conecte-se conosco



Cuiabá

Família de aposentada de 83 anos é a primeira beneficiada do programa de reforma de residências

Publicado

em

Telha, parafusos, conjunto de aroeira, vigas de madeira. Itens que vão transformar, para melhor a vida de uma família de 10 pessoas e dar um sono mais tranquilo para dona Joaquina, senhora de 83 anos, aposentada, moradora do bairro Planalto e também a primeira beneficiada com a reforma da sua casa pelo programa “Bem-morar”, da Prefeitura de Cuiabá.

Com paredes azuis, a casa de dona Joaquina é facilmente reconhecida. Da calçada se pode ver apenas metade do imóvel, já que ele se encontra abaixo do nível da rua. Esta condição é um dos grandes problemas para a dona da casa. Com a idade veio também as limitações físicas e por conta delas, dona Joaquina quase não sai de casa. Quando necessita, só com ajuda consegue superar o alto degrau da escada improvisada que leva a calçada. O acesso a casa é um dos muitos problemas do lar de dona Joaquina. Pelo declive em que se encontra, a casa é escura, praticamente não recebe luz solar. O piso está deteriorado, há problemas de encanamento e infiltração.

“Se o Prefeito não vem arrumar pra mim eu não sei o que seria, porque quando chovia a água corria dentro desta casa aqui. Descia pela parede, corria no chão e molhava tudo. Eu não tinha sossego pra dormir. Agora eu vou dormir tranquila, vou soltar até foguete”, explicou, feliz da vida, dona Joaquina, que recebeu a visita do prefeito Emanuel Pinheiro e da primeira-dama Marcia Pinheiro, na última sexta-feira (19).

Dona Joaquina é a primeira beneficiada do programa “Bem-morar, A Prefeitura Reforma a Sua Casa”, a receber seu projeto de reforma aprovado. O telhado será trocado logo nesta primeira etapa da reforma. Ao todo, 300 famílias de cinco bairros da região leste de Cuiabá serão beneficiadas nesta primeira edição: Vale do Carumbé, Jardim Umuarama, Planalto, Três Barras, Altos da Glória. Um dos requisitos na seleção dos bairros que receberiam o programa foi justamente ser uma área considerada Zona Especial de Interesse Social (ZEIS).

Após o estabelecimento da área, a equipe da Secretaria de Habitação realizou um trabalho de campo para selecionar as famílias que mais tinham necessidade do subsídio. Foi aí que conheceram a dona Joaquina, senhora de 83 anos, aposentada, moradora do Planalto que sustenta a família de 10 pessoas, entre filha e netos, com um salário mínimo.

“Dinheiro não sobra, é tanta coisa e às vezes tem que pagar um exame, comprar o remédio, mas agora eu achei um filho de Deus que é o Prefeito, e que vai me ajudar”, completou a senhora emocionada.

No Bem-morar, cada família beneficiada recebe um cartão reforma com até R$ 12 mil para ser investido em melhorias no lar sem necessitar devolver o valor ao Município. A avaliação da situação do imóvel é feita por equipe de professores do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que identifica as necessidades de melhorias e elaboram um projeto para a obra. A parceria entre Prefeitura e UFMT foi firmada por meio de um convênio de cooperação técnica entre a Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária e Fundação Uniselva, uma oportunidade também de aprendizado para alunos da instituição que colaboram sob supervisão de profissionais qualificados.

Prefeito e primeira-dama explicaram para Dona Joaquina como funciona o programa e como serão as etapas da reforma. Feita a entrega do cartão definitivo, se dirigiram até a loja de materiais de construção mais próxima para finalizar a compra dos itens para a reforma estabelecidos no projeto.

“Estou muito feliz, estamos muito felizes em poder realizar o sonho dessas famílias muito carentes, como é o caso da dona Joaquina que sozinha sustenta uma família de vários filhos com um salário mínimo e tem um casa que precisa praticamente de tudo. Aqui a Prefeitura vai estender a sua mão solidária, a sua humanização para que a dona Joaquina tenha uma vida mais digna e uma casa melhor”, declarou Pinheiro.

O programa, idealizado pela primeira-dama Márcia Pinheiro integra as ações realizadas pela gestão Emanuel Pinheiro de levar qualidade de vida à população mais carente.

“Este programa vai ser um sucesso retumbante, eu tenho certeza, porque nós não estamos melhorando a quantidade de habitações, mas a qualidade, exatamente o que diz a Constituição Federal: moradia digna. E é isso que o prefeito briga e impõe: condição de cidadão!”, comentou o secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Air Praeiro.

O valor repassado para cada família é calculado a partir das necessidades apontadas no projeto e deve ser destinado 25% para mão de obra e 75% para aquisição de material de construção civil. O recurso para atender a demanda é oriundo da Fonte 100 do Município.

 

Redação

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Cuiabá

Defensoria recomenda Cuiabá a aderir programa para saúde de presos

Publicado

em

A Defensoria Pública de Mato Grosso recomendou que a prefeitura de Cuiabá faça adesão à Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (Pnaisp), do Ministério da Justiça. No documento, a Instituição explica que a integração do município à política traria R$ 1,9 milhão, por ano, para investir em tratamento da saúde de presos na Capital.

A medida é assinada pelo coordenador do Núcleo de Execução Penal de Cuiabá (NEP), defensor público André Rossignolo, que informa no documento a portaria do Governo Federal que estabelece a política, a Interministerial nº 1 de 2 de janeiro de 2014.

Rossignlo afirma que o sistema prisional em Cuiabá mantém atualmente 3.793 presos, em quatro unidades, sendo a maior delas a Penitenciária Central do Estado (PCE), com capacidade para 900 pessoas, mas que hoje tem 2,3 mil. Ele lembra que um dos principais problemas registrados nas estruturas é a superlotação, mas que em decorrência dela, uma série de outros são registrados, sendo os impactos na saúde, física, mental e emocional dos detentos, o mais grave.

O defensor informa que atualmente a atenção à saúde para presos é ofertada pelo Estado, porém, de forma insuficiente e a aplicação da atenção, de acordo com a lei, seria equivocada, já que a responsabilidade legal dos municípios não está sendo cumprida.

“As unidades prisionais do Estado são antigas, insalubres, com falta ventilação, iluminação, água potável e na PCE, por exemplo, a informação é que o banho de sol só está ocorrendo nos finais de semana. Um lugar desses superlotado é um celeiro de doenças. Se ocorre uma infestação ali dentro, é muito complicado de controlar, logo, a assistência à saúde deve existir e funcionar. E hoje é demorada e insuficiente”.

De agosto a novembro deste ano um grupo de defensores atuou na PCE fazendo inspeções na estrutura, no sistema, na oferta dos serviços, além de análises de processos e pedidos na Justiça para garantir uma série de direitos violados. Um dos resultados do trabalho foi o pedido de interdição parcial do local, para reduzir a superlotação, hoje em 275%. A Instituição aguarda decisão da Justiça sobre o tema.

Outras Unidades – Além da PCE, em Cuiabá está instalado o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), com capacidade para 380 presos, mas com 1,2 mil; a Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, projetada para 180, mas com 250 presas e o Centro de Custódia de Cuiabá, onde estão 50 presos e a capacidade é para 49.

Notificação – No documento o defensor orienta que após a aprovação do Ministério da Saúde e da adesão do município de Cuiabá ao Pnaisp, a prefeitura faça o cadastramento das equipes e serviços que farão parte da Atenção Básica de Saúde Prisional no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (SCNES).

Pede ainda que as equipes que farão parte da Atenção Básica de Saúde Prisional sejam capacitadas nos termos da portaria e que o município se manifeste sobre o tema em dez dias. A Recomendação número 1 foi protocolada na prefeitura na terça-feira (10/12). A adesão do município à política nacional é opcional, mas o município não pode optar em não se responsabilizar em fazer o atendimento da atenção básica em saúde.

“Depois de todo o trabalho na PCE cobramos a formação do Grupo Condutor Estadual de Adesão ao Pnaisp e eu o integro. Esse grupo buscará estimular a implantação dessa política em nível estadual e estamos começando por Cuiabá, que não cumpre atualmente a sua função de atender a atenção básica nos presídios. Várzea Grande já aderiu. Vamos buscar a adesão dos outros municípios já que isso trará recursos e uma gestão mais eficaz da oferta de saúde para esse público”, explica o defensor.

 

Por Assessoria

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana