conecte-se conosco


Política MT

Botelho pede que governo explique nos municípios sobre fechamento de delegacias

Publicado

em

Na iminência de fechar 16 delegacias em Mato Grosso, o governo do estado deverá percorrer os municípios afetados e explicar o motivo do encerramento dessas unidades da Polícia Judiciária Civil. O pedido foi feito pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), durante reunião com o secretário de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, demais deputados e vereadores da região Araguaia, nesta quarta-feira (13.03).

Essa decisão é muito técnica. O secretário informou que em muitos locais tem apenas dois policiais, por exemplo, não tendo condições de investigar as ocorrências e, provavelmente, terá que diminuir para que o serviço funcione. Mas, em muitos locais a decisão será reavaliada. É o caso de Jangada, onde passam quase 20 mil veículos por dia e pedimos que seja revisto

Atendendo ao chamado da ALMT, o secretário Bustamante explicou que o fechamento de delegacias não é uma decisão política, e nem econômica, e sim técnica para fortalecer a investigação da Polícia. Ele disse que nas unidades que serão fechadas, em sua maioria, há apenas dois policiais trabalhando, que tomam conta do prédio, que segundo ele, é humanamente inviável porque acabam ficando sem licença ou férias. E que no momento o governo não dispõe de condições financeiras para colocar mais profissionais nessas unidades e nem para realizar concurso.

“O estado está no limite da lei orçamentária de contratação. Se começar um concurso agora, somente daqui há dois anos para colocar esses policiais à disposição. E, é nesse sentido que vamos cortar na própria carne, sabendo que a sociedade pode sentir a falta do policial, mas sabemos que a Polícia Civil tem o papel investigativo. Então, vamos retirar os profissionais que tomam conta de prédios para fazer investigação. Vamos de unidade em unidade para explicar essa decisão conforme nos pediu o presidente Botelho”, afirmou Bustamante.

O vereador de Novo Santo Antônio, José Marcio demonstrou preocupação com a decisão. “A população precisará percorrer 100 km para fazer um boletim de ocorrência, em estrada totalmente esburacada”, alertou, ao citar alguns casos de violência registrados no município.

Com 140 vereadores filiados, a União de Vereadores do Norte Araguaia e Xingu, que agrega 14 municípios da região, manifestou a preocupação com a medida do governo. O presidente da instituição, vereador Antônio Miranda disse que a medida foi tomada de maneira unilateral.

“Pretendemos demonstrar na audiência pública que não pensem somente em números, mas no cidadão que é quem sofre lá na ponta, porque o fato de desassistir essas cidades da Segurança Pública com certeza atrairá a atenção da marginalidade. Nossa região é por si só de pessoas carentes. Imagina não ter delegacia tendo que se deslocar longas distâncias para receber o atendimento, especialmente, no período de chuva? É em nome desse cidadão que estamos aqui para resolver essa situação”, alertou o vereador.

Fonte: Assessoria

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Pedido de empréstimo do governo tramita com dispensa de pauta

Publicado

em

Entrou em tramitação na sessão matutina desta quinta-feira (21), da Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei 310/2019, do governo do estado, que autoriza o Executivo a contratar operação de crédito externo junto ao Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), com a garantia da União.

No projeto, que tramita com dispensa de pauta, o governo estadual mostra que o empréstimo é para quitar uma dívida em dólar que o estado possui com o Bank of America, conforme contrato de empréstimo firmado em setembro de 2012, autorizado pela Lei Estadual 8.919/2008.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), que presidia a sessão, destacou a necessidade de o projeto ter uma tramitação mais célere em função de que o empréstimo depende ainda de passar pela Secretaria do Tesouro Nacional e pelo Senado da República.

Apesar das explicações do presidente da Casa de Leis e do líder de governo, deputado Dilmar Dal Bosco (DEM), a matéria governamental provocou divergências em plenário. Os deputados Lúdio Cabral (PT), João Batista (Pros) e Elizeu Nascimento (DC) fizeram ressalvas. Depois de discussões sobre o projeto, o presidente Eduardo Botelho convidou o secretário de Fazenda do Estado, Rogério Gallo, para vir ao Parlamento, na próxima terça-feira (26), no Colégio de Líderes, para dar esclarecimentos aos deputados sobre a mensagem governamental.

Lúdio Cabral está preocupado com as contrapartidas que normalmente os governos precisam fazer quando buscam este tipo de empréstimo. “Qual é a nossa principal preocupação? A de que os empréstimos concedidos por essas instituições geralmente vêm com contrapartidas, exigências aos governos e nós temos muita preocupação com relação ao orçamento do estado, às contas públicas, aos gastos com servidores, com previdências e queremos esse esclarecimentos”, afirmou.

O deputado João Batista quer mais tempo para discutir o projeto. “Nós queremos mais tempo para conhecer. Concordo que o secretário venha nos trazer esses dados. Não fazer análise, mas socializar as informações. É interessante que traga esses números e possamos votar com segurança”, completou.

O deputado Elizeu Nascimento também quer debater o projeto governamental. “Nós tivemos o desprazer do governo anterior de fazer empréstimos e o estado, por conta disso, agora está na UTI. Sem ter conhecimento do que está escrito, das cláusulas, do que de fato se trata, não assinei nem assino nada”, disse o parlamentar.

O líder de governo na Assembleia, deputado Dilmar Dal Bosco (DEM), fez questão de destacar que é um projeto simplificado, que consta apenas os requisitos do Tesouro Nacional. O parlamentar observou que a troca de dívida, que é a proposta do governo para o pedido de empréstimo, vai gerar economia para os cofres públicos.

Conforme o parlamentar, “a negociação proposta pelo governo trará uma economia de R$ 763 milhões em juros e amortizações até 2022, ano em que se encerraria a dívida com Bank of America”. Outro detalhe da negociação – disse – o estado passaria a ter uma nova dívida, só que com melhores condições de pagamento: prazo alongado de 4 para 20 anos e com juros anuais passando dos atuais 5% ao ano para 3,5%.

Fonte: Assessoria

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana