conecte-se conosco


Polícia

Associação criminosa que agia em assaltos a chácaras em Várzea Grande é presa pela Polícia

Publicado

em

Três suspeitos de integrarem uma associação criminosa que agia com truculência em roubos na zona rural de Várzea Grande foram presos na quinta-feira (10) pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (DERF-VG).

As investigações, conduzidas pelo delegado Afonso Monteiro da Silva Junior, apontam que os detidos estão envolvidos em, pelo menos, dois roubos a chácaras. Eles atuavam com grave ameaça e extrema violência à integridade física das vítimas.

Ambos os assaltos ocorreram no mesmo dia, 08 de janeiro. O primeiro foi realizado na madrugada, por volta das 03h da manhã, o segundo roubo ocorreu por volta das 21h30, em uma chácara no assentamento Nossa Senhora Aparecida, também em Várzea Grande. Nas duas ações as vítimas foram agredidas fisicamente com coronhadas e socos. Elas também foram amarradas.

No primeiro roubo os criminosos subtraíram itens de valor na residência (eletrodomésticos, joias, e um veículo Saveiro). Na segunda ação dos bandidos foram levados dois veículos (um Corola e uma motocicleta XRE), além de joias e R$ 50 mil em espécie.

Os trabalhos de investigação apontaram que os suspeitos Igor Silva Guimarães, 24, (conhecido como “Jangada”) Romário Silverio Lima, 29, e Fagner Castro Soares, 28, atuaram nos dois roubos. Contudo, “existe a suspeita que eles tenham atuado também em outros roubos na região, em razão do registro de assaltos em que os criminosos atuaram com o mesmo modus operandi e violência”, explica o delegado à frente das investigações.

Submetidos a atos de reconhecimento, os criminosos foram apontados por algumas das vítimas como os autores dos roubos. Os três detidos ostentam vasta ficha criminal em delitos patrimoniais.

Conduzidos à delegacia, após diligências ininterruptas desde a data do crime, os suspeitos foram flagranteados por roubo majorado (pelo concurso de pessoas, emprego de arma de fogo e restrição a liberdade das vítimas) e associação criminosa.

O trio foi encaminhado para audiência de custódia, com a representação pela conversão do flagrante em prisão preventiva, ficando à disposição do Judiciário.

Para o delegado Afonso Monteiro da Silva Junior, as prisões são de grande importância para o enfrentamento aos delitos patrimoniais na cidade de Várzea Grande, em especial os cometidos nas propriedades rurais localizadas no município. “Em razão da periculosidade, a Polícia Civil espera que os criminosos sejam mantidos encarcerados o maior tempo possível”, destaca o delegado.

A Derf de Várzea Grande continua com as investigações para identificar outras ações realizadas pelo grupo na região, e também para identificar e prender eventuais comparsas dos detidos.

Comentários Facebook

Polícia

Setor de Desaparecidos pede ajuda para localizar parentes de mulher

Publicado

em

Maria Lourenço Henride da Silva, 46 anos, procurou o Núcleo de Pessoas Desaparecidas da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), da Polícia Judiciária Civil, em Cuiabá, pedindo ajuda para encontrar sua mãe ou outro parente.

A mãe, que supostamente se chama Saturnina da Silva, nunca conheceu. “Quero encontrar meus pais. Quero encontrar minha mãe ou algum parente, um irmão, um primo, avó, tio. Alguém que seja do meu sangue. Tenho essa idade e até hoje não consegui descobrir quem são meus parentes. Quero saber minha origem”, contou.

Ela pouco se lembra de sua infância e juventude. Foi criada em casas de famílias, passou por lares assistenciais e também ficou internada na antiga Fundação Centro de Atendimento Socieducativo ao Adolescente (Febem).

“Fui criada na casa de famílias boas e na Febem. Tive o azar de não ser adotada por ninguém. Tanto é que minha certidão de nascimento foi feita quando eu tinha 14 anos, através dos exames que fazem das mãos (papiloscopia), dai que me deram um nome, uma idade, uma nacionalidade e o nome de uma suposta mãe, Santurnina  da Silva, mas eu não sei se é, de onde é”, fala. “Não tenho lembranças de rosto, de nome, de cidade, de nada”, complementa.

Maria Lourenço conta que já morou em São Paulo com uma família, que depois foi para Brasília, onde sofreu violência doméstica. “Dai eu fugi dessa casa e tive problemas e conheci um homem na rua (…) quando engravidei”, afirma.

Maria Lourenço Henride da Silva hoje mora no bairro Três Poderes, em Cuiabá ,  é mãe de quatro filhos.

Parentes dela podem estar morando na região de Cáceres ou na Baixada Cuiabana. Qualquer informação que possa ajudar na localização de paredes dela podem ser encaminhadas ao Setor de Desaparecidos da Polícia Civil no telefone (65) 3901-4823 ou (65) 9 9982-7766 (Whatsapp).

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana