conecte-se conosco


Política Nacional

Na Câmara, Medeiros segue cobrando mudanças drásticas na Funai e no Ibama

Publicado

em

Em seu primeiro discurso como deputado federal, durante sessão legislativa desta quarta-feira (6), José Medeiros (Pode) mostrou que seguirá suas bandeiras já levantadas no Senado Federal como é o caso do combate a ideologização e interferências externas que atribui manchar a atuação da Fundação Nacional do Índio – Funai e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis – Ibama.

Em sua fala, Medeiros citou a ex-presidente do Ibama, Suely Araújo, e disse esperar ver o fim da malandragem nos dois órgãos. O deputado ressaltou o lançamento do plantio 2019 dos Índios Parecis, na região de Campo Novo, no próximo dia 13, como uma conquista contra a ação ideológica que, ao seu ver, não tem compromisso com o país e nem com os povos originários.

“Os Índios Parecis começaram a plantar em suas áreas há cerca de oito anos e no ano passado a ex-presidente do Ibama e sua equipe decidiram multá-los em R$ 130 milhões. Estamos na luta para que isso possa ser revisto, mas conseguimos através da Justiça Federal e com este Governo para que eles (Paresis) voltem a plantar novamente”, pontuou.


O parlamentar também colocou a defesa dos povos indígenas como um caminho utilizado por corruptos para o aparelhamento estatal. “O índio tem sido usado simplesmente como pano de fundo para malandro ganhar dinheiro (…) Hoje, índio brasileiro passa fome na maioria das tribos e a grande questão é que tem bilhões saindo dos cofres públicos para esta causa (…) A mortalidade indígena é duas vezes maior que a do SUS e os índios seguem sendo usados com demagogia por vários partidecos que diz defender as minorias. Isso precisa acabar”, finalizou
    

Política Nacional

Jayme quer transformar Lei Kandir em obrigação do Governo Federal

Publicado

em

“Mato Grosso não pode continuar perdendo receita por ausência de lei e de falta de vontade do Governo Federal”, disse o senador Jayme Campos (DEM/MT) que aguarda para os próximos dias a conclusão de um estudo econômico e jurídico de sua assessoria para tornar crime de responsabilidade o não repasse do ressarcimento das desonerações das exportações previstas na Lei Kandir e também a definição de um montante anualmente para fazer frente ao prejuízos acumulados pelos Estados e Municípios.

A postura do senador por Mato Grosso foi consequência do resultado da consulta feita ao Tribunal de Contas da União – TCU, de que a falta de regulamentação da Lei Kandir como determinado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal – STF, desobriga o Governo Federal de promover o repasse do que está vencido referente a 2018 e que soma R$ 1.950 bilhão e os futuros como deste ano de 2019.

Na campanha eleitoral, Jayme Campos após reunião com advogados acolheu a proposta de inserir a Lei Kandir e o FEX – Fundo de Exportações na Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF tornando seu cumprimento uma obrigação, pois no atual modelo, todos os anos o Governo Federal tem que emitir uma Medida Provisória – MP que precisa ser encaminhada ao Congresso Nacional para então ser cumprida.

Mato Grosso deixa de arrecadar em ICMS, algo em torno de R$ 7 bilhões, receita que 75% seria do Estado e 25% dos Municípios. Essa receita seria proveniente da desoneração de produtos destinados a exportações primários (grãos, boi em pé, madeira bruta) e semielaborados (minério de ferro, madeira trabalhada, algodão) como prevê a Lei Kandir.

“Já fiz um alerta para o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes junto com o governador Mauro Mendes de que os Estados e os Municípios não podem ficar a mercê da boa vontade do Governo Federal, pois a Lei Kandir não é nem regulamentada mesmo já existindo a quase 25 anos, dependendo todos os anos da emissão de uma Medida Provisória que as vezes não se concretiza”, disse Jayme Campos sinalizando que sua proposta insere a Lei Kandir e sua nova previsão legal na Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF para que o Governo Federal promova a entrega dos recursos de ressarcimento sob pena de ser punido por reter recursos que são de entes federados.

O senador pelo Democrata de Mato Grosso alertou ainda que pela previsão legal, os Estados e Municípios correm o risco de perder R$ 3,9 bilhões, ou seja, metade referente a 2018 não cumprido e sem previsão de repasse e o mesmo previsto para este ano de 2019. “Ou se toma providências concretas e realistas que visem a solução deste impasse ou quem será penalizado serão os Estados, Municípios e principalmente a população, pois as gestões fizeram projeção para utilizar estes recursos que deixaram de ser aplicados”, explicou Jayme Campos.

Ele aproveitou para sair em defesa do governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, que segundo o senador é uma pessoa bem-intencionada e assumiu em uma condição pré-falimentar, com muitos problemas e necessitando do apoio do Governo Federal.

“No que depender de mim, Mauro Mendes terá todo o apoio, pois está empenhado e consertar tudo que foi feito de errado, mas para isto depende de receita e Mato Grosso não pode abrir mão de uma soma significativa de quase R$ 500 milhões, lembrando que 25% deste total pertence aos 141 Municípios de Mato Grosso”, assinala Jayme Campos.

“Já estou conversando com os colegas senadores de Minas Gerais, do Pará, do Mato Grosso do Sul, de Goiás entre outros Estados que estão com dificuldades e tem recursos do FEX – Fundo de Exportação definido pela Lei Kandir e que constava do Orçamento de 2018 mas não foi cumprido pelo Governo Federal”, assinalou Jayme Campos.

Em recente visita a Mato Grosso, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ) assumiu o compromisso não apenas de regulamentar a Lei Kandir como determinação do Supremo Tribunal Federal bem como assegurar uma maior participação dos Estados e Municípios no ressarcimento dos valores que trazem prejuízos para os mesmos e lucro para o Governo Federal.

 Fotos: L Barbosa

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana