conecte-se conosco


Galeria de Fotos

27.ª edição dos Jogos escolares em Nobres

Publicado

em

Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Galeria de Fotos

Mãe solteira, Alyne Lary, conta como venceu a depressão e o preconceito

Publicado

em

A modelo Alyne Lary tem 29 anos e acumula uma legião de fãs nas redes sociais, que a todo tempo, a cada foto postada, elogiam sua beleza e suas curvas, o que tem atraído diversas marcas e parcerias pelo . Por trás do sucesso como modelo e de chegar a estampar a capa de uma famosa revista masculina, existe a história de uma mãe solteira, que venceu a depressão, o preconceito e hoje é um sex symbol, referencial de beleza, auto estima e empoderamento.
Alyne é nascida e criada na cidade de Chapecó, em Santa Catarina, mas precisou mudar-se para Balneário Camboriú devido à situação econômica do país: “Eu fui bancária por 10 anos, mas há dois anos atrás, quando a economia do Brasil estava no pior momento da crise, e também devido a muita pressão no ambiente de trabalho, resolvi voltar para a profissão que sempre amei, que é a de modelo. Saí do banco e vim para Camboriú, e comecei a investir meu tempo na rede social, com fotos e vídeos no Instagram. Assim, acumulei muitos seguidores e surgiu o convite para a Revista Sexy”, revela.
No passado, a modelo já foi campeã de concursos de beleza na região sul, e por isso decidiu voltar a investir na carreira de modelo. No entanto, Alyne relata que foi vítima de preconceito por essa escolha: “Após minha separação, e o fim de um casamento que durou 7 anos, tive depressão e voltar a modelar me ajudou a dar a volta por cima. Superar os meus medos e angústias foi mais um motivador para vir para Balneário Camboriú e retomar a carreira. Fui muito criticada, tanto por ser uma mulher separada e consequentemente mãe solteira, como por ter decidido abraçar a profissão de modelo”.
Alyne mudou-se com seus dois filhos em busca de uma nova vida e conta como conseguiu vencer a depressão: “meus filhos foram minha motivação, e por eles aprendi a lidar com o preconceito de cabeça erguida. Não tive apoio de ninguém. Corri atrás, me formei em gestão, paguei sozinha pelos meus estudos na faculdade, segui a carreira de bancária, mas hoje trabalho somente como modelo, e me sinto realizada”.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana