conecte-se conosco


Política MT

Justiça Eleitoral oferece seis aplicativos para uso do eleitor no pleito deste ano

Publicado

em

O compromisso de estar sempre alinhada com os avanços tecnológicos levou a Justiça Eleitoral a criar seis aplicativos para serem utilizados nas Eleições 2018. Todos estão disponíveis para o eleitor tanto em versão Android quanto iOS e podem ser baixados nas lojas virtuais Apple Store e Google Play.

Conheça mais sobre cada uma dessas ferramentas a seguir.

JE Processos

O JE Processos permite acompanhar o andamento de processos que tramitam na Justiça Eleitoral com mais facilidade e rapidez. Além de eleitores em geral, costuma ser utilizado por advogados e jornalistas. Disponível em âmbito nacional desde 2016, dispõe da consulta por nome da parte, nome do advogado ou número do processo. Após o preenchimento das informações, o aplicativo exibe o último andamento do processo, bem como seu relator, sua origem, partes e advogados. Decisões proferidas no processo pesquisado também podem ser acessadas.

Boletim na Mão

Com esse aplicativo, qualquer cidadão poderá acessar, de forma rápida, segura e simplificada, as informações contidas nos Boletins de Urna (BU), que são impressos após o encerramento da votação e afixados em quadros de aviso nas seções eleitorais no dia da eleição.

A totalização dos resultados da eleição é a soma dos dados de todos os Boletins de Urna, de todas as seções eleitorais do País. O acesso facilitado a esses documentos permite que o cidadão verifique se o BU impresso na sua seção corresponde ao recebido pelo sistema de totalização de votos, dando ampla transparência ao processo eleitoral.

Resultados

Esse é o aplicativo que o eleitor deve baixar para acompanhar a apuração do resultado após o encerramento da votação, previsto para as 17h do dia 7 de outubro. Por meio do celular ou tablet, o eleitor poderá visualizar em tempo real o número de votos dados a cada candidato.

Disponibilizado pela primeira vez nas Eleições 2014, foi o mais baixado até hoje dentre todos os aplicativos oferecidos pela Justiça Eleitoral. Por meio dessa ferramenta, é possível acompanhar o resultado da eleição em todo o Brasil e visualizá-los a partir de consulta nominal, que apresenta o quantitativo de votos totalizados para cada cargo com a indicação dos eleitos ou dos candidatos que disputarão o segundo turno. Exibe percentual, votos brancos, nulos, de legenda, nominais e o comparecimento do eleitorado.

e-Título

Quem baixar esse aplicativo terá uma via digital do título de eleitor. O e-Título informa o endereço do local de votação georreferenciado e fornece informações sobre a situação eleitoral. No caso dos eleitores que já fizeram o recadastramento biométrico e têm sua foto na base de dados da Justiça Eleitoral, o documento digital poderá ser utilizado para a identificação perante o mesário na hora de votar. O uso do aplicativo dispensa a apresentação do documento em papel.

Mesários

O aplicativo é destinado a um público de aproximadamente dois milhões de mesários que trabalharão nas Eleições 2018. Contém instruções gerais sobre a atividade do mesário e tem a função principal de dar suporte para o cidadão que vai prestar serviço no dia das eleições, de forma simples e rápida. Busca também orientar e tirar dúvidas sobre todo o processo, datas importantes do calendário eleitoral de interesse dos mesários, reúne dicas e soluções, vídeos e um questionário de avaliação para ser preenchido após a eleição.

Pardal

Voltado para a fiscalização por parte do eleitor quanto à campanha dos partidos e candidatos, o aplicativo Pardal permite encaminhar denúncias de irregularidades eleitorais, juntamente com evidências que podem servir de provas em eventual processo (fotos, áudio e vídeo). Podem ser encaminhadas denúncias de diversos temas, como propaganda eleitoral, uso da máquina pública, compra de votos, crimes eleitorais, doações/gastos eleitorais, dentre outros.

A solução Pardal foi desenvolvida em 2012 pelo Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES). No pleito de 2014, o aplicativo também foi utilizado de forma experimental por alguns estados. Desde as eleições municipais de 2016, passou a ser adotado pela Justiça Eleitoral em todo o país. Uma novidade na versão atual é o aprimoramento do sistema de triagem das denúncias, a fim de facilitar o trabalho de apuração por parte dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) e do Ministério Público Eleitoral (MPE).

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Vereadores protagonizam bate-boca e baixaria na Câmara Municipal de Nobres; veja vídeo

Publicado

em

Os vereadores Joarides Lojor Ribeiro-professor Magal (PR) e Rogério Frazão Sampaio (PSB),  se envolveram em uma confusão durante sessão realizada nesta sexta-feira (14), após pedido de vistas de um projeto apresentado por Lojor.

Insatisfeito com o pedido de vistas do colega, Magal literalmente começou ofender o colega com gritos.

Joarides é conhecido pelas polêmicas na cidade e por se envolver em confusões, ele já protagonizou “barraco’ com a vereadora Zaira Valandro (PSDB), logo no inicio do mandato. Outra vereadora que o acusa de agressões verbais é a vereadora Zilmai Ferreira de Jesus (DEM), que novamente se desentendeu com o colega.

O desentendimento em plenário após o final da sessão foi registrado pelo cinegrafista do legislativo André Godoy, que conseguiu gravar apenas o começo da confusão.

No vídeo, Magal grita com Rogério e tenta intimidá-lo acusando-o de não participar nas discussões dos projetos. Sem esboçar reação ou tentativa de defesa, Rogério apenas acena e não prolonga o bate boca.

Já a vereadora Zilmai, tenta “apaziguar a situação e diz que Magal faltou com o respeito com o parlamentar.

“Ele não respeita as pessoas, nós que somos colegas, eu sou vereadora de terceiro mandato e nunca houve estas baixarias aqui na Câmara, como está havendo neste mandato”, disse.

Já longe dos holofotes e das câmeras, a briga esquentou e por pouco não acabou em vias de fato.

O ex-presidente da Câmara Beto Valandro, esposo da vereadora Zaira Valandro, também interviu. Segundo as testemunhas o clima ficou tenso nos corredores, durante a saída dos vereadores.

Outro lado

O vereador Magal se defendeu e explicou que cobrou de Rogério, participação na análise e debate dos projeto apresentados. Questionado sobre uma possível agressão física, ele se defendeu e disse que o que ocorreu foi apenas discussão, que não houve nenhum, tipo de ataque à integridade física ou moral de ninguém. O que ocorreu, segundo, o parlamentar é que o colega  integra a Comissão de Constituição, Justiça e Redação e não esteve na Câmara para conferir a minuta da propositura.

 

O vereador usou sua página no facebook para se defender.

Confira o relato de Magal na rede social:

“Quero agradecer as críticas a mim direcionadas, pois quero informar a comunidade que estou fazendo o meu papel de vereador de elaborar projetos de lei em prol aos benefícios da cidade. Apesar de ser um pouco exaltado pois quem me conhece sabe que sou assim, mais tento mudar na maneira do possível. Respeito todos os vereadores, o que acontece é que falo alto, discussões, embates acontecem na política é só acompanharem tv senado, tv câmara. Na sessão do dia 14/06 elaborei um projeto sobre a criação do Programa LEITE MATERNO É VIDA em nosso município aonde de acordo com o projeto, relata as etapas e exigências a serem seguidas para desenvolver o tal projeto. Acontece que no decorrer da semana a comissão de Legislação precisam se reunir para discutir o projeto, se vai a aprovação ou se tem que fazer alguma emenda. O meu colega vereador Rogério é presidente dessa comissão e o mesmo não deu parecer no projeto para ir em votação. E na hora na votação ele pediu visto do projeto. Depois que terminou a reunião foi então que me dirigir até o mesmo e disse a ele (um pouco alterado no qual peço perdão) que ele não veio discutir o projeto durante a semana para dar o parecer favorável. Em nenhum momento eu dirigi a fala à qualquer outro vereador/vereadora e muito menos mandei ninguém calar a boca. Então deixo aqui o meu esclarecimento e continuarei lutando pela minha comunidade e peço para o pessoal da imprensa que procurem nos ajudar colocando as nossas ações como Legisladores e expliquem o teor da matéria, o porquê da discussão. Peço desculpa pelo transtorno e não quis magoar o vereador Rogério, simplesmente queria uma explicação.”

 

 

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana