conecte-se conosco



Política MT

Rogerinho solicita agenda com governador para cobrar retorno do Detran para sede na Av. Artur Bernardes

Publicado

em

O vereador Rogério França Martins, o Rogerinho da Dakar (PV), usou a tribuna da Câmara Municipal de Várzea Grande, durante sessão ordinária na última quarta-feira (13), para defender que a sede do Detran na Avenida Artur Bernardes, que está fechada há dois anos para reforma seja reaberta imediatamente.

Dakar relatou que o atendimento na sede provisória, dentro do Várzea Grande Shopping, onera os munícipes que necessitam dos serviços da instituição.

O parlamentar explicou que esteve por três vezes em uma semana para retirar guias de pagamento, fazer vistoria e pegar o documento do veículo de sua propriedade, e todas as vezes foi obrigado a pagar estacionamento.

Rogério sugeriu a criação de uma Comissão, para levar ao conhecimento do governador Mauro Mendes, o drama enfrentado pelos moradores do município, que além de pagar as altas taxas para regularizar a situação de motos e carros, ainda pagam estacionamento.

“Temos uma sede própria, na mesma avenida, que está em reforma, vamos pedir ao governador que olhe por esta situação”,  enfatizou.

Além de cobrar o retorno para sede própria. O vereador indicou a demarcação de espaço especifico para motos na Avenida Couto Magalhães e a implantação de uma faixa elevada na Avenida Alzira Santana, próximo ao Supermercado Comper.

“As vezes vejo motos estacionadas com espaço que daria para estacionar um carro, sem esta demarcação fica desordenado e acaba prejudicando os motoristas”, concluiu.

 

 

 

1 comentário

1
Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Olhar digital Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Olhar digital
Visitante
Olhar digital

Parabéns Vereador Rogerinho, aproveite nesta visita com o nosso Governador Mauro Mendes e peça pela nossa VG 01 Rodoviária descente, 01 Shoping para os Camelôs, 01 Feira Municipal e uma Feirinha de artesanatos, pois a nossa VG precisa dessas obras,vamos transformar a nossa cidade em uma cidade turística,fica a dica para todos os Vereadores e para a nossa Prefeita Lucimar….

Política MT

Governo de MT estuda demissões de servidores efetivos em estágio probatório

Publicado

em

O governo estadual disse na sexta-feira (24) que não descartaria a possibilidade de demitir servidores em estágio probatório para conseguir equilibrar as contas públicas. Segundo o secretário Estadual de Fazenda, Rogério Gallo o executivo poderá adotar a providência que é permitido Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

De acordo com o secretário a situação econômica do estado é preocupante e o governo tem estudado alternativas para cumprir a LRF e a determinação do Ministério Público Estadual (MPE) de que haja controle rígido das despesas.

“Desde o início do ano, o governo tem comunicado a sociedade que nós temos que ter um equilíbrio nos gastos públicos”, reforçou.

Segundo Rogério, o governo não tem a intenção de demitir servidores. Entretanto é uma possibilidade, caso não haja outras alternativas.

“Essa é uma das possibilidades que a lei coloca. Tenho dito que isso não é desejável e não é o que o governo quer. Nós vamos adotar todas as medidas antes de chegar a algo tão contundente quanto isso”, afirmou.

Gallo comentou ainda que não adianta fazer gasto exclusivamente em pessoal e deixar as despesas de manutenção de hospitais, escolas, estradas em segundo plano. E reafirmo que além do controle de gastos relacionados aos servidores públicos, vem ponderando em outras áreas que também são fundamentais.

Caso as demissões sejam necessárias, seriam de servidores contratados e efetivos em estágio probatório. A medida teria um impacto de R$ 800 milhões na folha de pagamentos que, atualmente, está acima do previsto na LRF.

“Essa controle de gastos é como fazemos na economia doméstica, em casa. E mesmo que exonerássemos servidores efetivos em estágio probatório, talvez nós não conseguíssemos reduzir o gasto do poder executivo”, declarou ele.

O secretário explicou que, caso o governo opte por demitir, não seria uma alternativa ilegal, mas com base no que é permitido por lei.

Por G1

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana