conecte-se conosco


Cuiabá

Assinatura de Termo para contratação de reeducandos é adiada para próxima semana

Publicado

em

A Prefeitura de Cuiabá informa que o evento de assinatura do Termo de Intermediação de Mão de Obra Remunerada de Recuperandos, marcada para esta quinta-feira (09) foi adiado. O ato, que resultará na contratação de pelo 600 reeducandos, atendendo uma demanda da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, foi transferido para a próxima semana, com o dia exato ainda a ser definido.

A assinatura do Termo garantirá a consolidação de uma parceria com a Fundação Nova Chance (FUNAC) e a implantação na Capital de mais um grande programa social, colaborando na reinserção do recuperando, tanto nos âmbitos do convívio familiar e em comunidade quanto na esfera profissional.

O Funac é um órgão vinculado à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SEJUDH), autorizada pela Lei Complementar Estadual n.° 291, de 26 de dezembro de 2007 e instituída pelo decreto 1.478 de 29 de julho de 2008. A instituição busca auxiliar na ressocialização de homens e mulheres do Sistema Penitenciário do Estado de Mato Grosso, com oferta de trabalho remunerado, mediante parceria com empresas e entidades públicas que queiram contratar a mão de obra.

Fonte: Prefeitura de Cuiabá.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cuiabá

Juiz decreta prisão de cabo acusado de grampos volta a ser detido

Publicado

em

A Justiça acolheu requerimento efetuado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e decretou a prisão preventiva  do cabo Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior, por descumprimento de medida cautelar. Foi comprovado nos autos que o réu burlou  determinação judicial ao participar de uma festa em uma boate na Capital.

A decretação da prisão preventiva partiu do juiz Wladymir Perri que atendeu aos argumentos apresentados pelo promotor de Justiça Allan Sidney do O Souza, que atua no caso. Na decisão, além de destacar que o réu faltou com a verdade perante a Justiça, pois em um primeiro momento ele negou que tinha ido à boate, o magistrado enfatizou que o seu comportamento é de total descrédito.

“Não merece qualquer credibilidade, ou seja, o descrédito é total, ao ponto de se poder concluir que tem uma personalidade distorcida, o que oferece sérios riscos à sociedade, e principalmente para apuração dos fatos, o que , por si só, já justificaria a decretação da  prisão preventiva”,destacou.

O magistrado também fez referências à atuação da defesa e disse querer “acreditar que o douto causídico agiu em sua peça inicial de boa-fé”, e que teria sido ludibriado pelo réu, pois, posteriormente, teve que se justificar em nome do princípio da verdade real.

Enfatizou ainda que, além de faltar com a verdade, o réu não respeitou a determinação do Poder Judiciário. “O representado não tem respeito nem pela instância superior, ou seja, pelo Tribunal de Justiça, pois foi essa instância que lhe concedeu a liberdade e mesmo assim sob o pretexto de uma briga conjugal, resolve então ir com amigos da família, e aí entenda, já virando festa resolve curtir a noite cuiabana”, acrescentou.

O juiz Wladymir Perri deixou claro que a decisão tem feito de mandado de prisão e determinou que sua publicação no sistema eletrônico deveria ocorrer após a captura do réu, “justamente para evitar a fuga do representado, já que nem com o uso de tornozeleira o representado respeita a justiça, imagina se tomar conhecimento da presente decisão”.

FASE FINAL: No dia 03 de outubro, o Ministério Público apresentou alegações finais no processo da “grampolândia” e requereu a  condenação do Cabo PM Gerson Luiz Ferreira Correa Junior por falsificação de documento público e falsidade ideológica, cuja pena pode chegar até 18 anos de prisão, devido à continuidade delitiva.

Continue lendo

Artigos

Polícia

Política MT

Várzea Grande

Cuiabá

Mais Lidas da Semana