conecte-se conosco


Eventos

Classe produtora deve ficar de olho nas previsões meteorológicas nos próximos quatros meses, alerta especialista em evento

Publicado

em

A produção da safra 19/20 de soja dependerá da atenção que a classe produtora dará para os próximos quatros meses às previsões meteorológicas. Esse cuidado ajudará na tomada de decisão sobre o dia de plantar, de cuidar e colher o grão. Além disso, informações eficientes sobre o clima poderão contribuir para a rentabilidade do negócio.

“Sugiro total atenção ao clima nos Estados Unidos, pois esse ano será de um mercado climático extremamente ativo, o que poderá dar boas oportunidades de negócio aqui no Brasil. E em segundo nas previsões para o início da safra 2019/20, já que os modelos começam a sinalizar uma nova tendência das chuvas se regularizarem mais tarde nesse começo de safra. Com isso, se não tiverem atentos no momento do plantio, poderão perder áreas plantadas e dinheiro”, alertou Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista para mais de 300 pessoas que participam do XIX Encontro Técnico Soja Fundação MT que acontece em Cuiabá/MT.

De acordo com o especialista as interpretações das tendências climáticas são um dos fatores que podem limitar ou contribuir para a hora certa de semear, de fazer as aplicações necessárias de defensivos agrícolas, de aplicar os dessecantes para a colheita, bem como colher no momento correto. “Produtor que quer ter rentabilidade e sustentabilidade do seu negócio tem que inclusive saber como está o clima nas outras regiões produtoras, assim ele poderá saber se haverá quebras ou não na safra e com isso, poderá se posicionar melhor nas negociações de venda do seu produto”.

Na palestra intitulada “Safra18/19 – fatores climáticos que levaram a redução de produtividade”, Marco Antonio falou sobre os principais fatores limitantes da produção da soja da safra 18/19. Segundo ele na safra passada tiveram vários fatores. Mas o que mais afetou a safra de soja em Mato Grosso foram os baixos índices de radiação solar ao longo do mês de novembro e as altíssimas temperaturas, em especial as temperaturas noturnas que ficaram bem acima da média ao longo de toda a safra. Outro fator foi a baixa disponibilidade hídrica no mês de janeiro. “Essa safra não foi tão ruim como pregavam com relação ao clima. O El Niño não chegou afetar de fato a produção de soja. O que realmente afetou foram as fortes oscilações das temperaturas das águas equatoriana da região leste do Oceano Pacífico.”

Evento – O XIX Encontro Técnico é realizado pela Fundação MT e parceiros. Na pauta discussões sobre o panorama da safra 18/19 e recomendações técnicas para o planejamento da próxima safra. É um evento voltado para engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas, produtores rurais, pesquisadores e especialistas. Essa edição está sendo realizada desde terça de noite e seguirá até sexta-feira no hotel Gran Odara em Cuiabá/MT.

       Julianne Caju

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Governo mantém isenção de ICMS aos produtores de café de Mato Grosso

Publicado

em

O governador Mauro Mendes assinou nesta quinta-feira (15.08) o decreto que ratifica a cobrança diferida do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o café cru, em coco ou em grão, postergando a cobrança do imposto sobre o estabelecimento que realizar a última revenda do grão. Em outras palavras, o produtor que vender seu café para a indústria local não vai pagar ICMS.

O diferimento já era previsto pelo Decreto nº 2.212, de 20 de março de 2014, e apenas recebeu um ajuste textual em sua legislação. As alterações foram publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (16.08) e entram em vigor a partir da data de publicação. As mudanças trazem segurança jurídica e incidem diretamente sobre os produtores da agricultura familiar, responsáveis em 100% pela produção de café no Estado.

“Não podemos ser obstáculo para quem quer trabalhar e gerar renda em Mato Grosso. Atendemos a demanda do setor cafeeiro por entendermos sua coerência, e por entender que seja obrigação do Governo do Estado desburocratizar e simplificar o crescimento dessa importante cadeia produtiva, desenvolvida principalmente pelos nossos agricultores familiares. Tudo sempre dentro da ética e da transparência com que temos conduzido nosso trabalho para o incentivo dos setores produtivos do Estado. Certamente teremos mais empregos e renda distribuída entre os elos que compõem essa importante cadeia”, enfatizou o governador.

Representantes do setor cafeeiro de Colniza, acompanhados do secretário de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Silvano Amaral, chegaram a se reunir com o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, para ponderar sobre a necessidade de alterações no decreto. A preocupação era de que a ambiguidade trazida em parte do texto, pudesse acarretar a cobrança indevida do tributo, inviabilizando o setor cafeeiro.

O titular da Seaf destacou que a adequação da legislação trabalha para o incentivo da economia e estímulo ao aumento da produção no Estado. “A máquina pública não pode atrapalhar quem quer produzir e a desburocratização é uma das prioridades da gestão”, pontuou Amaral.

Além de se reunir com o Governo do Estado, os produtores também buscaram apoio junto ao deputado federal Carlos Bezerra (MDB) e ao presidente da Assembleia Legislativa Eduardo Botelho (DEM), que se comprometeram em avaliar a criação de uma Câmara Setorial Temática  para o fortalecimento das políticas de incentivo que envolvem o setor cafeeiro.

INCENTIVO À CAFEICULTURA – O Governo se prepara para investir na implantação de 125 unidades demonstrativas de café. A meta do Programa MT Produtivo – Café é estimular o plantio de cultivares geneticamente mais resistentes e mais produtivos, saindo de uma produtividade média de 14 sacas por hectare para até 70 sacas. Hoje, Mato Grosso está entre os 10 maiores produtores do país. O objetivo da Seaf é fazer do Estado destaque nacional na produção do grão.

CAFÉ EM MATO GROSSO – Colniza possui cerca de 15 mil hectares de área dedicada à cafeicultura, sendo responsável por 53% de todo café produzido em Mato Grosso. O município é referência na produção do grão e no manejo de cultivares de alta performance. A expertise dos produtores tem permitido a colheita de até 65 mil sacas limpas de café ao ano, o que representa a economia de boa parte dos mais de 6,5 mil agricultores familiares do município. No ranking de produção do café, Colniza é seguida por outros 27 municípios produtores, com destaque para Juína, Nova Bandeirantes, Aripuanã e Cotriguaçu, que juntos colhem 2.241 toneladas.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana