conecte-se conosco


Artigos

Resistência?

Publicado

em

 

Me perguntaram se, agora eleito, participaria da situação ou da oposição.

Respondi:

-Como me posicionar face a um executivo ainda não empossado? Não aplaudo ou combato pessoas ou grupos apenas por existirem. Apoio ou reprovo atitudes, conforme julgo benéficas ou prejudiciais às instituições, à  democracia ou ao bem-estar social.

Refletindo, percebo a “moda” da resistência, cuja semântica é o suporte e combate à doença ou inimigo físico, ético ou moral.

Tal significado traz à memória os partisans.  Eram voluntários agrupados na luta por sua pátria, geralmente mal armados e treinados por militares derrotados. Foram heróis históricos na Iugoslávia, Grécia, União Soviética, Bielo Rússia, Letônia, Lituânia, Bulgária, Albãnia, Itália, França e o povo judeu.

Hoje, vejo o romantismo da resistência sequestrado por correntes partidárias, liderando independentes de me melhorar ideias ou ações. Mas no intuito de atacar a origem quando adversária. E pretendem sistematizar tal comportamento. O efeito público torna-se secundário. O alvo é o poder constituído.

O objetivo deve ser o Brasil. Contrariar este escopo é o mesmo que ser o passageiro que não gosta do piloto e trabalha para a queda do avião.

A postura correta é examinar para aperfeiçoar a sociedade, alavancando a Nação e seu povo. E , assim deve ser entendido por críticos e criticados.

Me identifico com todos unidos sob a mesma bandeira verde-amarela, que NUNCA SERÁ VERMELHA.

Faissal Calil é advogado, ex-vereador por Cuiabá e foi eleito com 20.509 para deputado estadual por Mato Grosso pelo Partido Verde. 

Comentários Facebook

Artigos

Agronegócio não é o vilão

Publicado

em

O agronegócio merece total atenção do governo e não deveria ser tema de tanto tabu entre os brasileiros, vem do agro nosso alimento e a “vitamina” que nossa economia precisa. Números testificam tamanha importância do campo.

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) encerrou o ano de 2018 em R$ 569,8 bilhões. Os valores da produção de algodão e de soja foram os maiores registrados na série iniciada em 1989. Esses resultados trouxeram importantes benefícios, especialmente àqueles estados onde predominam as lavouras desses produtos, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia.

Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento toram claros a necessidade do país acreditar e tratar como grandes empresários os produtores, sendo eles protagonistas de um Brasil conhecido internacionalmente por alimentar o mundo. No cenário em que a população mundial só cresce é preciso valorizar os produtores dos alimentos.

Os produtos que deram maior sustentação ao VBP foram algodão, café e soja, embora cana-de-açúcar e milho também são destacados por expressiva participação no valor gerado.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Municípios do agronegócio lideram crescimento do PIB (Produto Interno Bruto).  Mais de 5 mil municípios mostram forte crescimento nas principais regiões agrícolas. Levantamento com base no valor nominal do PIB de 2016 revelou que 82% dos municípios brasileiros classificados como os maiores produtores do agro tiveram crescimento nominal superior à taxa anual do PIB do país, que foi de 4,4 % entre 2014 e 2016.

Quando isolados os 100 maiores produtores agrícolas, o crescimento médio foi de 9,81%, no período. Esses municípios respondem por 7,2% do PIB do país, e por 27,5% do Valor Bruto da Produção (VBP Lavouras).

Robustez do agro que contribui com o desenvolvimento econômico dos municípios, estados e nação. Portanto, é vital políticas públicas com mais apoio ao agronegócio e a célere desconstrução da imagem pejorativa de que o agro é o vilão.

Crédito: Pérsio Oliveira Landim, advogado, especialista em Direito Agrário, especialista em Gestão do Agronegócio, presidente da 4ª Subseção da OAB – Diamantino (MT)

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana