PF prende servidor que agilizava processos por propinas na Operação “Propix”

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (23) a Operação “Propix”, que visa ao combate a crimes de corrupção ocorridos dentro do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA).

Segundo a Polícia Federal, a investigação apurou que um servidor público do Incra de Cáceres (220 km de Cuiabá) supostamente recebia valores para realizar o cadastramento de imóveis rurais de moradores da região que o procuravam para regularizar suas propriedades.

Caso o valor da propina não fosse pago, os procedimentos de cadastramento passariam para o “fim da fila”, por outro lado, os que realizavam o pagamento tinham seus processos concluídos rapidamente.

A Polícia Federal apurou que o investigado realizava essa prática há vários anos e recentemente utilizava o “pix” de uma de suas filhas para receber os valores.

Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva do servidor público, de 62 anos.

A PF espera que a deflagração da operação possibilite a identificação de outros participantes nos delitos, pois a investigação apontou que particulares atuavam junto ao servidor, intermediando o recebimento do dinheiro da corrupção.

O nome da operação é a junção da palavra propina e do meio de recebimento utilizado pelo investigado: pix.

(Da Assessoria)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *