conecte-se conosco


Educação

Escola Técnica de Alta Floresta abre processo seletivo para três novos cursos

Publicado

em

A Escola Técnica de Alta Floresta irá abrir o processo seletivo com 120 vagas para três novos cursos de Formação Inicial Continuada (FIC) que são: Auxiliar de Geoprocessamento, Higienista de Serviço de Saúde e Cadista para a Construção Civil.

As inscrições começam na próxima segunda-feira (11.02) e vai até o dia 18 de fevereiro, das 7h30 às 11h, das 13h às 17h e das 19h30 às 21h30. Os candidatos devem apresentar RG, CPF e certificado de conclusão do Ensino Fundamental II. As aulas começam no dia 25 de fevereiro.

  As vagas são para estudantes que já concluíram o ensino fundamental II (6º ao 9º), ou equivalente e ter idade mínima de 16 anos completos até a data da matrícula, com exceção do curso de Higienista de Serviço de Saúde, o candidato deve ter idade mínima de 18 anos.

De acordo com a diretora da Escola Técnica, Emília Tarsitano, o curso FIC é um processo de ensino e aprendizagem voltado à formação para a elevação de escolaridade. Ainda segundo ela, as aulas na escola técnica iniciam no dia 11 deste mês para os cursos que estão em andamento.

O curso Auxiliar de Geoprocessamento tem carga horária de 160h, com 40 vagas disponíveis no período noturno. Já o curso de Higienista de Serviço de Saúde, tem 40 vagas e será de 240h no período noturno. O curso de Cadista para Construção Civil tem 40 vagas, será de 240h, no período vespertino.

Emilia explica que serão selecionados 120 candidatos que efetivarem suas inscrições por ordem de chegada, nos dias e horários estabelecidos conforme o Edital.

Serviço

Para obter mais informações, fale na Escola Técnica de Alta Floresta, que fica na Rua Canteiro Central entre as Travessas A e B, nº 10, Centro. Os contatos são: (66) 3521-4177 ou através do e-mail: unedaf@secitec.mt.gov.br.

Documentos para a Matrícula

  1. a) Histórico Escolar de Ensino Fundamental ou do Ensino Médio (original e fotocópia);
  2. b) Certidão de nascimento ou casamento (fotocópia);
  3. c) 01 (uma) foto 3×4 recente;
  4. d) Documento de identificação Oficial (original e fotocópia); RG;
  5. e) Cópia do CPF
  6. f) Cópia do Título de Eleitor (para candidatos com idade acima de 18 anos);
  7. g) Cópia da carteira de reservista ou comprovante quitação do serviço militar (para homens com idade acima de 18 anos);
  8. h) Cópia comprovante de endereço atualizado.

Att,

Soraya Medeiros

Educação

Mato Grosso está entre principais estados do país em número de presos estudando

Publicado

em

Atualmente são 2.556 reeducandos matriculados e 146 professores envolvidos na educação nas salas de aulas das unidades prisionais.

As salas de aulas dentro de 49 unidades prisionais do Sistema Penitenciário de Mato Grosso representam para muitos reeducandos a porta de entrada para uma nova oportunidade e a chance de seguir um rumo diferente na vida.

Neste ano, as 102 salas de aulas recebem diariamente 2.556 reeducandos que estão matriculados na educação básica. A Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá, e a Penitenciária Regional Major Eldo Sá Corrêa, em Rondonópolis, abrigam o maior percentual de estudantes.

Coordenadora pedagógica da penitenciária de Rondonópolis, Creuza Ribeiro, explica que a unidade possui nove salas de aula para atender 253 reeducandos matriculados nos ensinos fundamental e médio. O corpo pedagógico compreende 12 professoras. Neste mês também terá início o cursinho preparatório de vestibular Zumbi dos Palmares para aqueles que estão no último ano do ensino médio.

“Nossa equipe busca oferecer aulas dinâmicas e que atraiam o interesse dos recuperandos, pois sabemos da dificuldade de cada um. Daqui já saíram muitos deles para a universidade, portanto a educação é uma chance de recuperação e de novas perspectivas para quem se dedica”, menciona a pedagoga.

Sala de aula na penitenciária de Rondonópolis 

De acordo com dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), do Ministério da Justiça, Mato Grosso está entre os dez estados da federação em número de pessoas privadas de liberdade que participam de atividades educativas e laborais.

A coordenadora do Núcleo de Educação nas Prisões da Secretaria de Segurança Pública, Fabiana Magalhães, destaca que os professores nas unidades têm se empenhado a cada ano para ampliar a oferta de atividades educacionais e alcançar o maior número de alunos.

“Temos 146 professores que atuam nas 49 unidades e junto com gestores se uniram num esforço conjunto para ampliar o alcance das atividades educacionais com as pessoas privadas de liberdade”, reforça Fabiana, acrescentando que a Escola Estadual Nova Chance é a responsável pela parte pedagógica e professores.

Na Penitenciária feminina Ana Maria do Couto May, 60 mulheres estão matriculadas para a aulas deste ano. Quatro professoras se revezam nas atividades, com apoio da coordenadora pedagógica Margaret Anderson. Ela pontua que as atividades extra complementam e reforçam o aprendizado em sala de aula.

“Para este semestre foram programadas atividades do mês da mulher, em que falamos sobre empoderamento feminino; em abril realizamos sarau cuiabano em homenagem aos 300 anos de Cuiabá e em maio teremos atividades em relação ao dia das mães. Em junho teremos festa cultural com foco nas festas juninas”, comenta Margaret.

Chance de inclusão

A unidade feminina, a maior no Estado, também tem dois projetos em andamento envolvendo arte – a oficina de teatro – e o RefloreSer, que terá um viveiro de mudas e cultivo de flores tropicais em uma área da penitenciária.

Maior unidade prisional de Mato Grosso, a Penitenciária Central do Estado tem 14 salas de aula para os 390 reeducandos matriculados. De acordo com a pedagoga Rozelvira Salles, o corpo formado por 28 professores desenvolve atividades que incluem alfabetização, ensino fundamental e ensino médio.

Dados do Infopen apontam que dos presos em unidades de Mato Grosso, 37% têm ensino fundamental incompleto. “Podem te tirar a roupa, a dignidade e a liberdade, mas o conhecimento jamais”, acredita Fabiana, reforçando que o estudo para quem está privado de liberdade é uma nova chance de ser inserido na sociedade, a qual é excludente por si só. “Oferecer essa chance é dar mão para aquele que precisa de uma oportunidade de transformação e talvez os professores, representados em sala de aula, sejam essa mão amiga”.

A equipe do Núcleo de Educação nas Prisões composta pelos profissionais do Sistema Penitenciário Fabiana Magalhães, Lucimar Poleto, Renato Brandão e Maria Cristina Fonseca é responsável pela coordenação, supervisão, orientação e acompanhamento da oferta de educação, capacitação e profissionalização das pessoas privadas de liberdade nas unidades prisionais no Estado.

Neste mês, o Departamento Penitenciário Nacional enviou a Mato Grosso mobiliários para as salas de aula. Foram entregues 2.412 jogos mesas e cadeiras para alunos e 105 jogos para professores. Tudo isso visa fortalecer o trabalho realizado no âmbito estadual.

 

Fonte: Assessoria

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana