conecte-se conosco


Política MT

Professores de Educação Física reúnem com o vereador Ícaro Reveles para apresentar projeto de inclusão

Publicado

em

Na manhã desta quinta-feira (08/11), estiveram reunidos com o vereador Ícaro Reveles (PSB) professores do Centro de Apoio e Atendimento João Ribeiro Filho, professor Jussiney Reginaldo de Magalhães e professor Sérgio Alves dos Santos para apresentar projetos na área de esporte para Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais.

De acordo com o professor Sérgio Alves dos Santos, que atua no tratamento com crianças com Necessidades Especiais há mais de vinte (20) anos, a visita tem como objetivo apresentar projeto de criação do Clube Paraolímpico Escolar em Várzea Grande.

“É com satisfação que buscamos o apoio do vereador Ícaro Reveles para apresentar o projeto do Clube Paraolímpico Escolar por acreditar que ele sendo do Esporte tem uma outra visão da importância do esporte para a vida do cidadão seja ele Portador de Necessidades Especiais ou não. Acreditamos que o vereador Ícaro será no grande parceiro nessa empreitada por uma educação inclusiva através do Esporte.”

Segundo o vereador Ícaro Reveles, o esporte tem sido uma ferramenta importante no processo de formação e educação infanto-juvenil e há interesse em buscar melhorias para a vida das crianças principalmente as Portadoras de Necessidades Especiais.

“O Esporte tem demonstrado que é um importante aliado na formação educacional, social e ético de qualquer pessoa. Vimos com bons olhos o projeto do Clube Paraolímpico Escolar como algo inovador para auxiliar o Município na formação e principalmente inclusão de crianças Portadoras de Necessidades Especiais. Vamos realizar um estudo aprofundado da proposta e ver a viabilidade de sua execução.” Explicou o vereador Ícaro Reveles.

Por: Jornalista Gastão Marques Filho

Comentários Facebook

Política MT

Bloqueio orçamentário em 2019 pode gerar ‘caos social’ em Mato Grosso, alerta senador

Publicado

em

Autor do projeto que criou a Política Nacional do Idoso e que deu origem à Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), o senador Wellington Fagundes (PR), manifestou preocupação com o bloqueio de R$ 45 bilhões no Orçamento de 2019 destinados à área de Assistência Social. Durante audiência na Comissão Mista de Orçamento, com a presença do ministro Esteves Colnago Junior, Wellington alertou para o risco de ser gerado um grande ‘caos social’ nos municípios de Mato Grosso, já sobrecarregados de responsabilidades, sem a devida contrapartida da União e do próprio Estado.

Wellington informou que a preocupação com o tema foi discutida inicialmente com a presidente do Colegiado Nacional de Gestoras Municipais de Assistência Social (Coegemas-MT), Solange das Graças, que apresentou uma série de dados sobre a situação. Segundo Fagundes, a falta de recursos para pagamento do Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada (BPC) causa extrema preocupação.

“Foram criados inúmeros programas, mas a responsabilidade está lá na ponta, principalmente para os prefeitos e governadores. Isso nos traz uma preocupação adicional e que precisa de uma solução” – frisou, cobrando, em seguida, a liberação dos recursos do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX), considerado vital para estados e municípios como Mato Grosso, maior exportador de produtos primários e semielaborados.

Dados apontam que, a prevalecer a atual situação, colocam em risco mais de 7 milhões de famílias que poderão ficar sem o Bolsa Família. Mais de 2,3 milhões de pessoas com necessidades especiais e idosos sem o Benefício da Prestação Continuada em todo o Brasil.

A manifestação do senador republicano foi endossada, durante a audiência pública com o ministro na CMO pelo presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga.

O possível bloqueio ao Bolsa Família e ao chamado BPC se deve à chamada “regra de ouro”, prevista na Constituição. Ela proíbe que a União se endivide para cobrir gastos correntes, como salários de servidores ou contas de água, energia e telefone. Para realizar despesas mais altas que as receitas, o Poder Executivo deve pedir autorização do Congresso.

A previsão para 2019 é de R$ 2,096 trilhões em despesas correntes e R$ 1,838 trilhão em receitas (exceto operações de crédito). A execução dessa diferença de R$ 258 bilhões depende de aprovação do Poder Legislativo. Sem autorização, os gastos não podem ser realizados.

No projeto de Lei Orçamentária Anual enviado ao Congresso o Palácio do Planalto incluiu na “regra de ouro” despesas com Previdência (R$ 201,7 bilhões); BPC (R$ 30 bilhões); Bolsa Família (R$ 15 bilhões); e outras rubricas (R$ 11,4 bilhões). De acordo com o ministro do Planejamento, o Governo Federal garante o pagamento desses gastos “até junho ou julho do próximo ano”.

O ministro frisou que não há corte dessas despesas. “Todas estão previstas. A gente sabe da importância de todos os gastos que estão aqui. Todos são essenciais, necessários e meritórios. Buscamos despesas que não tenham nenhuma resistência no Congresso. O próximo presidente vai ter tempo para mandar e o Legislativo para aprovar o projeto” — justificou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana