de pessoas com duas doses é de 57,8% e entre as crianças de 5 a 11 anos apenas 30,5% recebeu duas doses. Importante ressaltar que a vacinação confere proteção para a não evolução dos casos graves da doença.

Transmissão:

Contato pessoal com secreções contaminadas, como:

· Gotículas de saliva;

· Espirro;

· Tosse;

· Catarro;

· Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;

· Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Principais sintomas (variante Ômicron):

· Febre;

· Coriza (nariz escorrendo);

· Tosse;

· Cansaço extremo;

· Dores pelo corpo;

· Dor de cabeça;

· Dor de garganta;

· Perda de olfato ou paladar.

Sinais de agravamento:

Sincope, confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade, inapetência, dispneia/desconforto respiratório;

OU

Pressão persistente no tórax;

OU

Saturação de O2 menor que 95% em ar ambiente;

OU

Coloração azulada dos lábios ou rosto.

Cuidados básicos para reduzir a transmissão de infecções respiratórias agudas:

· Manter o esquema vacinal atualizado;

· Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;

· Realizar lavagem frequente das mãos, preferencialmente com água e sabão ou álcool 70%, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;

· Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

· Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir e higienizar as mãos após;

· Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

· Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

· Manter os ambientes bem ventilados;

· Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;

· Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Importante ressaltar que a vacinação confere proteção para a não evolução dos casos graves da doença.

por VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA / ROBERTA PENHA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *