conecte-se conosco


Política Nacional

PSL fecha apoio à candidatura de Maia para a Presidência da Câmara

Publicado

em

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (PE), reiterou hoje (3) o apoio do partido à candidatura do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que busca a reeleição. De acordo com ele, a “convergência” de ideias une a sigla a Maia.  A decisão foi tomada durante reunião da bancada nesta quinta-feira. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tem reafirmado que os integrantes do governo não vão se envolver na disputa pelo comando da Câmara.

Na reunião de hoje, parte da bancada do PSL na Câmara, que tem 53 deputados federais, participou. Em pauta, a disputa pela presidência da Câmara e as indicações para as comissões permanentes na Casa, nas quais são debatidas propostas, há sabatinas e votadas as mais distintas medidas propostas pelos parlamentares e também encaminhadas pelo governo.

Segundo Bivar, a unidade de ideias e propostas predomina na legenda e com Maia. “Não estamos com o Rodrigo Maia por estar, foi a convergência das ideias dele”, afirmou. “[Temos] um sentimento de coesão, de uma agremiação que tem uma ideia só. Eu acho que a gente dando essa sustentação ao governo federal vamos viabilizar as reformas que o país exige. O PSL não vai ser um partido de questão fechada, somos liberais por natureza.”

Espaço

Na reunião, o PSL escolheu comandar as comissões de Constituição e Justiça e de Fiscalização e Controle, se Maia for reeleito. A sigla pretende garantir assento nas principais comissões permanentes, com o objetivo de focar na área econômica. Bivar destacou que a meta da gestão Bolsonaro é “reestruturar esse país tão danificado nos últimos anos”.

A deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP), cotada para liderar o partido, ressaltou que o modo de atuar do PSL se diferencia de outras legendas e não há barganha.

“Não há toma-lá-dá-cá. O que o partido fez foi garantir o espaço dentro da Câmara dos Deputados para que nós possamos trabalhar pelo governo Bolsonaro. É uma ingenuidade, até coisa de criança, uma meninice, achar que o partido vai conseguir fazer alguma coisa sem estar em espaços estratégicos”, avaliou.

Oposição

Em oposição à candidatura de Maia, o deputado federal eleito Marcelo Freixo (PSOL-RJ) lançou seu nome na disputa. “Sou candidato à presidência da Câmara dos Deputados por um amplo campo republicano e democrático que lutará para resgatar o espírito da Constituição”, disse o parlamentar na sua conta no Twitter.

Nas redes sociais, Freixo disse que o Congresso Nacional precisa se comprometer com o fortalecimento e a ampliação dos direitos sociais. “Meu compromisso como candidato à presidência da Câmara é com uma agenda econômica e social que promova a cidadania.”

Fonte: Agência Brasil

Política Nacional

Reforma da Previdência beneficiará mais pobres, revela ministério

Publicado

em

O crescimento econômico gerado pela reforma da Previdência beneficiará principalmente os 50% mais pobres da população. A conclusão consta de relatório da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, divulgado em Brasília.

No mês passado, o órgão tinha distribuído nota técnica na qual calculou que a economia cresceria 3,3% em 2023 com a aprovação total da reforma da Previdência, 2,3% com a aprovação parcial e encolheria 1,8% com as regras atuais.
Segundo o documento, a aprovação integral das novas regras poderia gerar até 8 milhões de empregos formais nos próximos quatro anos, mas o ministério não tinha divulgado a distribuição desse crescimento por classes sociais.

Agora, a SPE detalhou o impacto positivo da expansão da economia decorrente da reforma, conforme o nível de renda da população. O levantamento dividiu a população em 10 segmentos, em que o menor corresponde aos 10% mais pobres; e o maior, aos 10% mais ricos, e analisou o aumento da renda em cada faixa em dois cenários.

O estudo considerou o crescimento médio de 3% ao ano da economia até 2023, no caso de aprovação total da reforma, e retração média de 0,5% ao ano no mesmo período, sem mudanças nas regras.

De acordo com a nota técnica, a renda per capita cresceria mais entre os 50% mais pobres da população: de 3,07% por ano em média para o segmento entre 40% e 50% mais pobres a 3,48% por ano para os 10% mais desfavorecidos.

Entre os 50% mais ricos, a renda per capita também subiria, mas em ritmo menor: de 3% ao ano para a faixa entre 40% e 50% mais ricos a 2,63% ao ano entre os 10% mais ricos.

desemprego
Até 8 milhões de empregos com carteira assinada podem ser criados se a reforma da Previdência for aprovada  (Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil)

“A Nova Previdência traz ganhos a todos os brasileiros, mas favorece, particularmente, aqueles com renda mais baixa, cuja renda média terá maior aumento.

As condições econômicas geradas pela Nova Previdência, elevando o emprego, reduzindo a informalidade e estimulando investimentos são fundamentais para o desenvolvimento de uma economia capaz de garantir condições mais seguras aos mais pobres no hoje e no amanhã”, destacou o documento da SPE.

Empregos formais

Conforme o levantamento, dois fatores beneficiarão as camadas mais pobres da população. Em primeiro lugar, o crescimento da economia aumenta a criação de empregos formais e reduz a informalidade, que afeta 91,64% dos 10 % mais pobres e apenas 18% dos 10% mais ricos, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a SPE, até 8 milhões de empregos com carteira assinada seriam criados caso a reforma da Previdência fosse aprovada na totalidade.

A segunda razão para o crescimento da economia ter efeitos mais benéficos sobre as menores faixas de renda é a possibilidade de que a inclusão no mercado formal de trabalho aumente os gastos dessas famílias em educação e saúde.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana