conecte-se conosco


Política MT

PSL recebe novos filiados e trabalha para se tornar o maior partido de Nobres

Publicado

em

Fonte: Elisângela Neponuceno-Nobres Noticias

Capitaneado pelo vereador Prof. Oscar Lara, atual presidente do PSL em Nobres, o partido recebeu novos filiados na tarde deste sábado (17), no Hotel Fazenda Mato Grosso em Cuiabá.

Oscar participou do grande  ato de filiação de MT, com presença do deputado estadual Delegado Claudinei Souza, deputado federal Nelson Barbudo e da Senadora Selma Arruda.

Eleito pela oposição em 2016 e vereador de primeiro mandato, hoje Oscar faz parte da base aliada do prefeito Leocir Hanel (PSDB).

Em entrevista ao Nobres Noticias, Lara afirma que o fortalecimento da sigla é inegável com as novas adesões e a adesão do prefeito que deve ocorrer nos próximos dias.

“Já vislumbramos novas perspectivas para o município de Nobres com o ingresso do secretário de turismo Daniel Martins, do empresário Vicente Campos, do empresário Clóvis da Vila Bom Jardim, da contadora Betinha, além de novos nomes que devem aderir em um ato que será realizado no município”, declarou.

Lara relembra os caminhos percorridos desde o inicio em 2015, quando começou a mobilização para fortalecer a sigla.

O vereador explicou que em 2016, saiu vitorioso das urnas e com a candidatura a vice, da ex-vereadora Neidinha, que compôs a chapa majoritária com o candidato Dr.Esmeraldo Ribeiro. Já em 2018, o partido saiu mais robustecido do pleito com a vitória do presidente Jair Messias Bolsonaro, da senadora Selma Arruda e do desconhecido Nelson Barbudo.

“O próximo passo é filiar o prefeito de Nobres Leocir Hanel, ele já foi convidado, estamos acertando os últimos detalhes, para composição da nova diretoria e apresentar nossos futuros candidatos”, concluiu.

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Reforma da Previdência pode ser votada em 1º turno nesta terça-feira

Publicado

em

A reforma da Previdência terá um capítulo decisivo nesta semana. Está marcada para a próxima terça-feira (24), no plenário do Senado, a votação em primeiro turno da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma. Segundo parlamentares, o clima é favorável a uma aprovação.

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Simone Tebet (MDB-MS), disse que a reforma da Previdência está “blindada”. Pela manhã, será votado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o relatório referente às emendas recebidas em plenário. Após, a PEC para o plenário. A expectativa é cumprir o calendário, votando em segundo turno no dia 10 de outubro.

“Na semana seguinte, começarmos a votação em segundo turno. Em 10 de outubro, temos condições de entregar para o Brasil a reforma da Previdência”, disse Tebet.

Na primeira passagem da reforma pela CCJ, o relator da PEC, Tasso Jereissati (PSDB-CE), leu e submeteu seu parecer à comissão, que foi aprovado por 18 votos a 7 e levado ao plenário. No plenário, foram realizadas cinco sessões de discussão do tema.

Nem todas as sessões reservadas à reforma tiveram um quórum alto. Em algumas, poucos senadores pediram espaço para fala. O deputado Paulo Paim (PT-RS) pediu alteração das regras de aposentadoria especial, para profissões danosas à saúde e  mudanças nas regras de pensão por morte.

Em seu relatório, referente às emendas de plenário, Jereissati rejeitou 76 emendas recebidas no plenário do Senado que poderiam modificar a proposta e obrigar a volta do texto à análise dos deputados. O relator, no entanto, mudou a redação sobre o ponto que trata da criação de uma alíquota de contribuição mais baixa para os trabalhadores informais.

Cientes de que o relator não fará mudanças que provoquem a volta do texto à Câmara, alguns senadores jogam suas fichas na chamada PEC Paralela. A PEC, também relatada pelo tucano, promete trazer regras mais benéficas aos trabalhadores e foi criada para evitar alterações na PEC principal e, consequentemente, possibilitar uma aprovação em outubro.

A expectativa de Jereissati e Tebet é que haja uma diferença de 15 dias entre as votações da PEC original e as votações da paralela. No caso dessta, porém, a aprovação definitiva ainda levará tempo, uma vez que ainda precisa ser apreciada pela Câmara dos Deputados.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana