conecte-se conosco



Últimas Noticias

FAB intercepta avião com quase 500 quilos de cocaína

Publicado

em

Um avião bimotor carregado com quase meia tonelada de cocaína foi apreendido durante operação das polícias Federal (PF) e Militar de Goiás (PM-GO), com a intervenção da Força Aérea Brasileira (FAB).

Três aeronaves militares interceptaram o avião executivo modelo Beechcraft 95-E55 Baron, no final da noite desta quarta-feira (15), forçando-o a pousar na cidade de Rio Verde (GO), a cerca de 230 quilômetros de Goiânia. Segundo a FAB, o avião bimotor foi detectado por radares enquanto trafegava em baixa altitude e sem ter apresentado plano de voo previamente autorizado.

Imediatamente, o Comando de Operações Aeroespaciais da FAB enviou uma aeronave E-99 e dois jatos A-29 Super Tucano para acompanhar o bimotor em voo. De acordo com a FAB, o piloto do avião irregular chegou a pousar em Quirinópolis (GO), mas logo retomou o voo, sendo então forçado a pousar em Rio Verde, distante 100 quilômetros do primeiro lugar de pouso.

De acordo com a PF, três homens que aguardavam pela aeronave em uma pista clandestina de Quirinópolis descarregavam a droga, quando policiais federais e militares chegaram ao local. Foi neste momento que o piloto da aeronave voltou a levantar voo, tentando escapar. Em terra, houve troca de tiros e os três suspeitos foram mortos. As armas e os carros usados na ação também foram apreendidos.

Segundo o Registro Brasileiro Aeronáutico (RAB), a aeronave de prefixo PT-JLE pertence a Erick Garcia Guimarães e está em situação regular, estando autorizada a executar voos noturnos – não podendo, no entanto, realizar serviços de táxi-aéreo. Guimarães e seu ajudante, André Ruither Pinheiro Lima, estão detidos na Superintendência da Polícia Federal, em Goiânia.

Edição: Maria Claudia

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Últimas Noticias

Empresário pré-candidato à prefeitura de Maricá é assassinado

Publicado

em

O empresário Robson Giorno, de 45 anos, dono do Jornal O Maricá e pré-candidato a prefeitura de Maricá para as eleições de 2020, pelo partido Avante, foi assassinado, no fim da noite deste sábado, por volta das 22h, na Avenida Prefeito Ivan Mundin, via que corta os bairros Eldorado e Araçatiba, em Maricá, município da Região Metropolitana do Rio. No fim da noite, familiares de Giorno estiveram na Delegacia de Homicídios de Niterói São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), responsável pelas investigações, mas não quiseram falar com a imprensa.

De acordo com a polícia, militares foram acionados para o local do crime após serem alertados sobre um homicídio a tiros. Informações de portais de notícias de Maricá, ainda não confirmadas pela polícia, afirmam que Giorno chegava em casa a pé quando um carro de cor prata passou na frente do imóvel e começou a atirar contra a vítima.

No início da madrugada, policiais civis foram ao local do crime para a perícia. Sobre o caso, a prefeitura de Maricá emitiu uma nota em que lamentou a morte de Giorno:

“A Prefeitura de Maricá manifesta seu pesar pela morte trágica do jornalista Robson Giorno e espera que as investigações conduzam rapidamente à identificação e punição dos responsáveis. Assim como reiteramos nosso compromisso com a liberdade de imprensa e de expressão, repudiamos também qualquer ato de violência. Reafirmamos ainda nossa permanente preocupação com a segurança de todos os que vivem e trabalham em Maricá. Nossos sentimentos à família”, diz a nota enviada pela prefeitura.

Sua mulher, Simone Giorno, foi candidata a vereadora em 2016, pelo PSL, e obteve 179 votos, correspondente a 0,24% do total, não conseguindo ser eleita para a Câmara.

Início profissional aos 12 anos e desavenças políticas

Nas redes sociais, Giorno afirma que ficou órfão de pai aos cinco anos, quando teve que deixar o bairro de São Cristóvão e morar em Alcântara, São Gonçalo. Segundo a descrição, o empresário começou sua vida profissional aos 12 anos, trabalhando em uma padaria. Aos 14 anos, arrumou seu primeiro emprego de carteira assinada em uma ótica. Aos 18, Giorno começou a alugar bicicletas na Quinta da Boa Vista, Zona Norte do Rio. A ideia foi comprada por um empresário e, a partir de então, Giorno abriu lojas e construiu imóveis.

Também em seu perfil, Giorno indicou ter desavenças políticas na cidade onde morava: “Viva com simplicidade. Por que complicar as coisas ? Você acabará atrapalhando sua própria vida, porque as complicações nos atrasam. (…) E não podemos esquecer! Maricá é como o sol ! Uma nuvem pode até cobri-la, mas apaga-lá nunca!”, diz o texto publicado.

Em 2015, Giorno registoru uma queixa na 82ª DP (Maricá) acusando o ex-prefeito de Maricá, Washington Quaquá, de ameaçá-lo com mensagens de texto. Ele também acusou o então subsecretário de Segurança de Maricá, William Siqueira, de agressão. Os dois brigaram numa praça, em fevereiro daquele ano. Na época, Quaquá classificou como “mentirosa” a denúncia e prometeu entrar na Justiça contra Giorno, então presidente do PSL em Maricá.

 

Por Extra

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana